Colonia del Sacramento

06/09/2012 Quinta-feira

Após quatro dias intensos de passeios em Montevidéu, segui viagem a Colonia del Sacramento, Patrimônio Cultural da Humanidade. Lembro de querer visitar essa cidade-rmã da minha cidade natal (Pelotas) desde criança. Estudando História do Brasil, aprendi sobre sua importância estratégica para portugueses, espanhóis e brasileiros, que alternadamente a domiraram em diferentes momentos, desde sua fundação pelos portugueses em 1680 até a independência uruguaia do Brasil em 1825. Agora finalmente conheceria essa cidade histórica!

O tempo foi meu amigo nos dias em Montevidéu, mas aparentemente isso não aconteceria em Colonia: previsão de chuva para os dois únicos dias que eu passaria lá (um e meio, na verdade). Por isso, deixei meus pertences no Hostel Colonial e, depois de um rápido almoço, fui logo caminhar pelo Barrio Histórico e tirar algumas fotos.

Entrei (não podia ser diferente) pelo Portón de Campo; hoje restaurado, era nos tempos coloniais a única entrada das fortificações. Caminhei pelas partes restauradas da muralha e pelo característico calçamento de pedra da Calle de los Suspiros.

Depois de uma volta pela Plaza Mayor, tirei um tempo para admirar as largas paredes das ruínas do Convento de San Francisco, bem como para contemplar a “vista aérea” do Río de la Plata e da cidade de Colonia do alto do farol (onde ventava muito!) erguido sobre as ruínas.

Passando pelo Museo Municipal e pelas ruínas da Casa del Virrey, segui pela beira do rio até o Muelle, onde havia diversos veleiros. Por fim, visitei a Basílica del Sanctísimo Sacramento e, ao lado, a Plaza de Armas, onde há o sítio arqueológico da Casa de los Gobernadores da época de domínio português.

A noite pareceu vir mais rápido por causa do entardecer nublado. Voltei ao albergue para descansar um pouco. À noite fui ainda uma vez ao Barrio Histórico para um investimento gastronômico: janta no Mesón de la Plaza, em frente à Plaza de Armas. No Salón Portugués da casa, saboreei uma corvina em molho de nozes com medio y medio (tradicional bebida uruguaia, mistura de vinho branco seco com espumante). De postre, uma Copa Africana (sorvete com morango).

07/09/2012 Sexta-feira

A noite foi um pouco fria – e o albergue, embora simpático, por óbvio não tinha o mesmo conforto do hotel três estrelas de Montevidéu!

Ainda assim, descansado, visitei alguns museus no Barrio Histórico. Entrada única para todos; barata, comprada no Museo Municipal. As exposições dos museus que estavam abertos (Municipal, Español e Indígena) são bastante simples; eu esperava um pouco mais, embora não saiba bem o quê! Fiquei um pouco triste de descobrir que há rotatividade na abertura dos museus: nem todos abrem todos os dias. Se tivesse sabido disso antes, teria visitado o Museo del Azulejo e o Museo Portugués na véspera.

Fiz um rápido almoço no Viejo Barrio, em frente à Basílica del Sanctísimo Sacramento, e segui (abaixo de garoa) para uma caminhada pela Rambla até Real de San Carlos (cerca de 6 Km).

View Larger Map

Ali há a Plaza de Toros Real de San Carlos. A plaza de toros em estilo mouro foi projetada para comportar 10.000 pessoas. Foi inaugurada em 1910 e, depois de oito toradas, foi fechada em 1912, com a proibição das toradas pelo Governo Uruguaio. Infelizmente, o prédio está em ruínas; não se pode entrar. Nas redondezas também fica o Frontón de Pelota Vasca, quadra para a prática de pelota basca.

A garoa e um sentimento mais profundo de chateação (a caminhada até Real de San Carlos, sob garoa, não foi lá muito interessante), tomei um ônibus de volta ao centro da cidade. No Colonia Shopping, gastei todo o trocado que me restava com… um alfajor! (Sim: suficiente para um.)

Mas um dos pontos altos de Colonia ainda estava por acontecer: o jantar no Buen Suspiro, na Calle de los Suspiros. Na adega desta antiga casa colonial, com pé direito tão baixa que eu nem conseguia ficar em pé, pedi a Picada Pequeño Suspiro:

Selección de quesos artesanales de Colonia:

  • Queso Colonia
    Nicant, Nueva Helvecia – Santa Frida
  • Queso Colonia saborizado
    (orégano / ajo y perejil) – Villa Celina – San Pedro
  • Queso tipo Parmesano
    Rino Laudato, Tres Esquinas

Salsa Agridulce
(morrón rojo y berenjena)

Tartas de Verdura
2 gustos (berenjenas/zapallito)

Como acompanhamento, vinho da casa (também de Colonia), Fagar Cola (refrigerante uruguaio, também da região de Colonia) e antologia poética de Mario Benedetti (uruguaio de Paso de los Toros, um dos mais importantes escritores da língua espanhola no século XX). A comida, a bebida, o ambiente, a experiência – tudo muito uruguaio, tudo muito sustentável, tudo muito altamente recomendado! Um perfeito encerramento para minha semana de passeio no Uruguai.

Uma ideia sobre “Colonia del Sacramento

  1. Martin Chagas

    Olá meu xará tudo otimo?Eu fui a Plaza de Toros e não resisti!!Pulei a cerca e tirei fotos la de dentro!!!Vou seguir acompanhando seu blg meu caro!!AbraçosMartin Chagas

    Curtir

    Resposta

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s