Arquivo da tag: arte

Catedral de Sal de Zipaquirá, Colômbia: expectativas superadas!

No terceiro e último da série de posts sobre a viagem à Colômbia, conto um pouco sobre o passeio à pequena cidade de Zipaquirá, 50 Km ao norte de Bogotá. Lá fica a Catedral de Sal (mapa, site oficial), primera maravilla de Colombia, projetada dentro de uma mina de sal, a 190 metros de profundidade. No início tivemos dúvidas se valia a pena nos aventurarmos fora de Bogotá, mas as dúvidas se dissiparam logo que chegamos — foi uma experiência única!

Não é uma visita para claustrofóbicos. Necessariamente com guia, entra-se na parte desativada da mina por um túnel, com um sutil declive. Ao longo de 386 metros e com 13 metros de altura estão dispostas as 14 estações da Via Crucis, a representação do caminho feito por Jesus Cristo desde seu julgamento, passando pela crucificação, até a sepultura. Cada estação fica junto a um dos enormes socavões abertos na montanha para extrair sal.

Tudo ao redor, por incrível que pareça, é sal. Para tirar a dúvida, basta lamber a parede. Não confirmarei se o fiz ou não. Tampouco negarei.

Seguem algumas fotos das impressionantes estações da Via Crucis:

Iēsus Nazarēnus, Rēx Iūdaeōrum = Jesus Nazareno, Rei dos Judeus

Essa do gurizinho contemplando a cruz vazada é minha preferida 🙂

A última estação da Via Crucis é a do túmulo vazio!

Ao fim das estações da Via Crucis chega-se ao Coro, do alto da nave central da Catedral.

Vista do Coro

Nave central, vista do Coro

Em homenagem aos mineiros, algumas ferramentas de trabalho em exibição

As escadas, com ar de labirinto, representam caminhos pelos quais os cristãos deveriam passar, como penitência, para ter acesso à Catedral.

Nave Central tem 80 metros de comprimento e 10 metros de largura. Nela foram talhadas quatro grandes colunas (sem função estrutural) que representam os quatro Evangelhos. De lá também se vê a imensa cruz do altar, que, embora não pareça, é vazada; uma bela ilusão de ótica! No centro da Nave Central há o medalhão da criação, feito em homenagem à obra de Michelangelo na Capela Sistina.

Presépio

O medalhão da criação

A imponente cruz vazada no altar da Nave Central

Da frente da Nave Central, olhando para o Coro

Na Nave da Ressurreição há uma escultura de pietà, que representa o fim da vida terrena de Jesus Cristo

Na saída da Catedral, um impressionante espelho d’água!

Escultura talhada na pedra de sal por artistas locais

Luz no fim do túnel na saída da mina

Luz no fim do túnel na saída da mina

No Parque de la Sal, há outras atrações além da Catedral, como um teatro subterrâneo (em mais um dos socavões!) onde se pode assistir a um vídeo sobre a formação da montanha de sal, um museu de mineração e geologia, além de muitas lojas de souvenirs (obviamente).

Depois da visita e no caminho de volta para Bogotá, passamos pelo centro de Zipaquirá, que também é muito simpático, especialmente pela arquitetura em estilo colonial espanhol.

Estação do trem turístico de Zipaquirá — é possível ir de trem de Bogotá a Zipaquirá!

Praça Central de Zipaquirá

Prefeitura de Zipaquirá

A Catedral – não de sal! – de Zipaquirá, com fachada em pedra, construída entre 1760 e 1870

Casario em estilo colonial espanhol no entorno da praça central de Zipaquirá

Anúncios

Cartagena: quatro dias e queria mais

Para comemorar o aniversário do meu pai, escapamos das temperaturas normalmente baixas do início de junho no sul do Brasil e fomos passar um calorzão úmido em Cartagena de Indias (depois de alguns dias de friozinho de altitude em Bogotá… mas o post virá depois, porque resolvi subverter a ordem — cronológica — por aqui). Muitos amigos já tinham recomendado viajar à Colômbia e, especialmente, a Cartagena. Sábios amigos: a cidade é mesmo linda!

Encontramos no airbnb o nosso QG familiar para esta aventura de quatro dias. Já que estávamos entre sete pessoas, escolhemos um apartamento duplex, com três quartos (e com direito a um terraço ou, considerando a temperatura naqueles dias, torraço!). Localização é tudo: nosso apartamento era bem em frente ao Café del Mar, um bar e restaurante situado no Baluarte de Santo Domingo. Hospedados a apenas alguns passos da muralha de 11 Km que cerca o centro histórico de Cartagena, pudemos caminhar para grande parte das atrações.

Ruas de Cartagena, perto do muro e do nosso apartamento

Free Walking Tour

No primeiro dia do passeio, enfrentamos o sol forte para fazer uma caminhada com um guia voluntário (mas que, claro, aceita e deve receber gorjetas no final do passeio!), do Free Tour Cartagena (também com página no facebook). O ponto de partida foi a Plaza Santa Teresa, ao redor da qual ficam o elegante hotel Charleston e o Museo Naval del Caribe.

Hotel Charleston Cartagena

Ali conhecemos a história de Catalina, uma personagem indígena importante na história da Colômbia. Catalina, filha de cacique, foi raptada pelos espanhóis em 1509. Depois de ser evangelizada e de adquirir costumes europeus, serviu de intérprete entre espanhóis e indígenas. Também foi amante de Pedro de Heredia, o espanhol que fundou Cartagena. O prêmio do Festival Internacional de Cinema de Cartagena é uma estátua da índia Catalina.

Estátua da Índia Catalina em frente ao escritório do Festival Internacional de Cinema de Cartagena

A seguir, fomos à Plaza de San Pedro Claver, dominada pela igreja de mesmo nome. Pedro Claver era um padre e missionário jesuíta que se dedicava a aliviar o sofrimento dos escravos. Ele mesmo se chamava de “escravo dos negros”. Em frente à igreja há uma estátua do santo juntamente a um escravo negro, obra do escultor colombiano Enrique Grau.

Iglesia de San Pedro Claver, construída entre 1580 e 1654

San Pedro Claver y el Esclavo, obra de Enrique Grau

Ainda na Plaza San Pedro há um conjunto de onze esculturas de aço envelhecido do escultor Edgardo Carmona. Elas retratam profissões tradicionais e cenas nostálgicas da antiga cidade de Cartagena: uma costureira, um jogo de xadrez, um afiador de facas…

Junto à igreja de San Pedro Claver há também um claustro e um museu. Nesse complexo se destaca a segunda mais longa sacada colonial do mundo. Foi originalmente construída sobre a própria muralha da fortificação, que teve de ser reconstruída alguns metros adiante.

As sacadas coloniais, aliás, são um dos mais evidentes destaques do centro histórico de Cartagena. Estão por toda parte. Em muitos casos, evidenciam a riqueza dos proprietários — quanto mais sacadas, mais janelas, mais vidro, mais luz, mais opulência.

Hoje muitas dessas sacadas estão carregadas de flores. Uma associação de mulheres de Cartagena aproveitou-se desse costume local e criou o Primeiro Concurso de Embelezamento de Sacadas e Fechadas, realizado na Semana Santa de 2016.

O longo balcão colonial, em frente à muralha

Mais sacadas coloniais

Uma das muitas sacadas carregadas de flores

Passando pela Plaza de la Aduana, chega-se à Plaza de los Coches, onde encontramos logo a Torre do Relógio, a estátua de Pedro de Heredia (fundador de Cartagena) e o Portal de los Dulces — arcadas sob as quais se encontram diversos doces típicos da região, feitos com coco, goiaba, banana ou outras frutas… e, invariavelmente, muito açúcar! Degustação obrigatória.

Pedro de Heredia

Detalhe da Torre del Reloj

No final do Portal de los Dulces, um poema — e mais sacadas coloniais!

No centro da Plaza de Bolívar há uma estátua equestre do libertador da Colômbia (e, como sabemos, de tantos outros países sul-americanos). Ali também fica o Museo Histórico de Cartagena, situado no antigo Palacio de la Inquisición. Infelizmente não chegamos a visitá-lo, mas dizem ser o melhor museu de Cartagena. A Inquisição funcionou em cartagena de 1610 até, pasmem, 1821. Dentro do prédio há cárceres e câmaras de tortura usados para julgar delitos contra a fé cristã. Uma das principais heresias julgadas em Cartagena era a bruxaria.

Estátua equestre de Simon Bolívar

Palácio da Inquisição, hoje Museu Histórico de Cartagena

A pequena e conturbada Plaza de Santo Domingo, dominada pela igreja de mesmo nome, está repleta de artistas e vendedores de rua e cercada de restaurantes. Um dos destaques ali desde 2000 é Gertrudis, do colombiano Fernando Botero, conhecido por suas esculturas redondinhas. O desgaste das mamas da escultura se explica pela crença popular de que tocá-las garante amor por toda a vida!

“La Gorda de Botero”

A caminhada guiada por Cartagena rende muitas outras descobertas, sobre história, arquitetura, gastronomia… nem tudo cabe no blog (e algumas memórias se vão quando demoramos a registrá-las!). Mostro só mais três fotos de que gosto, tiradas no passeio, e passo à próxima visita: o Castelo de San Felipe de Barajas.

Decorações de temas marinhos (sereia e cavalo-marinho) nas portas coloniais de Cartagena

As ruas, as sacadas, e a linda torre da Catedral de Cartagena

A fachada genial deste restaurante argentino chama a atenção

Castillo de San Felipe de Barajas

O Castillo de San Felipe de Barajas (que na verdade é um forte, não um castelo) é a maior construção militar espanhola das Américas, datada de 1657. Situa-se no alto do morro de Sán Lázaro, numa posição privilegiada e estratégica para a defesa da cidade. Fica fora da cidade amuralhada, mas, juntamente com ela, foi declarado Patrimônio da Humanidade pela UNESCO em 1984. O forte tem um assustador labirinto de túneis que vale a pena explorar!

Castillo de San Felipe de Barajas

Vista de Cartagena, do alto do forte

Meu cunhado saindo de uma das portas do labirinto de túneis

Dentro dos túneis da fortificação

Meus pais e minha tia, desbravando bravamente as ladeiras íngremes!

Cartagena à noite

Caminhar pelo centro histórico de Cartagena à noite é totalmente seguro e altamente recomendável. A cidade fica bem iluminada e particularmente charmosa. É possível caminhar sobre longos trechos da muralha, que fica toda iluminada. Ali há até alguma chance de soprar uma brisa que ajude a amenizar o calor (mas melhor não contar com isso; para amenizar o calor em Cartagena, só mesmo ar condicionado!). Há várias opções de excelentes restaurantes e, de novo pensando em amenizar o calor, sorveterias. E nas praças, além dos vendedores (que estarão ali à noite assim como estiveram durante todo o dia!), de vez em quando há shows amadores de música e dança.

Muralha iluminada à noite

Ruas de Cartagena e a torre da Catedral

Sorvete de facebook e de WhatsApp?!

Danças típicas na Plaza Bolívar

Playa Blanca, Isla Barú

As praias na própria cidade de Cartagena não são lá grande coisa. Um dia fomos a La Boquilla, pertinho do Hotel Las Américas. Alugamos uma tenda. Alguns do grupo quiseram massagens feitas pelas insistentes moças que passam por ali. Tomamos água de coco e almoçamos na praia mesmo, refeições servidas por um restaurante próximo. Areias cinzentas, mar aceitável. Mas nada muito glamuroso.

Uma tarde em La Boquilla

No dia seguinte, resolvemos fazer valer a pena: fomos de barco até Playa Blanca, na Isla Barú, ao sul de Cartagena. Ali, sim, tivemos a experiência do que se espera de uma praia caribenha (para mim, foi a primeira experiência dessas): areais brancas e finíssimas e águas cristalinas.

Ficamos por ali mesmo na Playa Blanca todo o dia, mas a próxima parada teriam sido as Islas del Rosario, para fazer mergulho no Mar do Caribe.

Como o acesso rodoviário é demorado e a infraestrutura é bastante precária (restaurantes muito simples, banheiros — bem, na verdade, sem comentários sobre os banheiros), a praia está bastante intocada, ainda. Mesmo assim, claro, com o crescente movimento de turistas (tipo nós!), deverá mudar muito nos próximos tempos.

Não poderia pensar em nada melhor nem mais nostálgico para terminar: fotos de Playa Blanca!

Ao sair de barco, cúpulas da Igreja de San Pedro Claver e da Catedral

Deixando Cartagena para trás em alta velocidade

A caminho de Playa Blanca, passamos pelo Fuerte de San Fernando de Bocachica

A paradisíaca Playa Blanca, em Isla Barú

Águas cristalinas de Playa Blanca

Em Budapeste visitei até museu

Com tantos passeios por Budapeste (e ainda faltam algumas histórias a contar!) durante a Expedição 2015, visitei apenas dois grandes museus: o Museu Nacional da Hungria (Magyar Nemzeti Múzeum) e o Museu de Artes Aplicadas (Iparművészeti Múzeum), ambos no centro de Peste. Seria impossível comentar exaustivamente sobre cada as atrações de cada um, por isso me atenho a comentários sobre as favoritas – sejam do público em geral, sejam minhas.

Museu Nacional da Hungria

(mapa, website em inglês)

O Museu Nacional da Hungria foi fundado em 1802, mas só em meio século depois mudou-se para o grandioso palácio neo-clássico onde hoje se encontra, construído entre 1837 e 1847 pelo arquiteto Mihály Pollack.

A escadaria da entrada leva ao primeiro andar, onde, logo à esquerda, está exposta em uma sala com iluminação controlada uma das peças mais valiosas do museu: o manto da coroação, em tecido de seda bizantina bordado com fios de ouro e prata. Conforme a inscrição em latim na própria peça, o manto foi confeccionado por ordem do Rei Santo Estêvão (o primeiro rei da Hungria) e sua esposa Giselle no ano 1031. No site oficial há mais sobre a história do manto.

Ainda no primeiro o andar, há Entre o Oriente e o Ocidente, uma mostra arqueológica permanente, com artefatos encontrados no atual território da Hungria desde 400.000 a.C. até o século IX da era Cristã, quando os magiares se estabeleceram na região.

No segundo andar, está a grande exposição permanente sobre a História da Hungria, que contempla desde a criação do Estado Húngaro (em 896) até a queda do regime comunista (em 1990). Gostei particularmente (como tende a ser o caso) da parte que mostra móveis, vestimentas e objetos dos séculos XVIII e XIX, quando a Hungria estava sob o domínio da dinastia dos Habsburgos. A parte sobre a Segunda Guerra (da qual a Hungria participou do lado perdedor) decepcionou; parece haver uma perspectiva histórica distorcida, de vitimização, como se a participação do Estado Húngaro tivesse sido totalmente passiva.

Uma das minhas partes preferidas do museu conta a história de um piano muito especial. Foi fabricado por Thomas Broadwood, de Londres, que construía os melhores e mais modernos pianos da época, e enviado a Viena em 1817. Pertenceu a ninguém menos que Beethoven, que, segundo o relato histórico, amava o instrumento e o utilizou até vir a falecer. O piano foi adquirido em um leilão por C. A. Spina, um negociante de arte e editor de música. Em sinal de respeito, Spina doou o piano a Liszt, o compositor maior da Hungria, grande admirador de Beethoven. Liszt, por sua vez, doou o piano ao Museu nacional da Hungria em 1873. Hoje o instrumento está lá exposto. O nome “Beethoven” está gravado no mogno, acima do teclado.

Museu de Artes Aplicadas

(mapa, website em inglês)

O palácio do Museu de Artes Aplicadas foi, literalmente, o primeiro edifício de Budapeste que me chamou a atenção. No táxi do aeroporto para nosso airbnb, ao ver a linda cúpula com cerâmicas coloridas Zsolnay (do mesmo estilo das que estão na Igreja Mátyás e na Igreja Calvinista, em Buda), mandei uma mensagem para minha irmã, que já estava no apartamento. “Lu, estou passando por uma cúpula verde espetacular… tô perto?

 

A cúpula verde espetacular

Vista aérea (foto de foto) do palácio do museu

No teto da entrada do palácio, mais cerâmica Zsolnay

O palácio do museu por si só vale a visita. Foi projetado pelos arquitetos Ödön Lechner e Gyula Pártos no estilo Secessão, ligado ao Art Nouveau, e inaugurado pelo Imperador Franz Joseph em 1896, para a festa do milênio da Hungria. Notam-se as influências Indo-Orientais e, especialmente na parte externa, o uso da cerâmica Zsolnay.

A coleção permanente inclui peças de mobiliário, têxteis, vidros, cerâmicas e obras de arte. No dia da nossa visita, as mostras temporárias eram sobre arte islâmica e sobre a obra fantástica e criativa do próprio Lechner.

Vitral da cúpula

O pátio interno e as galerias com arcos indo-orientais

Detalhes dos arcos próximos às escadarias

Caminhadas pelo Distrito VII de Budapeste

No Erzsébetváros, nosso lar temporário durante a Expedição 2015 a Budapeste, há elegantes prédios antigos, construídos antes da Segunda Guerra. Muitos foram restaurados, mas há outros bem decadentes, com fachadas marcadas por poluição e abandono. Em muitos prédios de uso comercial é curioso ver que a restauração chegou só à fachada do andar térreo, onde ficam as vitrines; os demais andares continuam deteriorados. Há prédios que estão quase em ruínas — e muitos desses mesmo assim estão habitados ou ocupados pelos ruinpubs, famosas atrações da vida noturna de Budapeste.

Não restaurado, mas nem por isso menos elegante

Restaurado — e já precisando de retoques

Bela fachada de edifício na Klauzál tér, 2, pela Nagy Diófa utca (a Grande Rua das Nozes)

Pertinho do final da Akácfa utca, fica a Avilai Nagy Szent Teréz Plébánia, a Igreja de Santa Teresa de Ávila. Também ficou conhecida como “nossa igreja amarela”, porque ficava perto do apartamento, caminhávamos bastante por ali e servia de ponto de referência. E porque notamos que por alguma razão há várias igrejas amarelas em Budapeste — mas aquela era a “nossa”. O edifício foi construído no início do século XIX (1801–1809). O interior foi restaurado no século XX e está muito bem preservado.

Nossa Igreja Amarela de Santa Teresa de Ávila

Interior neoclássico da Igreja de Santa Teresa de Ávila

Na diagonal da igreja chama a atenção um prédio neogótico, construído em 1847.

Ainda no Erzsébetváros — a caminho do Parque da Cidade — visitamos Árpádházi Szent Erzsébet templom, a Igreja de Santa Isabel, construída na virada do século XIX para o XX, também em estilo neogótico. O templo sofreu com um bombardeio durante a Segunda Guerra. A partir de 1993, ocorreu a renovação do teto e de uma das torres, mas na parte interna se vê que reparos adicionais são necessários.

A fachada principal da Igreja de Santa Isabel, com a rosácea e as torres de 76 metros de altura

Interior da Igreja de Santa Isabel

Voltando para pertíssimo do apartamento, na própria Akácfa utca, um prédio muito importante no nosso quotidiano: a sede da

Budapesti Közlekedési
Zártkörűen Működő
Részvénytársaság

“Budapesti” é tranquilo entender… e o resto?

Nossa plena fluência em húngaro (mas principalmente o logo sugestivo) nos permitiu concluir que se tratava de “alguma coisa municipal referente a transportes”. Mais precisamente, é a sede da Budapest Transport Privately Held Corporation (BKV Zrt.), que opera metrôs, trens suburbanos (HÉV), bondes e ônibus.

Para encerrar o post, outro destaque do Distrito VII: os belos murais pintados nos paredões de alguns prédios. Na montagem a seguir vemos dois. No da direita, uma homenagem aos costureiros de Budapeste; no da esquerda, a imitação da fachada do mesmo prédio. Há muitos outros desses murais — como retrata este post do site BeBudapest.hu.