Arquivo da tag: sculpture

Catedral de Sal de Zipaquirá, Colômbia: expectativas superadas!

No terceiro e último da série de posts sobre a viagem à Colômbia, conto um pouco sobre o passeio à pequena cidade de Zipaquirá, 50 Km ao norte de Bogotá. Lá fica a Catedral de Sal (mapa, site oficial), primera maravilla de Colombia, projetada dentro de uma mina de sal, a 190 metros de profundidade. No início tivemos dúvidas se valia a pena nos aventurarmos fora de Bogotá, mas as dúvidas se dissiparam logo que chegamos — foi uma experiência única!

Não é uma visita para claustrofóbicos. Necessariamente com guia, entra-se na parte desativada da mina por um túnel, com um sutil declive. Ao longo de 386 metros e com 13 metros de altura estão dispostas as 14 estações da Via Crucis, a representação do caminho feito por Jesus Cristo desde seu julgamento, passando pela crucificação, até a sepultura. Cada estação fica junto a um dos enormes socavões abertos na montanha para extrair sal.

Tudo ao redor, por incrível que pareça, é sal. Para tirar a dúvida, basta lamber a parede. Não confirmarei se o fiz ou não. Tampouco negarei.

Seguem algumas fotos das impressionantes estações da Via Crucis:

Iēsus Nazarēnus, Rēx Iūdaeōrum = Jesus Nazareno, Rei dos Judeus

Essa do gurizinho contemplando a cruz vazada é minha preferida 🙂

A última estação da Via Crucis é a do túmulo vazio!

Ao fim das estações da Via Crucis chega-se ao Coro, do alto da nave central da Catedral.

Vista do Coro

Nave central, vista do Coro

Em homenagem aos mineiros, algumas ferramentas de trabalho em exibição

As escadas, com ar de labirinto, representam caminhos pelos quais os cristãos deveriam passar, como penitência, para ter acesso à Catedral.

Nave Central tem 80 metros de comprimento e 10 metros de largura. Nela foram talhadas quatro grandes colunas (sem função estrutural) que representam os quatro Evangelhos. De lá também se vê a imensa cruz do altar, que, embora não pareça, é vazada; uma bela ilusão de ótica! No centro da Nave Central há o medalhão da criação, feito em homenagem à obra de Michelangelo na Capela Sistina.

Presépio

O medalhão da criação

A imponente cruz vazada no altar da Nave Central

Da frente da Nave Central, olhando para o Coro

Na Nave da Ressurreição há uma escultura de pietà, que representa o fim da vida terrena de Jesus Cristo

Na saída da Catedral, um impressionante espelho d’água!

Escultura talhada na pedra de sal por artistas locais

Luz no fim do túnel na saída da mina

Luz no fim do túnel na saída da mina

No Parque de la Sal, há outras atrações além da Catedral, como um teatro subterrâneo (em mais um dos socavões!) onde se pode assistir a um vídeo sobre a formação da montanha de sal, um museu de mineração e geologia, além de muitas lojas de souvenirs (obviamente).

Depois da visita e no caminho de volta para Bogotá, passamos pelo centro de Zipaquirá, que também é muito simpático, especialmente pela arquitetura em estilo colonial espanhol.

Estação do trem turístico de Zipaquirá — é possível ir de trem de Bogotá a Zipaquirá!

Praça Central de Zipaquirá

Prefeitura de Zipaquirá

A Catedral – não de sal! – de Zipaquirá, com fachada em pedra, construída entre 1760 e 1870

Casario em estilo colonial espanhol no entorno da praça central de Zipaquirá

Anúncios

Escultura, arquitetura e música na Praça e Academia Liszt

Um dos meus trajetos preferidos para uma caminhada de nosso airbnb em Erzsebetváros até a Avenida Andrássy era a Praça Liszt (Liszt Ferenc tér, mapa), um corredor arborizado de restaurantes, bares e cafés. No centro da praça está a estátua de bronze do renomado músico húngaro Franz Liszt (Liszt Ferenc), assinada pelo escultor húngaro László Marton (1986).

Estátua de Ferenc Liszt, por Marton László

Outra estátua que chama atenção na praça é a de Sir Georg Solti, maestro húngaro que, para escapar da perseguição aos judeus durante a Segunda Guerra, radicou-se no Reino Unido. A estátua foi inaugurada em outubro de 2013, na reabertura da escola de música diante da qual foi colocada a obra e da qual o maestro foi aluno: a Academia de Música Franz Liszt (Liszt Ferenc Zeneakadémia).

Estátua de Georg Solti

A Zeneakadémia (mapa, site oficial em inglês) é considerada o coração musical de Budapeste. Foi fundada em 1875; portanto, em 2015 se comemoram seus 140 anos. O belo palácio Art Nouveau onde hoje funciona – restaurado em 2013 – foi construído de 1904 a 1907 e tem dois auditórios: um para 1200 pessoas e outro, para 400 pessoas.

Fachada da Liszt Ferenc Zeneakadémia; no centro, mais uma estátua de Liszt

Passando por ali logo nos primeiros dias da Expedição 2015, minha irmã e eu entramos para ver a programação de maio e adquirir os primeiros ingressos para concertos em Budapeste!

Hall de entrada da Zeneakadémia

Levei algum tempo para encontrar o assento: Középerkély Bal (mezanino centro-esquerdo), 5. Sor (fila 5), 4. Szék (assento 4)

Chegamos cedo para contemplar o auditório principal

No teto do auditório, “poesia”, “ritmo” e outros elementos da música

Orquestra de Câmara entrando no auditório

Em 13 de maio, o concerto foi com a Orquestra de Câmara Franz Liszt (Liszt Ferenc Kamarazenekar) e o clarinetista (também maestro) Michael Collins:

  • Johann Baptist Vanhal, Sinfonia em Sol Menor, Op. 17/2 (ouvir aqui)
  • Wolfgang Amadeus Mozart, Concerto para Clarinete em Lá Maior, K 622 (ouvir aqui)
  • Edward Grieg, Quarteto de Cordas No. 1 em Sol Menor, Op. 27 (ouvir aqui)

Em 20 de maio, voltamos à Zeneakadémia para um concerto com a Filarmônica Nacional da Hungria (Nemzeti Filharmonikusok), o Coro Nacional da Hungria (Nemzeti Énekkar) e solistas, especialmente Mihály Berecz, pianista prodígio de 17 anos:

  • Wolfgang Amadeus Mozart, Flauta Mágica, Abertura, K 620 (ouvir aqui)
  • Wolfgang Amadeus Mozart, Concerto para Piano em Dó Maior, K 503 (ouvir aqui)
  • Joseph Haydn, Oratório As Sete Palavras de Cristo na Cruz (ouvir aqui)