Arquivo da tag: belle époque

O café mais lindo do mundo

Um dos muitos encantos da localização de nossa morada em Budapeste era que bastava dobrar uma esquina para chegar ao New York Palota, ou Palácio Nova York. Foi construído entre 1890 e 1894 pelo arquiteto húngaro Alajos Hauszmann para sediar a New York Insurance Company. O estilo é eclético, mas inspirado principalmente pelo Barroco italiano.

Vista da fachada principal do New York Palota

A fachada é decorada por diversos sátiros (mitologia grega) ou faunos (mitologia romana) – divindades de corpo parte humano, parte equino – que seguram luminárias.

Reflexos e um sátiro em uma das laterais do edifício

O New York Palota hoje abriga o elegante hotel 5 estrelas Boscolo Budapest. Mas a grande preciosidade do edifício é o New York Kávéház, ou New York Café, situado no térreo, com entrada pela esquina. Foi aberto no final do século XIX, auge da popularidade dos cafés de Budapeste para a cena intelectual da cidade. Diz a lenda que o escritor húngaro Ferenc Molnár, no dia da inauguração, jogou no Danúbio as chaves do café, para que nunca mais fechasse.

Não era apenas “mais um café”: era o café mais lindo do mundo.

New York Café: The most beautiful café in the world

Anno 1894, ano da conclusão da construção do edifício

Simplesmente passar pela soleira da porta do New York Café provoca um poderoso efeito uau. Basta entrar para sentir uma rajada de esplendor e o luxo da Belle Époque, por todos os lados. Tudo ao redor – candelabros, colunas de mármore, ornamentos dourados pelas paredes – é precioso. No teto há afrescos de Gusztav Mannheimer e Ferenc Eisenhut. Os lustres venezianos são espetaculares.

Interior do café a partir da nossa mesa

Um dos diversos afrescos do teto

A riqueza de detalhes parece interminável

A maioria dos turistas vai ao New York Café pela atmosfera deslumbrante, claro. Mesmo assim, a comida e os cafés também são excelentes (embora, como se poderia esperar, mais caros que a média de Budapeste). Minha forte recomendação vai para os omeletes – com queijos, pimentões (típicos na Hungria) e mais.

Um arco de madeira sobre colunas de mármore em espiral dá acesso ao nível inferior do restaurante, onde estava montado o bufê para os hóspedes do hotel.

O arco e a área do bufê

Visão geral da área do bufê

Visão geral da área do bufê

A área do bufê, vista do outro extremo

O arco, visto de outro ângulo

Nas galerias ao lado da área do bufê, há um espaço para música ao vivo. Numa das visitas ao New York Café, havia um pianista, e em outra, uma harpista.

A área dos músicos

Durante a Segunda Guerra Mundial, o prédio foi danificado. Chegou a servir de loja e até de depósito – era o depósito mais lindo do mundo. Apesar de restaurado em 1954, durante a era comunista o prédio nunca retomou seu esplendor. Depois da redemocratização, ficou vazio por uma década, até ser restaurado pelo grupo Boscolo. Foi reinaugurado em 2006.

Ao lado do café, o jardim interno do Boscolo

Vista noturna do New York Palota, com destaque à esquina da entrada do New York Café

Anúncios

Visita guiada ao deslumbrante Teatro Colón

Da minha mais recente ida a Buenos Aires, já tinha postado sobre os passeios-repeteco que fiz com a Joe, sobre a experiência da autêntica milonga, sobre a nostalgia das Brujas da Línea A do Subte e sobre o “gostinho de quero mais” do Palácio Barolo, que ficou para a próxima visita.

Apesar da abundância na postância (refletindo o gosto óbvio que tenho pela cidade), ainda faltava um post sobre o “gostinho de quero mais” da ida anterior a Buenos Aires, ou seja, o passeio que tinha ficado faltando, mas que na mais recente visita eu enfim fiz: a visita guiada ao Teatro Colón.

O prédio atual ficou pronto em 1908, depois de 20 anos de construção, e hoje está entre os teatros de melhor acústica. Ficou fechado entre 2005 e 2010 para reformas – por isso é que, nas minhas primeiras idas a Buenos Aires, não pude fazer a visita.

A entrada das visitas guiadas já começa nostálgica, pelo Pasaje de Carruajes. Esperando por ali o início da visita, turisticamente vestindo jeans e camisa polo, já me senti aquém da dignidade do teatro ao ler numa vitrine o Código de Vestimenta “sugerido” para as apresentações:

El estilo, la elegancia, la clase y la distinción han sido, desde siempre, pilares en donde se construyó la excelencia del Teatro Colón. … A partir de este año, en todas las funciones … de la temporada lírica, se sugiere vestir smoking o traje oscuro para caballeros y vestimenta de noche para damas en plateas y palcos.

Mas essa foi apenas a primeira de muitas impressões “uau!” que eu teria naquela visita. As demais eu compartilho a seguir por meio do meu modesto olhar fotográfico. Nem precisaria dizer, claro, que recomendo fortemente essa visita guiada!

O imponente hall de entrada ou Foyer, logo acima das escadarias de mármore de Carrara

O Foyer é ainda mais impressionante quando se olha para o alto

Vitral da cúpula do Foyer

Detalhe do vitral da cúpula do Foyer

Detalhe central do vitral da cúpula do Foyer

No andar superior do Foyer (Salón de los Bustos), mais um delicado vitral

Posição de destaque para o busto de Mozart

A riqueza de detalhes é impressionante…

Visão geral do Salón de los Bustos

O grande espelho do Salón Dorado

Visão geral do Salón Dorado

O vitral e a namoradeira do Salón Dorado

Próximo momento “uau!”… descerrando as cortinas do salão principal

Entrando sem fôlego na sala principal… São 32 m de diâmetro, 75 m de profundidade, 28 m de altura. O palco tem 35 m de profundidade e 34 de largura.

Detalhe do teto da sala principal, inclusive a cúpula

Do teto às galerias à plateia

Sol do entardecer sobre a fachada principal, pela Plaza Lavalle, Calle Libertad (não pela Avenida 9 de Julio)

Os gêmeos Barolo e Salvo, separados pelo Río de la Plata

Visitar outros lugares, pra mim, é coisa séria. Se viajo para passear, retorno invariavelmente mais exausto que na partida, por causa da intensidade dos passeios. Se viajo por outro compromisso, retorno exausto por causa do compromisso — e da intensidade dos passeios nas horas vagas! Acordar cedo, caminhar muito, fazer um lanche ou pular uma ou outra refeição (o que não quer dizer deixar de comer naquele restaurante legal!), dormir tarde. A lógica é: se quiser descansar, vou para um spa ou resort. O que nunca fiz, claro.

Ainda assim, sempre acabo com vontade de voltar, mesmo para rever o que já vi (nostalgia…), ou para ver um ou outro lugar que não tive tempo de ver. E o verbo “ver” aqui se lê como ver, ouvir, cheirar, saborear, tocar. Qualquer experiência sensorial vale. Aliás, emocional também.

No caso da minha última viagem a Buenos Aires, o gostinho de quero mais ficou por conta do Palacio Barolo, na Avenida de Mayo. O edifício já tinha chamado minha atenção quando fui a Buenos Aires pela primeira vez, em 2007.

Torre do Palacio Barolo, quando a fotografei em 2007, numa linda tarde de verão em Buenos Aires

Em 2012, fui pela primeira vez a Montevidéu. Lá foi o Palacio Salvo que me chamou a atenção, não só por ser um edifício de 27 andares (95 metros) em plena Plaza Independencia, coração de Montevidéu, mas também por me parecer familiar. “Eu já te vi em outro lugar…”

Palacio Salvo, em Montevidéu, 2012

Torre do Palacio Salvo, Montevidéu, 2012

A semelhança não é mera coincidência: os edifícios foram desenhados pelo mesmo arquiteto, Mario Palanti, italiano radicado em Buenos Aires. O Palacio Barolo foi inaugurado em 1923 em Buenos Aires; o Palacio Salvo, em 1928, em Montevidéu.

Palacio Barolo foi o primeiro edifício construído em concreto armado na Argentina. De um estilo arquitetônico único (formado de uma mescla de vários!), faz diversas referências à Divina Comédia de Dante Aliguieri. O andar mais alto (22º) oferece uma vista para toda Buenos Aires, com destaque para o Congresso e a Casa Rosada (em extremos opostos da Avenida de Mayo).

visitas guiadas, tanto diurnas quanto noturnas, do que infelizmente só fiquei sabendo depois de ter ido embora… Vou pré-agendar essas visitas para a próxima ida a Buenos Aires!

Palacio Barolo e a Avenida de Mayo no inverno de 2014

Belle époque sobre trilhos subterrâneos

Em 1913, após dois anos de escavações e construções, foi inaugurada a Línea A do subte, o metrô de Buenos Aires. Assim surgiu a primeira linha de metrô da América Latina e do hemisfério austral, apenas alguns anos depois do underground (tube) de Londres, do métro de Paris, do U-Bahn de Berlim e do subway de New York City.

Entre os primeiros trens usados no subte estavam os fabricados na década de 1910 pela empresa La Brugeoise, na cidade de Bruges, Bélgica. Os vagões tinham revestimento e bancos de madeira, luminárias em forma de tulipa, portas com abertura manual.

Quando fui a Buenos Aires pela primeira vez, em 2007,  fiquei deslumbrado que esses trens centenários ainda circulassem na Línea A. Tive a oportunidade de andar neles algumas vezes. Era um passeio ao início do século XX. A penumbra dos vagões ainda exalava a nostalgia da belle époque porteña, em que Buenos Aires era conhecida como a París de Sudamérica.

Ao voltar a Buenos Aires em 2014 e novamente andar na Línea A do subte, senti falta das “Brujas”, como são conhecidos os trens, por causa do nome espanhol (Brujas) da cidade belga (Bruges) onde eram produzidos. Como “bruja” também quer dizer “bruxa”, ficou o trocadilho.
O que eu não sabia é que em 12 de janeiro de 2013 houve uma caça às bruxas: os centenários trens, então os mais antigos em operação no mundo, foram tirados de circulação.

A ideia, naturalmente, era modernizar o sistema, mas, também naturalmente, houve oposição e polêmica. As Brujas foram formalmente declaradas patrimônio histórico e cultural da cidade de Buenos Aires. Algumas estão sendo restauradas e voltarão a circular, mas fora de serviço, apenas para passeios turísticos em finais de semana. Em 2014 já se fizeram alguns testes com Brujas cujos componentes eletromecânicos foram restaurados e modernizados.

Até que os trens de metrô mais antigos do mundo voltem a circular, ficamos só na nostalgia…

Alguns links recomendados, para quem quiser ler ou ver mais:

  • A revista Perfil e a BBC prepararam galerias de fotos com a história do subte, incluindo a construção e os primeiros anos de operação.
  • Mais leituras e fotos sobre o Taller Polvorín, construído em 1914 pela Compañía de Tranvías Anglo-Argentinas como lar para os trens da Línea A, então chamada de Línea Anglo-Argentina.