Arquivo da categoria: Música

Bye Bye, Budapest: triatlo na Ilha Margit

O último dia da Expedição 2015 em Budapeste foi de arrancar lágrimas de nostalgia: céu perfeitamente azul, temperatura ideal e um passeio agradável e tranquilo.

Nada mais apropriado para se despedir de Budapeste – sem causar ciúme nem a Buda nem a Peste – que passar o dia na Ilha Margarete ou Margit (Margit-sziget), que fica no meio do Danúbio (mapa) e, portanto, não é propriamente nem Buda nem Peste!

A parte do triatlo, no título do post, é só brincadeira. Não fizemos triatlo nenhum. Mas quase: andamos de bicicleta, caminhamos bastante (mas não corremos…) e nadamos. 😀

Começamos o dia com um brunch húngaro reforçado no Művész Kávéház (mapa, website em Húngaro, facebook), na chiquérrima Avenida Andrássy, 29. Como (estranhamente) não tirei foto lá, o Művész acabou ficando de fora do post sobre cafés e restaurantes de Budapeste. Foi inaugurado em 1898, em estilo Neo-Renascentista, e restaurado em 2008. Quase em frente à Ópera, é mais um dos muitos cafés elegantes da época, como o New York Café e o BookCafé.

Depois do Művész, passamos um tanto de dificuldade e perdemos um tempinho tentando alugar uma segunda bicicleta do sistema de compartilhamento MOL Bubi usando o aplicativo de celular. Teria sido mais fácil e rápido ir logo até a máquina disponível na Déak Ferenc ter, como afinal fizemos – e em um minuto ambos tínhamos bicicletas alugadas!

Fomos pedalando pelo centro de Peste, passando pelo Parlamento, até a Ponte Margit (Margit híd). A ponte em T liga Buda e Peste, e também permite descer na Ilha Margit, no Danúbio.

Danúbio e o lado Buda da Ponte Margit

A partir do século XI a Ilha Margit foi ocupada por diferentes ordens religiosas. Vimos lá importantes ruínas medievais: da igreja e do convento dominicanos, do século XIII, e da igreja franciscana em estilo gótico, do século XIV. No convento dominicano viveu a Princesa Margit, filha do Rei Béla IV, na segunda metade do século XIII; a ilha acabou recebendo o nome da princesa. Os religiosos abandonaram a ilha em meados do século XVI, para fugir da ocupação dos turcos, que destruíram as construções. Só no século XIX as ruínas foram reencontradas.

A ilha foi aberta ao público em 1869 e hoje é um grande parque, com gramados, muita um jardim japonês, um roseiral, hotéis-spas, um complexo esportivo e, claro, banhos termais.

Na entrada sul da ilha, o chafariz e, ao fundo, o monumento ao centenário da unificação de Buda e Peste (comemorado em 1973)

Um dos belos jardins

Detalhe do roseiral

O grande gramado do centro da ilha – e nenhuma nuvem no céu espetacularmente azul!

Almoçamos no restaurante aos pés da Torre da Caixa d’Água e depois, subimos seus 57 metros. A torre foi construída em 1911 e hoje funciona como espaço para exibições artísticas, além de oferecer vistas incríveis da ilha e da cidade.

Não é uma foto panorâmica, mas ao longe se podem ver alguns marcos da cidade. Da esquerda para a direita, temos a cúpula da Basílica e outros prédios do centro de Peste, o Monumento à Libertação no alto de Gellért Hill, a cúpula do Parlamento e o Castelo de Buda.

Superzoom: o Parlamento, em Peste, e o Castelo, em Buda

Por fim, depois de andar de bicicleta e caminhar pela ilha, fomos nadar na Praia Palatinus (Palatinus Strandfürdő, mapa, website em inglês). Há 11 piscinas , todas externas, incluindo uma de ondas e outra com toboáguas. O movimento tranquilo no dia em que fomos (início de temporada) permitiu que aproveitássemos bastante. Desci os quatro toboáguas!

Deu um aperto no coração encerrar o agradável dia no Palatinus, mas, como se vê nas últimas fotos, a tarde estava caindo… Alugamos bicicletas para voltar a Peste, jantar pela última vez em alto estilo húngaro (no Callas, com música ao vivo), voltar ao apartamento e fechar as malas, para partir cedo da manhã no dia seguinte de volta para as Américas.

Voltamos com a bagagem cheia de nostalgia. A Expedição 2015 foi um sucesso absoluto.

Anúncios

Em Budapeste visitei até museu

Com tantos passeios por Budapeste (e ainda faltam algumas histórias a contar!) durante a Expedição 2015, visitei apenas dois grandes museus: o Museu Nacional da Hungria (Magyar Nemzeti Múzeum) e o Museu de Artes Aplicadas (Iparművészeti Múzeum), ambos no centro de Peste. Seria impossível comentar exaustivamente sobre cada as atrações de cada um, por isso me atenho a comentários sobre as favoritas – sejam do público em geral, sejam minhas.

Museu Nacional da Hungria

(mapa, website em inglês)

O Museu Nacional da Hungria foi fundado em 1802, mas só em meio século depois mudou-se para o grandioso palácio neo-clássico onde hoje se encontra, construído entre 1837 e 1847 pelo arquiteto Mihály Pollack.

A escadaria da entrada leva ao primeiro andar, onde, logo à esquerda, está exposta em uma sala com iluminação controlada uma das peças mais valiosas do museu: o manto da coroação, em tecido de seda bizantina bordado com fios de ouro e prata. Conforme a inscrição em latim na própria peça, o manto foi confeccionado por ordem do Rei Santo Estêvão (o primeiro rei da Hungria) e sua esposa Giselle no ano 1031. No site oficial há mais sobre a história do manto.

Ainda no primeiro o andar, há Entre o Oriente e o Ocidente, uma mostra arqueológica permanente, com artefatos encontrados no atual território da Hungria desde 400.000 a.C. até o século IX da era Cristã, quando os magiares se estabeleceram na região.

No segundo andar, está a grande exposição permanente sobre a História da Hungria, que contempla desde a criação do Estado Húngaro (em 896) até a queda do regime comunista (em 1990). Gostei particularmente (como tende a ser o caso) da parte que mostra móveis, vestimentas e objetos dos séculos XVIII e XIX, quando a Hungria estava sob o domínio da dinastia dos Habsburgos. A parte sobre a Segunda Guerra (da qual a Hungria participou do lado perdedor) decepcionou; parece haver uma perspectiva histórica distorcida, de vitimização, como se a participação do Estado Húngaro tivesse sido totalmente passiva.

Uma das minhas partes preferidas do museu conta a história de um piano muito especial. Foi fabricado por Thomas Broadwood, de Londres, que construía os melhores e mais modernos pianos da época, e enviado a Viena em 1817. Pertenceu a ninguém menos que Beethoven, que, segundo o relato histórico, amava o instrumento e o utilizou até vir a falecer. O piano foi adquirido em um leilão por C. A. Spina, um negociante de arte e editor de música. Em sinal de respeito, Spina doou o piano a Liszt, o compositor maior da Hungria, grande admirador de Beethoven. Liszt, por sua vez, doou o piano ao Museu nacional da Hungria em 1873. Hoje o instrumento está lá exposto. O nome “Beethoven” está gravado no mogno, acima do teclado.

Museu de Artes Aplicadas

(mapa, website em inglês)

O palácio do Museu de Artes Aplicadas foi, literalmente, o primeiro edifício de Budapeste que me chamou a atenção. No táxi do aeroporto para nosso airbnb, ao ver a linda cúpula com cerâmicas coloridas Zsolnay (do mesmo estilo das que estão na Igreja Mátyás e na Igreja Calvinista, em Buda), mandei uma mensagem para minha irmã, que já estava no apartamento. “Lu, estou passando por uma cúpula verde espetacular… tô perto?

 

A cúpula verde espetacular

Vista aérea (foto de foto) do palácio do museu

No teto da entrada do palácio, mais cerâmica Zsolnay

O palácio do museu por si só vale a visita. Foi projetado pelos arquitetos Ödön Lechner e Gyula Pártos no estilo Secessão, ligado ao Art Nouveau, e inaugurado pelo Imperador Franz Joseph em 1896, para a festa do milênio da Hungria. Notam-se as influências Indo-Orientais e, especialmente na parte externa, o uso da cerâmica Zsolnay.

A coleção permanente inclui peças de mobiliário, têxteis, vidros, cerâmicas e obras de arte. No dia da nossa visita, as mostras temporárias eram sobre arte islâmica e sobre a obra fantástica e criativa do próprio Lechner.

Vitral da cúpula

O pátio interno e as galerias com arcos indo-orientais

Detalhes dos arcos próximos às escadarias

Escultura, arquitetura e música na Praça e Academia Liszt

Um dos meus trajetos preferidos para uma caminhada de nosso airbnb em Erzsebetváros até a Avenida Andrássy era a Praça Liszt (Liszt Ferenc tér, mapa), um corredor arborizado de restaurantes, bares e cafés. No centro da praça está a estátua de bronze do renomado músico húngaro Franz Liszt (Liszt Ferenc), assinada pelo escultor húngaro László Marton (1986).

Estátua de Ferenc Liszt, por Marton László

Outra estátua que chama atenção na praça é a de Sir Georg Solti, maestro húngaro que, para escapar da perseguição aos judeus durante a Segunda Guerra, radicou-se no Reino Unido. A estátua foi inaugurada em outubro de 2013, na reabertura da escola de música diante da qual foi colocada a obra e da qual o maestro foi aluno: a Academia de Música Franz Liszt (Liszt Ferenc Zeneakadémia).

Estátua de Georg Solti

A Zeneakadémia (mapa, site oficial em inglês) é considerada o coração musical de Budapeste. Foi fundada em 1875; portanto, em 2015 se comemoram seus 140 anos. O belo palácio Art Nouveau onde hoje funciona – restaurado em 2013 – foi construído de 1904 a 1907 e tem dois auditórios: um para 1200 pessoas e outro, para 400 pessoas.

Fachada da Liszt Ferenc Zeneakadémia; no centro, mais uma estátua de Liszt

Passando por ali logo nos primeiros dias da Expedição 2015, minha irmã e eu entramos para ver a programação de maio e adquirir os primeiros ingressos para concertos em Budapeste!

Hall de entrada da Zeneakadémia

Levei algum tempo para encontrar o assento: Középerkély Bal (mezanino centro-esquerdo), 5. Sor (fila 5), 4. Szék (assento 4)

Chegamos cedo para contemplar o auditório principal

No teto do auditório, “poesia”, “ritmo” e outros elementos da música

Orquestra de Câmara entrando no auditório

Em 13 de maio, o concerto foi com a Orquestra de Câmara Franz Liszt (Liszt Ferenc Kamarazenekar) e o clarinetista (também maestro) Michael Collins:

  • Johann Baptist Vanhal, Sinfonia em Sol Menor, Op. 17/2 (ouvir aqui)
  • Wolfgang Amadeus Mozart, Concerto para Clarinete em Lá Maior, K 622 (ouvir aqui)
  • Edward Grieg, Quarteto de Cordas No. 1 em Sol Menor, Op. 27 (ouvir aqui)

Em 20 de maio, voltamos à Zeneakadémia para um concerto com a Filarmônica Nacional da Hungria (Nemzeti Filharmonikusok), o Coro Nacional da Hungria (Nemzeti Énekkar) e solistas, especialmente Mihály Berecz, pianista prodígio de 17 anos:

  • Wolfgang Amadeus Mozart, Flauta Mágica, Abertura, K 620 (ouvir aqui)
  • Wolfgang Amadeus Mozart, Concerto para Piano em Dó Maior, K 503 (ouvir aqui)
  • Joseph Haydn, Oratório As Sete Palavras de Cristo na Cruz (ouvir aqui)

Concertos e múmias na Basílica de Santo Estêvão

Um dos objetivos da Expedição 2015 a Budapeste foi aproveitar ao máximo a cena musical da cidade. Por exemplo, num dos últimos posts, já contei sobre Fausto e a visita guiada à Ópera do Estado Húngaro. Mas os primeiros ingressos comprados foram para o Concerto de Gala – com direito a órgão de tubos, orquestra sinfônica e coro – na Basílica de Santo Estêvão (Szent István Bazilika), já nos primeiros dias em Budapeste.

A Basílica (site em inglês) foi construída de 1851 a 1905 e dedicada ao Rei Estêvão (canonizado pela Igreja Católica como Santo Estêvão), fundador do Estado Húngaro. O primeiro arquiteto da Basílica, József Hild, faleceu durante a construção, que foi continuada por Miklós Ybl (o arquiteto da Ópera de Budapeste) e József Kauser. A cúpula original, do projeto de Hild, colapsou em 1868 devido a problemas de construção. Ybl teve de alterar o projeto original, Clássico, para o atual, Neo-Renascentista. Durante a Segunda Guerra, as torres e as paredes externas foram danificadas; toda a estrutura do telhado teve de ser substituída. Somente em 2003 a restauração foi concluída.

A praça em frente à Basílica é um agradável espaço de convivência, com diversos restaurantes e cafés (e turistas sempre circulando). O espaço aberto ressalta o caráter imponente do edifício. Segue um trio de vistas da Basílica – em dia nublado, à noite e em dia ensolarado.

Esperando para entrar pela primeira vez na Basílica, para assistir ao Concerto de Gala (8 de maio, às 20h), minha irmã Lucila e eu ficamos observando os detalhes externos.

“Eu sou o caminho, a verdade e a vida.” João 14:6

Quase entrando

O programa do Concerto de Gala, regido por András Virágh, consistiu em obras conhecidas:

  1. Tocata e Fuga em Ré Menor, de Johann Sebastian Bach (BWV 565), com o organista András Gábor Virágh; e
  2. Requiem em Ré Menor, de Wolfgang Amadeus Mozart (K 626), com o Coro Jovem de Budapeste, o Coro Paroquial, a Orquestra Sinfônica Monarchia e solistas da Ópera do Estado Húngaro (soprano Ildikó Szakács, contralto Kornélia Bakos, tenor László Kálmán e baixo Lóránt Najbauer)

Assistimos à primeira récita, em 8 de maio – e ainda haverá mais duas, em 28 de agosto e 25 de setembro. A divulgação está no site www.organconcert.hu, onde é possível adquirir ingressos; os preços variam de 16 a 28 Euros.

Como o programa incluía parte com orquestra, coro e solistas (no altar) e parte com órgão de tubos (no coro, atrás), a Basílica virou uma grande sala de espetáculos com dois palcos.

Músicos no altar, durante a execução do Requiem

O grandioso órgão de tubos

Não só por causa dos dois palcos, mas fica difícil olhar para um lugar só, considerando a riqueza de detalhes da decoração interna da igreja, com muitas pinturas e esculturas.

Nas colunas centrais da Basílica, imagens de Math, Marc, Lvc e Joan, os escritores dos quatro Evangelhos

Também chama atenção a grandiosa cúpula no centro da Basílica, que atinge a altura de 96 metros. É uma referência a 896, o ano em que as tribos magiares (ou húngaras) vieram da região dos Montes Urais e assentaram-se na Bacia dos Cárpatos, para posteriormente dar origem ao Estado Húngaro. O Parlamento Húngaro (que será assunto de outro post!) tem uma cúpula de mesma altura, dando a ideia de que Igreja e Estado não se devem sobrepor um ao outro. Hoje, o plano diretor de Budapeste não permite a construção de edifícios mais altos que 96 metros, garantindo que a Basílica e o Parlamento continuem sendo os mais altos.

Por um valor acessível, é possível subir ao observatório da cúpula, de onde se têm vistas panorâmicas de Budapeste. Não chegamos a subir… mas deve valer a pena!

A cúpula da Basílica

Dias depois, arrastei comigo meu cunhado James para o concerto de órgão na Basílica, que acontece regularmente às segundas-feiras; o site www.organconcert.hu traz os horários e programas. No concerto a que fomos, dia 11 de maio, o organista András Gábor Virágh e a soprano ldikó Szakács apresentaram Albinoni (Adagio), Mozart (Aleluia), Bach (Prelúdio e Fuga, Ária, Tocata e Fuga – algumas delas, repetição do Concerto de Gala), Bizet (Agnus Dei), Liszt (Coral) e Gounod (Ave Maria).

 

Por fim, desde 1931, a Basílica guarda uma relíquia especialmente importante para os católicos húngaros: a Santa Destra – uma mão direita mumificada, que seria a do Rei Santo Estêvão e que teria poderes milagrosos (aqui, mais sobre a história da relíquia). Milhares de fiéis na Hungria fazem procissões no Dia de Santo Estêvão, anualmente em 20 de agosto, dia da morte do rei.

A urna onde é mantida, preservada, a Santa Destra

Visita guiada ao deslumbrante Teatro Colón

Da minha mais recente ida a Buenos Aires, já tinha postado sobre os passeios-repeteco que fiz com a Joe, sobre a experiência da autêntica milonga, sobre a nostalgia das Brujas da Línea A do Subte e sobre o “gostinho de quero mais” do Palácio Barolo, que ficou para a próxima visita.

Apesar da abundância na postância (refletindo o gosto óbvio que tenho pela cidade), ainda faltava um post sobre o “gostinho de quero mais” da ida anterior a Buenos Aires, ou seja, o passeio que tinha ficado faltando, mas que na mais recente visita eu enfim fiz: a visita guiada ao Teatro Colón.

O prédio atual ficou pronto em 1908, depois de 20 anos de construção, e hoje está entre os teatros de melhor acústica. Ficou fechado entre 2005 e 2010 para reformas – por isso é que, nas minhas primeiras idas a Buenos Aires, não pude fazer a visita.

A entrada das visitas guiadas já começa nostálgica, pelo Pasaje de Carruajes. Esperando por ali o início da visita, turisticamente vestindo jeans e camisa polo, já me senti aquém da dignidade do teatro ao ler numa vitrine o Código de Vestimenta “sugerido” para as apresentações:

El estilo, la elegancia, la clase y la distinción han sido, desde siempre, pilares en donde se construyó la excelencia del Teatro Colón. … A partir de este año, en todas las funciones … de la temporada lírica, se sugiere vestir smoking o traje oscuro para caballeros y vestimenta de noche para damas en plateas y palcos.

Mas essa foi apenas a primeira de muitas impressões “uau!” que eu teria naquela visita. As demais eu compartilho a seguir por meio do meu modesto olhar fotográfico. Nem precisaria dizer, claro, que recomendo fortemente essa visita guiada!

O imponente hall de entrada ou Foyer, logo acima das escadarias de mármore de Carrara

O Foyer é ainda mais impressionante quando se olha para o alto

Vitral da cúpula do Foyer

Detalhe do vitral da cúpula do Foyer

Detalhe central do vitral da cúpula do Foyer

No andar superior do Foyer (Salón de los Bustos), mais um delicado vitral

Posição de destaque para o busto de Mozart

A riqueza de detalhes é impressionante…

Visão geral do Salón de los Bustos

O grande espelho do Salón Dorado

Visão geral do Salón Dorado

O vitral e a namoradeira do Salón Dorado

Próximo momento “uau!”… descerrando as cortinas do salão principal

Entrando sem fôlego na sala principal… São 32 m de diâmetro, 75 m de profundidade, 28 m de altura. O palco tem 35 m de profundidade e 34 de largura.

Detalhe do teto da sala principal, inclusive a cúpula

Do teto às galerias à plateia

Sol do entardecer sobre a fachada principal, pela Plaza Lavalle, Calle Libertad (não pela Avenida 9 de Julio)

Bach hoje em Porto Alegre

Hoje às 19h na Igreja da Reconciliação acontece o sexto concerto desta temporada do Projeto Vésperas, com obras de Johann Sebastian Bach, incluindo a Suíte Orquestral n. 3 (BWV 1068), uma seleção de corais da Paixão e o Osteroratorium (Oratório de Páscoa) (BWV 249). A entrada é franca! Novamente estarei lá, em meio aos baixos do Grupo Cantabile.

abril

Händel hoje em Porto Alegre

Hoje às 18h na Igreja da Reconciliação acontece o quinto concerto desta temporada do Projeto Vésperas, com obras de Georg Friedrich Händel, incluindo o Concerto Grosso (HWV 325) e trechos dos oratórios Solomon, Judas Macabeus e The Messiah. A entrada é franca! Novamente estarei lá, em meio aos baixos do Grupo Cantabile.

Meu preferido do concerto será Behold The Lamb of God, de The Messiah. Como teaser, aí vai uma gravação do Coro e Orquestra Tafelmusik (do canal oficial de Tafelmusik no Youtube).