Arquivo da tag: arquitetura

Pensa num país com J

A brincadeira do “pensa num país com…” começou em 2011, quando contei da minha viagem à Dinamarca, e seguiu em 2013, quando comecei a série de posts sobre meus passeios na Índia. Depois de um salto em 2015, volto em outro ano ímpar para começar a postar sobre as três semanas que passei de férias no Japão em maio.

E, como o atraso neste blog é gigante (melhor nem pensar se eventualmente estarei de novo em dia; a lista é grande e só aumenta), vou começar sem delongas.

Após pousar em Tóquio, fui de Shinkansen (o invejável trem-bala japonês) até Hamamatsu, onde passei uma semana com minha amiga Misako, que conheci na igreja de que participávamos em Nova York. Do trem tive a grata recompensa de ver o Monte Fuji – principal cartão-postal do Japão – pela primeira e única vez na viagem. (O roteiro desta vez não incluiu o Monte Fuji – ficou para o “gostinho de quero mais”.)


Monte Fuji ao entardecer, visto ao longe do Shinkansen entre Tóquio e Hamamatsu

Como eu suspeitava, minha amiga Misako foi uma anfitriã formidável. A semana em Hamamatsu foi perfeita para minha aclimatação ao Japão: comidas caseiras deliciosas, passeios exploratórios pela cidade, dicas culturais (inclusive gastronômicas) que valeram ao longo da viagem… Os desafios da comunicação com a mãe dela, que não fala outra língua além do japonês, foram uma boa prática para muitos outros lugares que visitei no Japão – onde o inglês é bem menos difundido do que eu imaginava.


Meu primeiro café-da-manhã no Japão. Um luxo! Salmão, sopa miso, algas marinhas, arroz, ohitashi komatsuna (“ohitashi” porque é um “vegetal fervido” com flocos de atum secos, molho shoyu e sementes de gergelim; “komatsuna” porque o “vegetal fervido” é uma espécie de espinafre), umeboshi (ameixa em conserva).


De carro com a Misako pelas ruas do bairro dela em Hamamatsu (mão japonesa!)

Minha chegada ao Japão fui justamente (e, claro, propositalmente) na chamada Golden Week (ou Semana Dourada), o maior feriadão japonês. Além de poder aproveitar mais tempo com minha anfitriã, tirei vantagem dos festivais e eventos culturais que acontecem nessa semana. Os três principais feriados comemorados são o Dia da Constituição (3 de maio), o Dia do Verde (4 de maio) e o Dia das Crianças (5 de maio).

Para o Dia das Crianças, é comum as famílias japonesas enfeitarem seus pátios com bandeiras em formato de carpa, ou Koinobori (鯉のぼり) (a palavra koi, também usada em inglês, significa carpa). Em japonês, essa palavra é homófona de outra que significa “afeição” ou “amor”, e por isso o peixe é um símbolo de amor e amizade no Japão. No Dia das Crianças, os koinobori coloridos e festivos simbolizam o desejo de uma infância saudável e de um futuro feliz!


Koinobori na casa de um dos vizinhos da Misako

Apesar da ocidentalização, em muitos aspectos o Japão me surpreendeu como um país muito diferente de outros que já visitei mundo afora – mesmo nos lugares comuns do cotidiano. No supermercado, além da organização e da limpeza impecáveis, chamou minha atenção como as prateleiras são baixinhas (bom, digamos que mais adequadas à altura média da população). Nunca me senti tão gigante! Na farmácia (e em muitos outros lugares), um pouco do que eu chamaria de poluição visual – uma mistura de cores e letras grandes e imagens… E, em ambos os lugares, muita luz fluorescente!


Vista geral (de drone? não, da altura dos meus olhos, mesmo!) do supermercado Entetsu


Variedade de máscaras descartáveis à venda na farmácia para elas e para eles. É quase um acessório de moda no Japão!

Outro aspecto que me chamou a atenção foi a integração entre o urbano e o rural numa mesma zona. É quase como se cada cada tivesse não o seu jardim, mas a sua pequena lavoura (em muitos casos até de arroz irrigado). Achei inicialmente que fosse uma particularidade da área onde a Misako mora, mas vi cenários parecidos em outros lugares que visitei mais adiante na viagem.


Casas, mas também lavouras e máquinas agrícolas


Tecnologia e energias renováveis em toda parte: painéis solares…


… e usinas eólicas, às margens do Rio Tenryū, onde deságua no Oceano Pacífico


Paragliders coloridos à beira do Oceano Pacífico, em Hamamatsu

Depois do passeio de exploração do território na parte da manhã, almoçamos okonomiyaki (お好み焼き) caseiro feito pela Misako e pela mãe dela. É uma espécie de panqueca salgada com repolho ralado, farinha, batata doce, ovos… e camarão (mas também pode ser com carne vermelha ou de porco). Provei outras variedades do prato em outras áreas ao longo da visita ao Japão.

Por fim, a experiência de andar de ônibus em Hamamatsu! Os veículos são muito limpos e bem cuidados e o sistema é bem organizado, pontual e ambientalmente consciente (é costume desligarem o motor nas sinaleiras, por exemplo). A tarifa não é única (depende das paradas de embarque e desembarque) e me pareceu um pouco cara, considerando a distância dos trajetos.

Ao entrar no ônibus o passageiro retira uma ficha de papel, que contém um número, a data e uma espécie de código de barras. O número impresso no ticket muda a cada parada. Um painel eletrônico na frente do ônibus, atualizado a cada parada, indica, para cada número, a tarifa a ser paga. No desembarque o passageiro deve colocar o bilhete e o pagamento (em moedas ou cédulas pequenas) numa mesma máquina, que lê o código de barras, reconhece o valor pago e devolve o troco. Pouco prático, mas high tech!

Mas a maior dificuldade inicial foi mesmo se achar pela cidade, porque os anúncios das paradas pelo sistema de som eram em japonês somente… Nas primeiras vezes contei com a ajuda da Misako e logo me acostumei. Ainda bem que os japoneses usam os algarismos indo-arábicos – na falta de conhecimento do idioma japonês, entender o número da parada, o número do ônibus e o valor da tarifa me ajudou bastante!


Foto da primeira viagem de ônibus… mas o destino desta viagem – meu primeiro passeio no centro de Hamamatsu durante a Golden Week – fica para o próximo post!]

Anúncios

Catedral de Sal de Zipaquirá, Colômbia: expectativas superadas!

No terceiro e último da série de posts sobre a viagem à Colômbia, conto um pouco sobre o passeio à pequena cidade de Zipaquirá, 50 Km ao norte de Bogotá. Lá fica a Catedral de Sal (mapa, site oficial), primera maravilla de Colombia, projetada dentro de uma mina de sal, a 190 metros de profundidade. No início tivemos dúvidas se valia a pena nos aventurarmos fora de Bogotá, mas as dúvidas se dissiparam logo que chegamos — foi uma experiência única!

Não é uma visita para claustrofóbicos. Necessariamente com guia, entra-se na parte desativada da mina por um túnel, com um sutil declive. Ao longo de 386 metros e com 13 metros de altura estão dispostas as 14 estações da Via Crucis, a representação do caminho feito por Jesus Cristo desde seu julgamento, passando pela crucificação, até a sepultura. Cada estação fica junto a um dos enormes socavões abertos na montanha para extrair sal.

Tudo ao redor, por incrível que pareça, é sal. Para tirar a dúvida, basta lamber a parede. Não confirmarei se o fiz ou não. Tampouco negarei.

Seguem algumas fotos das impressionantes estações da Via Crucis:

Iēsus Nazarēnus, Rēx Iūdaeōrum = Jesus Nazareno, Rei dos Judeus

Essa do gurizinho contemplando a cruz vazada é minha preferida 🙂

A última estação da Via Crucis é a do túmulo vazio!

Ao fim das estações da Via Crucis chega-se ao Coro, do alto da nave central da Catedral.

Vista do Coro

Nave central, vista do Coro

Em homenagem aos mineiros, algumas ferramentas de trabalho em exibição

As escadas, com ar de labirinto, representam caminhos pelos quais os cristãos deveriam passar, como penitência, para ter acesso à Catedral.

Nave Central tem 80 metros de comprimento e 10 metros de largura. Nela foram talhadas quatro grandes colunas (sem função estrutural) que representam os quatro Evangelhos. De lá também se vê a imensa cruz do altar, que, embora não pareça, é vazada; uma bela ilusão de ótica! No centro da Nave Central há o medalhão da criação, feito em homenagem à obra de Michelangelo na Capela Sistina.

Presépio

O medalhão da criação

A imponente cruz vazada no altar da Nave Central

Da frente da Nave Central, olhando para o Coro

Na Nave da Ressurreição há uma escultura de pietà, que representa o fim da vida terrena de Jesus Cristo

Na saída da Catedral, um impressionante espelho d’água!

Escultura talhada na pedra de sal por artistas locais

Luz no fim do túnel na saída da mina

Luz no fim do túnel na saída da mina

No Parque de la Sal, há outras atrações além da Catedral, como um teatro subterrâneo (em mais um dos socavões!) onde se pode assistir a um vídeo sobre a formação da montanha de sal, um museu de mineração e geologia, além de muitas lojas de souvenirs (obviamente).

Depois da visita e no caminho de volta para Bogotá, passamos pelo centro de Zipaquirá, que também é muito simpático, especialmente pela arquitetura em estilo colonial espanhol.

Estação do trem turístico de Zipaquirá — é possível ir de trem de Bogotá a Zipaquirá!

Praça Central de Zipaquirá

Prefeitura de Zipaquirá

A Catedral – não de sal! – de Zipaquirá, com fachada em pedra, construída entre 1760 e 1870

Casario em estilo colonial espanhol no entorno da praça central de Zipaquirá

Cartagena: quatro dias e queria mais

Para comemorar o aniversário do meu pai, escapamos das temperaturas normalmente baixas do início de junho no sul do Brasil e fomos passar um calorzão úmido em Cartagena de Indias (depois de alguns dias de friozinho de altitude em Bogotá… mas o post virá depois, porque resolvi subverter a ordem — cronológica — por aqui). Muitos amigos já tinham recomendado viajar à Colômbia e, especialmente, a Cartagena. Sábios amigos: a cidade é mesmo linda!

Encontramos no airbnb o nosso QG familiar para esta aventura de quatro dias. Já que estávamos entre sete pessoas, escolhemos um apartamento duplex, com três quartos (e com direito a um terraço ou, considerando a temperatura naqueles dias, torraço!). Localização é tudo: nosso apartamento era bem em frente ao Café del Mar, um bar e restaurante situado no Baluarte de Santo Domingo. Hospedados a apenas alguns passos da muralha de 11 Km que cerca o centro histórico de Cartagena, pudemos caminhar para grande parte das atrações.

Ruas de Cartagena, perto do muro e do nosso apartamento

Free Walking Tour

No primeiro dia do passeio, enfrentamos o sol forte para fazer uma caminhada com um guia voluntário (mas que, claro, aceita e deve receber gorjetas no final do passeio!), do Free Tour Cartagena (também com página no facebook). O ponto de partida foi a Plaza Santa Teresa, ao redor da qual ficam o elegante hotel Charleston e o Museo Naval del Caribe.

Hotel Charleston Cartagena

Ali conhecemos a história de Catalina, uma personagem indígena importante na história da Colômbia. Catalina, filha de cacique, foi raptada pelos espanhóis em 1509. Depois de ser evangelizada e de adquirir costumes europeus, serviu de intérprete entre espanhóis e indígenas. Também foi amante de Pedro de Heredia, o espanhol que fundou Cartagena. O prêmio do Festival Internacional de Cinema de Cartagena é uma estátua da índia Catalina.

Estátua da Índia Catalina em frente ao escritório do Festival Internacional de Cinema de Cartagena

A seguir, fomos à Plaza de San Pedro Claver, dominada pela igreja de mesmo nome. Pedro Claver era um padre e missionário jesuíta que se dedicava a aliviar o sofrimento dos escravos. Ele mesmo se chamava de “escravo dos negros”. Em frente à igreja há uma estátua do santo juntamente a um escravo negro, obra do escultor colombiano Enrique Grau.

Iglesia de San Pedro Claver, construída entre 1580 e 1654

San Pedro Claver y el Esclavo, obra de Enrique Grau

Ainda na Plaza San Pedro há um conjunto de onze esculturas de aço envelhecido do escultor Edgardo Carmona. Elas retratam profissões tradicionais e cenas nostálgicas da antiga cidade de Cartagena: uma costureira, um jogo de xadrez, um afiador de facas…

Junto à igreja de San Pedro Claver há também um claustro e um museu. Nesse complexo se destaca a segunda mais longa sacada colonial do mundo. Foi originalmente construída sobre a própria muralha da fortificação, que teve de ser reconstruída alguns metros adiante.

As sacadas coloniais, aliás, são um dos mais evidentes destaques do centro histórico de Cartagena. Estão por toda parte. Em muitos casos, evidenciam a riqueza dos proprietários — quanto mais sacadas, mais janelas, mais vidro, mais luz, mais opulência.

Hoje muitas dessas sacadas estão carregadas de flores. Uma associação de mulheres de Cartagena aproveitou-se desse costume local e criou o Primeiro Concurso de Embelezamento de Sacadas e Fechadas, realizado na Semana Santa de 2016.

O longo balcão colonial, em frente à muralha

Mais sacadas coloniais

Uma das muitas sacadas carregadas de flores

Passando pela Plaza de la Aduana, chega-se à Plaza de los Coches, onde encontramos logo a Torre do Relógio, a estátua de Pedro de Heredia (fundador de Cartagena) e o Portal de los Dulces — arcadas sob as quais se encontram diversos doces típicos da região, feitos com coco, goiaba, banana ou outras frutas… e, invariavelmente, muito açúcar! Degustação obrigatória.

Pedro de Heredia

Detalhe da Torre del Reloj

No final do Portal de los Dulces, um poema — e mais sacadas coloniais!

No centro da Plaza de Bolívar há uma estátua equestre do libertador da Colômbia (e, como sabemos, de tantos outros países sul-americanos). Ali também fica o Museo Histórico de Cartagena, situado no antigo Palacio de la Inquisición. Infelizmente não chegamos a visitá-lo, mas dizem ser o melhor museu de Cartagena. A Inquisição funcionou em cartagena de 1610 até, pasmem, 1821. Dentro do prédio há cárceres e câmaras de tortura usados para julgar delitos contra a fé cristã. Uma das principais heresias julgadas em Cartagena era a bruxaria.

Estátua equestre de Simon Bolívar

Palácio da Inquisição, hoje Museu Histórico de Cartagena

A pequena e conturbada Plaza de Santo Domingo, dominada pela igreja de mesmo nome, está repleta de artistas e vendedores de rua e cercada de restaurantes. Um dos destaques ali desde 2000 é Gertrudis, do colombiano Fernando Botero, conhecido por suas esculturas redondinhas. O desgaste das mamas da escultura se explica pela crença popular de que tocá-las garante amor por toda a vida!

“La Gorda de Botero”

A caminhada guiada por Cartagena rende muitas outras descobertas, sobre história, arquitetura, gastronomia… nem tudo cabe no blog (e algumas memórias se vão quando demoramos a registrá-las!). Mostro só mais três fotos de que gosto, tiradas no passeio, e passo à próxima visita: o Castelo de San Felipe de Barajas.

Decorações de temas marinhos (sereia e cavalo-marinho) nas portas coloniais de Cartagena

As ruas, as sacadas, e a linda torre da Catedral de Cartagena

A fachada genial deste restaurante argentino chama a atenção

Castillo de San Felipe de Barajas

O Castillo de San Felipe de Barajas (que na verdade é um forte, não um castelo) é a maior construção militar espanhola das Américas, datada de 1657. Situa-se no alto do morro de Sán Lázaro, numa posição privilegiada e estratégica para a defesa da cidade. Fica fora da cidade amuralhada, mas, juntamente com ela, foi declarado Patrimônio da Humanidade pela UNESCO em 1984. O forte tem um assustador labirinto de túneis que vale a pena explorar!

Castillo de San Felipe de Barajas

Vista de Cartagena, do alto do forte

Meu cunhado saindo de uma das portas do labirinto de túneis

Dentro dos túneis da fortificação

Meus pais e minha tia, desbravando bravamente as ladeiras íngremes!

Cartagena à noite

Caminhar pelo centro histórico de Cartagena à noite é totalmente seguro e altamente recomendável. A cidade fica bem iluminada e particularmente charmosa. É possível caminhar sobre longos trechos da muralha, que fica toda iluminada. Ali há até alguma chance de soprar uma brisa que ajude a amenizar o calor (mas melhor não contar com isso; para amenizar o calor em Cartagena, só mesmo ar condicionado!). Há várias opções de excelentes restaurantes e, de novo pensando em amenizar o calor, sorveterias. E nas praças, além dos vendedores (que estarão ali à noite assim como estiveram durante todo o dia!), de vez em quando há shows amadores de música e dança.

Muralha iluminada à noite

Ruas de Cartagena e a torre da Catedral

Sorvete de facebook e de WhatsApp?!

Danças típicas na Plaza Bolívar

Playa Blanca, Isla Barú

As praias na própria cidade de Cartagena não são lá grande coisa. Um dia fomos a La Boquilla, pertinho do Hotel Las Américas. Alugamos uma tenda. Alguns do grupo quiseram massagens feitas pelas insistentes moças que passam por ali. Tomamos água de coco e almoçamos na praia mesmo, refeições servidas por um restaurante próximo. Areias cinzentas, mar aceitável. Mas nada muito glamuroso.

Uma tarde em La Boquilla

No dia seguinte, resolvemos fazer valer a pena: fomos de barco até Playa Blanca, na Isla Barú, ao sul de Cartagena. Ali, sim, tivemos a experiência do que se espera de uma praia caribenha (para mim, foi a primeira experiência dessas): areais brancas e finíssimas e águas cristalinas.

Ficamos por ali mesmo na Playa Blanca todo o dia, mas a próxima parada teriam sido as Islas del Rosario, para fazer mergulho no Mar do Caribe.

Como o acesso rodoviário é demorado e a infraestrutura é bastante precária (restaurantes muito simples, banheiros — bem, na verdade, sem comentários sobre os banheiros), a praia está bastante intocada, ainda. Mesmo assim, claro, com o crescente movimento de turistas (tipo nós!), deverá mudar muito nos próximos tempos.

Não poderia pensar em nada melhor nem mais nostálgico para terminar: fotos de Playa Blanca!

Ao sair de barco, cúpulas da Igreja de San Pedro Claver e da Catedral

Deixando Cartagena para trás em alta velocidade

A caminho de Playa Blanca, passamos pelo Fuerte de San Fernando de Bocachica

A paradisíaca Playa Blanca, em Isla Barú

Águas cristalinas de Playa Blanca

Segundo dia em Bratislava, Eslováquia

Começamos o segundo dia com o plano de visitar o Palácio do Primado (Primaciálny palác, mapa). Hoje sede da Prefeitura de Bratislava, esse palácio neoclássico foi construído no final do século XVIII (concluído em 1781) para ser a residência do Arcebispo József Batthyány. No pátio interno do palácio está a Fonte de São Jorge (Fontana Sv. Juraja), esculpida em arenito no século XVII e originalmente instalada nos jardins do Palácio Grassalkovich.

Mas nosso plano foi interrompido por uma invasão napoleônica.

Palácio do Primado (Primaciálny palác)

Fonte de São Jorge (Fontana Sv. Juraja)

Quando menos esperávamos, começaram a surgir – vindos da Praça Principal para a frente do Palácio do Primado – soldados com vestimentas de época, marchando por aí e dando tiros de festim para o alto. Demorou um tanto até entendermos que era parte da encenação das batalhas de 1809 entre o exército napoleônico e o exército húngaro (sim, húngaro, mesmo: lembrando que na época Bratislava – ou Pressburg – fazia parte do território húngaro). Napoleão sitiou Bratislava por quase um mês. Bem que tentou conquistá-la, mas fracassou: foi sua primeira derrota. Essa encenação se repete a cada ano na cidade, para comemorar esse momento histórico.

Depois da encenação, foi engraçado ver as ruas da cidade tomadas pelos soldados – como nesta foto, em frente ao nosso café favorito, o Schokocafe Maximilian.

Uma vez que expulsamos o exército napoleônico, fomos almoçar no Restaurante UFO, no alto da polêmica Ponte SNP (Most Slovenského národného povstania, mapa).

Essa ponte estaiada sobre o Danúbio foi construída em 1972, como uma demonstração das virtudes da engenharia comunista. A polêmica ficou por conta da parte significativa da cidade antiga de Bratislava que foi demolida para criar a rampa de acesso à ponte. Entre essa parte destruída estava praticamente todo o bairro judeu, inclusive uma importante sinagoga. A ponte também passa perigosamente da Catedral de São Martin: o tremor causado pelo tráfico pesado e intenso na rampa de acesso tem causado danos estruturais à igreja.

No alto do pilar único de 84,6 metros de altura da ponte fica o restaurante onde fomos almoçar, o UFO, em uma estrutura em formato de disco voador (daí o nome!). Meu ex-colega de NYU – Matus, meu único amigo eslovaco! – e sua família vieram nos encontrar para almoçar conosco. O UFO oferece belas vistas sobre o Danúbio e o centro antigo de Bratislava; pela que a chuva e a névoa não colaboraram muito!

Centro antigo de Bratislava, com destaque à Catedral de São Martin

Castelo de Bratislava

Nossa janela no UFO, com vista privilegiada!

Meu elegante prato no UFO

No caminho da saída do restaurante, a Lu encontrou (eu era capaz de nem ter visto…) a famosa estátua Paparazzo. Ela costumava ficar na esquina das ruas Radničná e Laurinská (onde havia um restaurante chamado Paparazzi, hoje permanentemente fechado), discretamente tirando fotos dos transeuntes! Essa estátua é uma das preferidas dos turistas e está praticamente em todos os guias de viagens e blogs sobre Bratislava que tínhamos lido. Tínhamos procurado bastante por ela na véspera – foi uma surpresa encontrá-la no UFO!

Aí está o Paparazzo, agora no bar do UFO

E aí está a Lu, fotografada a partir da esquina onde a estátua do Paparazzo costumava ficar, no centro de Bratislava

Entre o almoço, a busca das malas no hotel e o horário do trem, sobrou pouco tempo. Caminhamos do centro – passando pela Filarmônica Eslovaca (Slovenská filharmónia, mapa, site oficial) e pelo Museu Nacional Eslovaco (Slovenské národné múzeum, mapa, site oficial) – até o Danúbio para um passeio à beira do rio… abaixo de chuva.

Filarmônica Eslovaca (Slovenská filharmónia)

Museu Nacional Eslovaco (Slovenské národné múzeum)

Acabamos no shopping center Eurovea (mapa), onde encontramos mais estátuas interessantes, inclusive uma das minhas preferidas: a delicada estátua de uma equilibrista na corda-bamba, parte de uma instalação maior, com outras personagens circenses.

Entrada do Eurovea

A estátua da equilibrista e seus colegas de circo, sob diferentes ângulos

Em Bratislava vimos muitos prédios com símbolos e resquícios do comunismo, como este abandonado e vandalizado, com estátuas de trabalhadores da indústria e da agricultura.

A última agradável surpresa de Bratislava foi encontrarmos a Igreja de Santa Isabel (Kostol svätej Alžbety, mapa), também conhecida como a Igreja Azul. Foi construída em estilo Secessão (o Art Nouveau húngaro) nos anos 1907 e 1908. Já tínhamos visto projetos e fotos dessa igreja em Budapeste quando visitamos o Museu de Artes Aplicadas, onde havia uma exposição sobre a obra do arquiteto Ödön Lechner, que também projetou o próprio palácio do museu.

Primeiro dia em Bratislava, Eslováquia

Da Expedição 2015 só faltou contar de quando fugimos de Budapeste e fomos de trem a Bratislava, passar dois dias na capital da Eslov… Para. Pensa. Eslovênia? Eslováquia.

Keleti Pályaudvar, bela estação de trem de Budapeste, de onde partimos

Desbravando Bratislava (Desbravatislavando?)

Na caminhada da Estação Central de Bratislava (Bratislava hlavná stanica, mapa) até o hotel, passamos pelo Palácio Grasalkovičov (mapa). Construído em 1760 em estilo Rococó ou Barroco Tardio para o Conde Grasalkovičov, um nobre húngaro, hoje é o palácio presidencial (Prezidentský Palác) da Eslováquia, servindo como residência oficial do Presidente da República. Em frente ao palácio fica a praça Hodžovo námestie, com a fonte Terra – Planeta de Paz.

Devidamente instalados no hotel, saímos por uma caminhada de reconhecimento dos arredores, descobrindo as ruelas estreitas da antiga Bratislava e encontrando verdades eternas pelo caminho, até chegar à Praça Principal (Hlavné námestie, mapa).

Uma das verdades eternas encontradas em Bratislava: “A vida é cheia de perguntas – Cupcakes são a resposta”

Igreja de Santa Clara (Kostol Klarisiek) e o Castelo (Hrad) ao fundo

Já na Praça Principal, a Antiga Prefeitura (Stará radnica), um complexo de edifícios construído a partir do século XIV

Na praça principal, o edifício do Banco Húngaro e Palácio Palugyay Palace, além da Fonte Roland (ou Fonte Maximiliano), de 1572

Estátuas de Bratislava

Na Praça Principal começamos a observar as estátuas espalhadas pelas ruas. São muitas estátuas – e todas bastante originais e curiosas! A primeira que vimos foi a estátua do Soldado do Exército Napoleônico, esculpida em bronze por Juraj Melis. A estátua lembra a invasão de Bratislava pelas tropas de Napoleão no início do século XIX. O chapéu é típico.

Do jeito que está parado, parece que o soldado está permanentemente bisbilhotando a conversa de quem sentar no banco… ou está apenas descansando e contemplando a vista dali. Na dúvida, a Lu foi conferir essa perspectiva.

Outra estátua muito famosa é a de Cumil, um operário dentro de um bueiro, com a cabeça e os braços para fora, olhando para a rua. Foi instalada em 1997 e é tida como a mais famosa estátua de Bratislava (aliás, difícil tirar uma foto ali em que não tenha alguém na volta, ou tirando foto ou esperando na fila para posar junto à estátua). Não é pra menos: Cumil é mesmo muito simpático! A estátua fica na esquinas das ruas Panská e Rybárska brána (mapa).

Ainda outra é a do Schöne Náci, em homenagem a Ignác Lamár. Esse gentleman ganhou fama por andar pelas ruas do centro de Bratislava no início do século XX, bem-vestido (embora com roupas velhas), cumprimentando as moças com sua cartola e oferecendo-lhes flores.

Ainda nos deparamos com outra estátua famosa… mas no dia seguinte.

Passeio de Prešporáčik

A partir da Praça Principal saímos para o Old Town Tour, um passeio pelo centro antigo no Prešporáčik, um pitoresco veículo conversível que é exclusivo de Bratislava. É o único tour motorizado que se pode fazer pelas ruas do centro antigo – ideal para o dia de chuvisco.

O Prešporáčik

Pelo centro de Bratislava, no Prešporáčik

Um dos meus prédios preferidos, perto da Catedral

Ruínas nas ruas estreitas do centro antigo

Ao fundo, o portão de São Miguel (Michalská bran), o único preservado entre os portões da fortificação medieval. Foi construído em 1300 e reformado em estilo Barroco em 1758.

Para o almoço, escolhemos um restaurante com vista privilegiada, bem em frente ao prédio histórico do Teatro Nacional Eslovaco (Slovenské národné divadlo, mapa, site oficial), inaugurado em 1886, em estilo Neo-Renascentista. (O prédio novo, inaugurado em 2007, fica aqui.)

Bratislavský hrad – o Castelo de Bratislava

Após o almoço, retomamos a segunda parte do tour: uma volta maior pela cidade (inclusive fora do centro antigo), com subida ao Castelo de Bratislava (Bratislavský hradmapa, site).

No século XV, o castelo foi construído em estilo Gótico e reconstruído no século XVI em estilo Renascentista. Por causa da da ocupação otomana do território atual da Hungria (1541–1699), Bratislava (também conhecida em alemão como Pressburg) tornou-se a capital do que restou do Reino Húngaro sob o poder dos Habsburgo. Por isso, de 1552 a 1784, foi no Castelo de Pressburg que permaneceram a coroa e as joias reais da Hungria.

A partir de 1740, para que a realeza tivesse uma residência tanto na Áustria tanto na Hungria, a rainha Maria Teresa da Áustria converteu o Castelo de Pressburg de fortaleza de defesa em residência real, em estilo Rococó.

Depois disso, em 1766, Alberto de Saxe-Teschen – Governador do Reino da Hungria designado pela senhora sua sogra, a rainha Maria Teresa! – e sua esposa Maria Cristina passaram a residir no castelo, expondo nele as muitas obras de arte que colecionavam.

Tudo ia muito bem para o Castelo de Pressburg, até que…

Em 1781 foi extinto o posto de Governador do Reino da Hungria. Alfredo foi para a Bélgica e levou consigo parte da coleção de arte; outra parte foi para a Viena (hoje, a Galeria Albertina). As joias da coroa húngara também foram para Viena. Um seminário funcionou no castelo por um tempo, mas logo os interiores rococó deram lugar a instalações militares. Em 1809 as tropas de Napoleão bombardearam o Castelo – e a cidade, também. E em 1811 sofreu um grande incêndio, por descuido dos soldados que o ocupavam.

Assim o castelo ficou em ruínas… até 1953. Outra grande reforma começou em 2008.

Os resquícios das janelas góticas estão entre meus detalhes preferidos!

Catedral de São Martin

Visitamos em seguida a Catedral de São Martin (Dóm sv. Martina, mapa). Foi originalmente construída em estilo Românico no século XIII, mas a catedral gótica hoje existente foi construída de 1311 a 1452. A torre tem 85 metros de altura – e no alto fica uma réplica da Coroa de Santo Estêvão (aquela que hoje está no Parlamento da Hungria), folhada com 8 Kg de ouro. A réplica  tem 1 metro de diâmetro e pesa 150 Kg!

A Catedral de São Martin – mal dá pra ver a coroa dourada de um metro de diâmetro no alto da torre!

Altar da Catedral de São Martin

Chama a atenção, no altar da catedral, a escultura equestre de São Martin, em estilo Barroco, instalada em 1744, obra do escultor Georg Rafael Donner. Ela mostra São Martin em trajes típicos húngaros, oferecendo parte de seu manto a um mendigo.

Em função da ocupação otomana de Budapeste, as coroações de onze reis e rainhas da Hungria, além de oito de seus consortes, aconteceram na Catedral de São Martin, entre 1563 e 1830. A lista dos reis e rainhas ali coroados está pintada no altar, em latim.

Na frente da Catedral de São Martin e em diversas ruas da cidade de Bratislava está indicado nas ruas, com pequenos “selos” metálicos presos às pedras do calçamento, o caminho por onde passava o cortejo das coroações. Ainda hoje se encenam, nas ruas de Bratislava, as festas de coroação.

Fim de tarde e ballet no Teatro Nacional

Para encerrar o primeiro dia, mais uma caminhada e um café no elegante Schokocafe Maximilian (mapa) antes do ballet La Bayadère, a que assistimos no prédio histórico do Teatro Nacional Eslovaco (Slovenské národné divadlo, mapa, site oficial).

Vitrine de uma padaria, com bonecos em movimento

Café musical pré-ballet no Schokocafe Maximilian

Dentro do prédio histórico do Teatro Nacional Eslovaco

Dentro do prédio histórico do Teatro Nacional Eslovaco

Após o ballet, vista noturna da Praça Principal (Hlavné námestie)

 

Miniversum e mais um gostinho (amargo) de comunismo

Miniversum (website em inglês, mapa), na Avenida Andrássy, é uma exibição de maquetes e miniaturas, principalmente de Budapeste e da Hungria, mas também com seções dedicadas à Áustria e à Alemanha. É legal para adultos, pela riqueza de detalhes e informação, e para crianças, pela interatividade – há botões que acionam sons, luzes e movimentos.

Há miniaturas perfeitas de muitos dos prédios importantes da cidade. Gostei especialmente de ver os detalhes dos edifícios que, no tumulto urbano, são difíceis de contemplar (por causa do trânsito, dos cabos de bonde, das árvores) – como é o caso da Estação Budapeste-Ocidente, conhecida simplesmente por Nyugati (Budapest-Nyugati pályaudvar, mapa).

Budapest-Nyugati pályaudvar no Miniversum

Como na série Expedição 2015 já publiquei muitas fotos dos próprios prédios, dedico o resto deste post à mostra A Vida sob o Comunismo (Life Under Communism) do Miniversum, que traz dez cenas e lugares da era comunista na Hungria.

A construção de moradias populares era dever do Estado durante a era comunista, e o ímpeto de industrialização levou a uma rápida urbanização. Cerca de 800.000 apartamentos de 30 a 70 metros quadrados foram construídos em materiais pré-fabricados, em prédios padronizados de quatro ou dez andares, além de escolas, centros comunitários etc. Cerca de um quinto da população da Hungria ainda vive nesses edifícios pré-fabricados. A população desses centros residenciais comprava os alimentos a baixo custo nas lojas ABC – como até hoje são conhecidos os mercadinhos e as lojas de conveniência em Budapeste!

Residências populares pré-fabricadas

No post sobre o Parque Memento incluí uma foto de um monumento aos Pioneiros, o movimento criado pelo Partido Comunista. Esse movimento estabeleceu diversos acampamentos de verão, onde a ideia era para doutrinar os jovens na ideologia soviética comunista, para torná-los fiéis ao partido. As crianças e jovens até queriam que esses retiros fossem férias, mas a disciplina era rígida. No auge do movimento, até 200.000 crianças e adolescentes participavam desses acampamentos por ano. Na prática, a participação era obrigatória para estudantes de 10 a 14 anos.

Acampamento do Movimento dos Pioneiros

Também no post sobre o Parque Memento há uma foto de uma estátua de Lênin colocada em frente a uma fábrica após uma “sugestão” de Khrushchev. Essa estátua ficava na entrada do distrito industrial Csepel, criado em 1892 numa área de 200 hectares não muito distante do centro de Budapeste.

Durante o regime comunista, 30.000 pessoas chegaram a trabalhar em Csepel na produção de máquinas, bicicletas e motocicletas para os países membros do Conselho para Assistência Econômica Mútua (Comecon), a organização econômica dos países do bloco comunista, que existiu de 1949 até 1991. Com a restauração do capitalismo, desapareceu o mercado para os produtos de baixa qualidade fabricados em Csepel. Por isso, hoje há apenas pequenas fábricas no velho complexo.

Csepel

O regime comunista na Hungria – como em diversos países soviéticos e em outros países comunistas até hoje – implantou o controle central da economia pelo Estado, sem considerar as circunstâncias de mercado. Abriram-se mineradoras inviáveis economicamente, com policiamento de uma milícia ligada ao Partido Comunista, para fornecer matéria-prima e energia para a indústria pesada criada artificialmente pelo Estado. Praticamente não havia desemprego – mas a produção era ineficiente e havia desperdício de recursos.

Modelo de mineradora da era comunista

Em Budapeste visitei até museu

Com tantos passeios por Budapeste (e ainda faltam algumas histórias a contar!) durante a Expedição 2015, visitei apenas dois grandes museus: o Museu Nacional da Hungria (Magyar Nemzeti Múzeum) e o Museu de Artes Aplicadas (Iparművészeti Múzeum), ambos no centro de Peste. Seria impossível comentar exaustivamente sobre cada as atrações de cada um, por isso me atenho a comentários sobre as favoritas – sejam do público em geral, sejam minhas.

Museu Nacional da Hungria

(mapa, website em inglês)

O Museu Nacional da Hungria foi fundado em 1802, mas só em meio século depois mudou-se para o grandioso palácio neo-clássico onde hoje se encontra, construído entre 1837 e 1847 pelo arquiteto Mihály Pollack.

A escadaria da entrada leva ao primeiro andar, onde, logo à esquerda, está exposta em uma sala com iluminação controlada uma das peças mais valiosas do museu: o manto da coroação, em tecido de seda bizantina bordado com fios de ouro e prata. Conforme a inscrição em latim na própria peça, o manto foi confeccionado por ordem do Rei Santo Estêvão (o primeiro rei da Hungria) e sua esposa Giselle no ano 1031. No site oficial há mais sobre a história do manto.

Ainda no primeiro o andar, há Entre o Oriente e o Ocidente, uma mostra arqueológica permanente, com artefatos encontrados no atual território da Hungria desde 400.000 a.C. até o século IX da era Cristã, quando os magiares se estabeleceram na região.

No segundo andar, está a grande exposição permanente sobre a História da Hungria, que contempla desde a criação do Estado Húngaro (em 896) até a queda do regime comunista (em 1990). Gostei particularmente (como tende a ser o caso) da parte que mostra móveis, vestimentas e objetos dos séculos XVIII e XIX, quando a Hungria estava sob o domínio da dinastia dos Habsburgos. A parte sobre a Segunda Guerra (da qual a Hungria participou do lado perdedor) decepcionou; parece haver uma perspectiva histórica distorcida, de vitimização, como se a participação do Estado Húngaro tivesse sido totalmente passiva.

Uma das minhas partes preferidas do museu conta a história de um piano muito especial. Foi fabricado por Thomas Broadwood, de Londres, que construía os melhores e mais modernos pianos da época, e enviado a Viena em 1817. Pertenceu a ninguém menos que Beethoven, que, segundo o relato histórico, amava o instrumento e o utilizou até vir a falecer. O piano foi adquirido em um leilão por C. A. Spina, um negociante de arte e editor de música. Em sinal de respeito, Spina doou o piano a Liszt, o compositor maior da Hungria, grande admirador de Beethoven. Liszt, por sua vez, doou o piano ao Museu nacional da Hungria em 1873. Hoje o instrumento está lá exposto. O nome “Beethoven” está gravado no mogno, acima do teclado.

Museu de Artes Aplicadas

(mapa, website em inglês)

O palácio do Museu de Artes Aplicadas foi, literalmente, o primeiro edifício de Budapeste que me chamou a atenção. No táxi do aeroporto para nosso airbnb, ao ver a linda cúpula com cerâmicas coloridas Zsolnay (do mesmo estilo das que estão na Igreja Mátyás e na Igreja Calvinista, em Buda), mandei uma mensagem para minha irmã, que já estava no apartamento. “Lu, estou passando por uma cúpula verde espetacular… tô perto?

 

A cúpula verde espetacular

Vista aérea (foto de foto) do palácio do museu

No teto da entrada do palácio, mais cerâmica Zsolnay

O palácio do museu por si só vale a visita. Foi projetado pelos arquitetos Ödön Lechner e Gyula Pártos no estilo Secessão, ligado ao Art Nouveau, e inaugurado pelo Imperador Franz Joseph em 1896, para a festa do milênio da Hungria. Notam-se as influências Indo-Orientais e, especialmente na parte externa, o uso da cerâmica Zsolnay.

A coleção permanente inclui peças de mobiliário, têxteis, vidros, cerâmicas e obras de arte. No dia da nossa visita, as mostras temporárias eram sobre arte islâmica e sobre a obra fantástica e criativa do próprio Lechner.

Vitral da cúpula

O pátio interno e as galerias com arcos indo-orientais

Detalhes dos arcos próximos às escadarias