Arquivo da tag: música

Festival de Hamamatsu: dia 2

Meu segundo dia no Japão começou com mais um café da manhã cinco estrelas na casa da Misako. O principal destaque da refeição foi para o nattō (“natô”), uma comida japonesa feita de grãos de soja fermentados (e grudentos), servida com mostarda ou molho shoyu e acompanhada de arroz. Gostei muito! E o outro destaque foi sem dúvida para os morangos, que no Japão são invariavelmente e deliciosamente doces.


Café da manhã: nattō no canto inferior direito

Após as bandas musicais e os carros alegóricos no centro da cidade no primeiro dia do Hamamatsu Matsuri, o plano para boa parte do segundo dia de festival foi assistir à batalha de pipas (Tako-Age) nas dunas da praia de Nakatajima.

Diz a lenda que no século XVI o governante de Hamamatsu empinou uma pipa para comemorar o nascimento do seu primeiro filho. Até hoje continua a tradição: primeiro se empinam as pipas menores (Hatsudako) em homenagem aos recém-nascidos.

Depois disso começa a batalha (é batalha, mesmo, à la O Caçador de Pipas) entre mais de 170 pipas enormes (tamanhos variando entre 2,5 e 3,6 metros quadrados), cada uma com o símbolo de uma localidade de Hamamatsu.


A caminho das dunas de Nakatajima


Chegada às dunas de Nakatajima: uma multidão e dezenas de pipas!


Time de uma localidade de Hamamatsu carregando sua pipa


O céu fica todo colorido com as pipas das diferentes localidades de Hamamatsu


Equipe preparando-se para empinar a pipa


Do alto das dunas, uma ideia melhor da área e da multidão que participa da festa


As dunas e a praia de Nakatajima

Após piquenique na praia e visita à irmã da Misako, à tardinha voltamos para o centro da cidade. Aproveitei para tirar uma foto da Act Tower, o maior arranha-céu da cidade (213 metros, 45 andares), em forma de harmônica (gaita de boca) – mais uma referência à importância da música na economia e na cultura de Hamamatsu.


Act City ao fundo; o edifício poligonal no primeiro plano é o terminal de ônibus

A volta ao centro à tardinha foi para encerrar o dia também imerso no Festival de Hamamatsu. No primeiro dia apenas assistimos ao desfile dos carros alegóricos (Goten Yatai). No segundo, fomos não só assistir, mas puxar nós mesmos o carro alegórico de Shijimizuka, o bairro onde mora a irmã da Misako! Foi uma excelente ideia o convite da Misako para comemorar de forma tão única e inesquecível o meu aniversário. 🙂


Vestindo happi, aniversariante pronto para puxar o carro alegórico


Apresentação musical das crianças em frente ao Shijimizuka-cho Goten Yatai


Um entre vários japoneses (garoto-propaganda Nikon) puxando o Shijimizuka-cho Goten Yatai


Trânsito intenso de Goten Yatai, já iluminados ao entardecer


Multidão acompanhando o desfile, em frente à sede da Yamaha


E o desfile continua à noite, com os Goten Yatai iluminados

Anúncios

Festival de Hamamatsu: dia 1

A viagem de ônibus do post anterior – o primeiro da série sobre minha viagem ao Japão – foi para o centro da cidade para prestigiar o Festival de Hamamatsu (Hamamatsu Matsuri), comemorado na Semana Dourada (3 a 5 de maio). Hamamatsu é a sede mundial da Yamaha e, em parte por isso, uma cidade onde a música é parte importante da cultura. No festival, houve apresentações e desfiles das muitas bandas da cidade.


Apresentação musical no centro de Hamamatsu 


O prefeito de Hamamatsu e uma atriz mirim famosa participando do desfile


Guloseima festiva: bananachoco, banana coberta com chocolate!

Um dos destaques do Hamamatsu Matsuri é o desfile de mais de 80 carros alegóricos ou “altares móveis” pelas avenidas do centro da cidade. Cada carro de madeira trabalhada e esculpida é uma verdadeira obra de arte que representa uma parte ou bairro da cidade, com bandeiras, cortinas, lanternas, cores e diversos outros símbolos característicos.

À frente de cada carro mulheres e homens, vestindo o happi (jaqueta) que identifica seu bairro, “puxam” com orgulho o carro alegórico pelas ruas, por cordas (é claro que as cordas hoje em dia são só pela tradição; todos os carros são motorizados). Dentro do carro crianças de cada localidade, vestindo trajes festivos bem coloridos, tocam instrumentos musicais tradicionais, numa apresentação musical chamada de ohayashi.

Outra parte marcante do festival é o Neri, o desfile dos estandartes e lanternas coloridas das localidades. Os moradores passeiam em blocos pelas ruas, ao som de cornetas e tambores, cantando “oisho, oisho“, e marchando todos no mesmo ritmo desse cântico. É impossível não sonhar com “oisho” depois de um dia de festival. É também praticamente impossível registrar o Neri em foto, porque os blocos passam muito rápido!

As atividades do festival vão até tarde da noite e as avenidas e ruas ficam tomadas pela multidão que acompanha os carros alegóricos e os blocos dos estandartes.

No fim da noite do primeiro dia de festival observei um sinal luminoso com tradução em língua portuguesa perto estação central de ônibus de Hamamatsu. Nossa língua não é muito comum no Japão de forma geral, mas bastante comum em Hamamatsu, para onde muitos brasileiros (de origem japonesa – os Nikkei – ou não) emigraram nos anos 1980 e 1990 em busca de emprego na indústria local. Já nos anos 2000, muitos brasileiros  desempregados no Japão receberam ajuda de custo do governo japonês para retornar ao Brasil. Hamamatsu é ainda hoje a cidade japonesa com o maior número de brasileiros. Em 2015, tinha 15,899 brasileiros, 60% da população estrangeira da cidade.

Na próxima, conto sobre as aventuras do segundo dia de festival – meu aniversário! 🙂

Bye Bye, Budapest: triatlo na Ilha Margit

O último dia da Expedição 2015 em Budapeste foi de arrancar lágrimas de nostalgia: céu perfeitamente azul, temperatura ideal e um passeio agradável e tranquilo.

Nada mais apropriado para se despedir de Budapeste – sem causar ciúme nem a Buda nem a Peste – que passar o dia na Ilha Margarete ou Margit (Margit-sziget), que fica no meio do Danúbio (mapa) e, portanto, não é propriamente nem Buda nem Peste!

A parte do triatlo, no título do post, é só brincadeira. Não fizemos triatlo nenhum. Mas quase: andamos de bicicleta, caminhamos bastante (mas não corremos…) e nadamos. 😀

Começamos o dia com um brunch húngaro reforçado no Művész Kávéház (mapa, website em Húngaro, facebook), na chiquérrima Avenida Andrássy, 29. Como (estranhamente) não tirei foto lá, o Művész acabou ficando de fora do post sobre cafés e restaurantes de Budapeste. Foi inaugurado em 1898, em estilo Neo-Renascentista, e restaurado em 2008. Quase em frente à Ópera, é mais um dos muitos cafés elegantes da época, como o New York Café e o BookCafé.

Depois do Művész, passamos um tanto de dificuldade e perdemos um tempinho tentando alugar uma segunda bicicleta do sistema de compartilhamento MOL Bubi usando o aplicativo de celular. Teria sido mais fácil e rápido ir logo até a máquina disponível na Déak Ferenc ter, como afinal fizemos – e em um minuto ambos tínhamos bicicletas alugadas!

Fomos pedalando pelo centro de Peste, passando pelo Parlamento, até a Ponte Margit (Margit híd). A ponte em T liga Buda e Peste, e também permite descer na Ilha Margit, no Danúbio.

Danúbio e o lado Buda da Ponte Margit

A partir do século XI a Ilha Margit foi ocupada por diferentes ordens religiosas. Vimos lá importantes ruínas medievais: da igreja e do convento dominicanos, do século XIII, e da igreja franciscana em estilo gótico, do século XIV. No convento dominicano viveu a Princesa Margit, filha do Rei Béla IV, na segunda metade do século XIII; a ilha acabou recebendo o nome da princesa. Os religiosos abandonaram a ilha em meados do século XVI, para fugir da ocupação dos turcos, que destruíram as construções. Só no século XIX as ruínas foram reencontradas.

A ilha foi aberta ao público em 1869 e hoje é um grande parque, com gramados, muita um jardim japonês, um roseiral, hotéis-spas, um complexo esportivo e, claro, banhos termais.

Na entrada sul da ilha, o chafariz e, ao fundo, o monumento ao centenário da unificação de Buda e Peste (comemorado em 1973)

Um dos belos jardins

Detalhe do roseiral

O grande gramado do centro da ilha – e nenhuma nuvem no céu espetacularmente azul!

Almoçamos no restaurante aos pés da Torre da Caixa d’Água e depois, subimos seus 57 metros. A torre foi construída em 1911 e hoje funciona como espaço para exibições artísticas, além de oferecer vistas incríveis da ilha e da cidade.

Não é uma foto panorâmica, mas ao longe se podem ver alguns marcos da cidade. Da esquerda para a direita, temos a cúpula da Basílica e outros prédios do centro de Peste, o Monumento à Libertação no alto de Gellért Hill, a cúpula do Parlamento e o Castelo de Buda.

Superzoom: o Parlamento, em Peste, e o Castelo, em Buda

Por fim, depois de andar de bicicleta e caminhar pela ilha, fomos nadar na Praia Palatinus (Palatinus Strandfürdő, mapa, website em inglês). Há 11 piscinas , todas externas, incluindo uma de ondas e outra com toboáguas. O movimento tranquilo no dia em que fomos (início de temporada) permitiu que aproveitássemos bastante. Desci os quatro toboáguas!

Deu um aperto no coração encerrar o agradável dia no Palatinus, mas, como se vê nas últimas fotos, a tarde estava caindo… Alugamos bicicletas para voltar a Peste, jantar pela última vez em alto estilo húngaro (no Callas, com música ao vivo), voltar ao apartamento e fechar as malas, para partir cedo da manhã no dia seguinte de volta para as Américas.

Voltamos com a bagagem cheia de nostalgia. A Expedição 2015 foi um sucesso absoluto.

Em Budapeste visitei até museu

Com tantos passeios por Budapeste (e ainda faltam algumas histórias a contar!) durante a Expedição 2015, visitei apenas dois grandes museus: o Museu Nacional da Hungria (Magyar Nemzeti Múzeum) e o Museu de Artes Aplicadas (Iparművészeti Múzeum), ambos no centro de Peste. Seria impossível comentar exaustivamente sobre cada as atrações de cada um, por isso me atenho a comentários sobre as favoritas – sejam do público em geral, sejam minhas.

Museu Nacional da Hungria

(mapa, website em inglês)

O Museu Nacional da Hungria foi fundado em 1802, mas só em meio século depois mudou-se para o grandioso palácio neo-clássico onde hoje se encontra, construído entre 1837 e 1847 pelo arquiteto Mihály Pollack.

A escadaria da entrada leva ao primeiro andar, onde, logo à esquerda, está exposta em uma sala com iluminação controlada uma das peças mais valiosas do museu: o manto da coroação, em tecido de seda bizantina bordado com fios de ouro e prata. Conforme a inscrição em latim na própria peça, o manto foi confeccionado por ordem do Rei Santo Estêvão (o primeiro rei da Hungria) e sua esposa Giselle no ano 1031. No site oficial há mais sobre a história do manto.

Ainda no primeiro o andar, há Entre o Oriente e o Ocidente, uma mostra arqueológica permanente, com artefatos encontrados no atual território da Hungria desde 400.000 a.C. até o século IX da era Cristã, quando os magiares se estabeleceram na região.

No segundo andar, está a grande exposição permanente sobre a História da Hungria, que contempla desde a criação do Estado Húngaro (em 896) até a queda do regime comunista (em 1990). Gostei particularmente (como tende a ser o caso) da parte que mostra móveis, vestimentas e objetos dos séculos XVIII e XIX, quando a Hungria estava sob o domínio da dinastia dos Habsburgos. A parte sobre a Segunda Guerra (da qual a Hungria participou do lado perdedor) decepcionou; parece haver uma perspectiva histórica distorcida, de vitimização, como se a participação do Estado Húngaro tivesse sido totalmente passiva.

Uma das minhas partes preferidas do museu conta a história de um piano muito especial. Foi fabricado por Thomas Broadwood, de Londres, que construía os melhores e mais modernos pianos da época, e enviado a Viena em 1817. Pertenceu a ninguém menos que Beethoven, que, segundo o relato histórico, amava o instrumento e o utilizou até vir a falecer. O piano foi adquirido em um leilão por C. A. Spina, um negociante de arte e editor de música. Em sinal de respeito, Spina doou o piano a Liszt, o compositor maior da Hungria, grande admirador de Beethoven. Liszt, por sua vez, doou o piano ao Museu nacional da Hungria em 1873. Hoje o instrumento está lá exposto. O nome “Beethoven” está gravado no mogno, acima do teclado.

Museu de Artes Aplicadas

(mapa, website em inglês)

O palácio do Museu de Artes Aplicadas foi, literalmente, o primeiro edifício de Budapeste que me chamou a atenção. No táxi do aeroporto para nosso airbnb, ao ver a linda cúpula com cerâmicas coloridas Zsolnay (do mesmo estilo das que estão na Igreja Mátyás e na Igreja Calvinista, em Buda), mandei uma mensagem para minha irmã, que já estava no apartamento. “Lu, estou passando por uma cúpula verde espetacular… tô perto?

 

A cúpula verde espetacular

Vista aérea (foto de foto) do palácio do museu

No teto da entrada do palácio, mais cerâmica Zsolnay

O palácio do museu por si só vale a visita. Foi projetado pelos arquitetos Ödön Lechner e Gyula Pártos no estilo Secessão, ligado ao Art Nouveau, e inaugurado pelo Imperador Franz Joseph em 1896, para a festa do milênio da Hungria. Notam-se as influências Indo-Orientais e, especialmente na parte externa, o uso da cerâmica Zsolnay.

A coleção permanente inclui peças de mobiliário, têxteis, vidros, cerâmicas e obras de arte. No dia da nossa visita, as mostras temporárias eram sobre arte islâmica e sobre a obra fantástica e criativa do próprio Lechner.

Vitral da cúpula

O pátio interno e as galerias com arcos indo-orientais

Detalhes dos arcos próximos às escadarias

Escultura, arquitetura e música na Praça e Academia Liszt

Um dos meus trajetos preferidos para uma caminhada de nosso airbnb em Erzsebetváros até a Avenida Andrássy era a Praça Liszt (Liszt Ferenc tér, mapa), um corredor arborizado de restaurantes, bares e cafés. No centro da praça está a estátua de bronze do renomado músico húngaro Franz Liszt (Liszt Ferenc), assinada pelo escultor húngaro László Marton (1986).

Estátua de Ferenc Liszt, por Marton László

Outra estátua que chama atenção na praça é a de Sir Georg Solti, maestro húngaro que, para escapar da perseguição aos judeus durante a Segunda Guerra, radicou-se no Reino Unido. A estátua foi inaugurada em outubro de 2013, na reabertura da escola de música diante da qual foi colocada a obra e da qual o maestro foi aluno: a Academia de Música Franz Liszt (Liszt Ferenc Zeneakadémia).

Estátua de Georg Solti

A Zeneakadémia (mapa, site oficial em inglês) é considerada o coração musical de Budapeste. Foi fundada em 1875; portanto, em 2015 se comemoram seus 140 anos. O belo palácio Art Nouveau onde hoje funciona – restaurado em 2013 – foi construído de 1904 a 1907 e tem dois auditórios: um para 1200 pessoas e outro, para 400 pessoas.

Fachada da Liszt Ferenc Zeneakadémia; no centro, mais uma estátua de Liszt

Passando por ali logo nos primeiros dias da Expedição 2015, minha irmã e eu entramos para ver a programação de maio e adquirir os primeiros ingressos para concertos em Budapeste!

Hall de entrada da Zeneakadémia

Levei algum tempo para encontrar o assento: Középerkély Bal (mezanino centro-esquerdo), 5. Sor (fila 5), 4. Szék (assento 4)

Chegamos cedo para contemplar o auditório principal

No teto do auditório, “poesia”, “ritmo” e outros elementos da música

Orquestra de Câmara entrando no auditório

Em 13 de maio, o concerto foi com a Orquestra de Câmara Franz Liszt (Liszt Ferenc Kamarazenekar) e o clarinetista (também maestro) Michael Collins:

  • Johann Baptist Vanhal, Sinfonia em Sol Menor, Op. 17/2 (ouvir aqui)
  • Wolfgang Amadeus Mozart, Concerto para Clarinete em Lá Maior, K 622 (ouvir aqui)
  • Edward Grieg, Quarteto de Cordas No. 1 em Sol Menor, Op. 27 (ouvir aqui)

Em 20 de maio, voltamos à Zeneakadémia para um concerto com a Filarmônica Nacional da Hungria (Nemzeti Filharmonikusok), o Coro Nacional da Hungria (Nemzeti Énekkar) e solistas, especialmente Mihály Berecz, pianista prodígio de 17 anos:

  • Wolfgang Amadeus Mozart, Flauta Mágica, Abertura, K 620 (ouvir aqui)
  • Wolfgang Amadeus Mozart, Concerto para Piano em Dó Maior, K 503 (ouvir aqui)
  • Joseph Haydn, Oratório As Sete Palavras de Cristo na Cruz (ouvir aqui)

Concertos e múmias na Basílica de Santo Estêvão

Um dos objetivos da Expedição 2015 a Budapeste foi aproveitar ao máximo a cena musical da cidade. Por exemplo, num dos últimos posts, já contei sobre Fausto e a visita guiada à Ópera do Estado Húngaro. Mas os primeiros ingressos comprados foram para o Concerto de Gala – com direito a órgão de tubos, orquestra sinfônica e coro – na Basílica de Santo Estêvão (Szent István Bazilika), já nos primeiros dias em Budapeste.

A Basílica (site em inglês) foi construída de 1851 a 1905 e dedicada ao Rei Estêvão (canonizado pela Igreja Católica como Santo Estêvão), fundador do Estado Húngaro. O primeiro arquiteto da Basílica, József Hild, faleceu durante a construção, que foi continuada por Miklós Ybl (o arquiteto da Ópera de Budapeste) e József Kauser. A cúpula original, do projeto de Hild, colapsou em 1868 devido a problemas de construção. Ybl teve de alterar o projeto original, Clássico, para o atual, Neo-Renascentista. Durante a Segunda Guerra, as torres e as paredes externas foram danificadas; toda a estrutura do telhado teve de ser substituída. Somente em 2003 a restauração foi concluída.

A praça em frente à Basílica é um agradável espaço de convivência, com diversos restaurantes e cafés (e turistas sempre circulando). O espaço aberto ressalta o caráter imponente do edifício. Segue um trio de vistas da Basílica – em dia nublado, à noite e em dia ensolarado.

Esperando para entrar pela primeira vez na Basílica, para assistir ao Concerto de Gala (8 de maio, às 20h), minha irmã Lucila e eu ficamos observando os detalhes externos.

“Eu sou o caminho, a verdade e a vida.” João 14:6

Quase entrando

O programa do Concerto de Gala, regido por András Virágh, consistiu em obras conhecidas:

  1. Tocata e Fuga em Ré Menor, de Johann Sebastian Bach (BWV 565), com o organista András Gábor Virágh; e
  2. Requiem em Ré Menor, de Wolfgang Amadeus Mozart (K 626), com o Coro Jovem de Budapeste, o Coro Paroquial, a Orquestra Sinfônica Monarchia e solistas da Ópera do Estado Húngaro (soprano Ildikó Szakács, contralto Kornélia Bakos, tenor László Kálmán e baixo Lóránt Najbauer)

Assistimos à primeira récita, em 8 de maio – e ainda haverá mais duas, em 28 de agosto e 25 de setembro. A divulgação está no site www.organconcert.hu, onde é possível adquirir ingressos; os preços variam de 16 a 28 Euros.

Como o programa incluía parte com orquestra, coro e solistas (no altar) e parte com órgão de tubos (no coro, atrás), a Basílica virou uma grande sala de espetáculos com dois palcos.

Músicos no altar, durante a execução do Requiem

O grandioso órgão de tubos

Não só por causa dos dois palcos, mas fica difícil olhar para um lugar só, considerando a riqueza de detalhes da decoração interna da igreja, com muitas pinturas e esculturas.

Nas colunas centrais da Basílica, imagens de Math, Marc, Lvc e Joan, os escritores dos quatro Evangelhos

Também chama atenção a grandiosa cúpula no centro da Basílica, que atinge a altura de 96 metros. É uma referência a 896, o ano em que as tribos magiares (ou húngaras) vieram da região dos Montes Urais e assentaram-se na Bacia dos Cárpatos, para posteriormente dar origem ao Estado Húngaro. O Parlamento Húngaro (que será assunto de outro post!) tem uma cúpula de mesma altura, dando a ideia de que Igreja e Estado não se devem sobrepor um ao outro. Hoje, o plano diretor de Budapeste não permite a construção de edifícios mais altos que 96 metros, garantindo que a Basílica e o Parlamento continuem sendo os mais altos.

Por um valor acessível, é possível subir ao observatório da cúpula, de onde se têm vistas panorâmicas de Budapeste. Não chegamos a subir… mas deve valer a pena!

A cúpula da Basílica

Dias depois, arrastei comigo meu cunhado James para o concerto de órgão na Basílica, que acontece regularmente às segundas-feiras; o site www.organconcert.hu traz os horários e programas. No concerto a que fomos, dia 11 de maio, o organista András Gábor Virágh e a soprano ldikó Szakács apresentaram Albinoni (Adagio), Mozart (Aleluia), Bach (Prelúdio e Fuga, Ária, Tocata e Fuga – algumas delas, repetição do Concerto de Gala), Bizet (Agnus Dei), Liszt (Coral) e Gounod (Ave Maria).

 

Por fim, desde 1931, a Basílica guarda uma relíquia especialmente importante para os católicos húngaros: a Santa Destra – uma mão direita mumificada, que seria a do Rei Santo Estêvão e que teria poderes milagrosos (aqui, mais sobre a história da relíquia). Milhares de fiéis na Hungria fazem procissões no Dia de Santo Estêvão, anualmente em 20 de agosto, dia da morte do rei.

A urna onde é mantida, preservada, a Santa Destra

Do Brasil à Tanzânia… via Suíça?

Se geograficamente não faz sentido passar pela Europa para ir da América do Sul à África, pode fazer bastante sentido economicamente. A passagem via Europa custava menos que a metade da passagem direta. Por isso, a viagem de trabalho à África começou com uma semana de trabalhos preparatórios em Genebra, onde fica o escritório-sede da minha equipe de trabalho. Escrevi um tanto sobre Genebra (e também postei fotos) durante os quatro meses em que estive por lá em 2010–2011, mas sempre vale recordar nostalgicamente e registrar as novas experiências.

Minha primeira providência ao chegar lá foi ajustar meu relógio oficial da companhia ferroviária suíça (CFF), que comprei na última vez que estive na Suíça. Em homenagem a minhas viagens de trem entre Alemanha e Suíça, resolvi ceder ao apelo de consumo de ter um relógio “Swiss made”. (Sim, o relógio ainda estava atrasado quando tirei a foto.)

Devidamente preparado para a pontualidade suíça, fui para a casa do meu anfitrião: o Atul, um dos meus colegas indianos do mestrado na NYU. Como comentei ao contar sobre o casamento a que fui na Índia em 2013, a hospitalidade indiana é espetacular. No primeiro dia fomos jantar em um restaurante mexicano (porque, enfim, quando se está a fim de comida mexicana, é o que se faz), mas nos outros dias ele fez questão de cozinhar.

(E me ensinou a fazer chai masala. Agora ninguém me segura. O céu é o limite.)

Falando em céu, além da vantagem sócio-profissional óbvia de trabalhar durante uma semana no escritório em Genebra – interagir pessoalmente com os colegas, com quem, trabalhando de casa, normalmente só converso por audioconferência –, ver o céu de Genebra também conta como uma vantagem. E naquela semana, para me premiar, ele estava particularmente especial. (Disseram, claro, que foi por eu ter levado um pouco de verão do Brasil pra lá.)

De um lado do edifício (Casa Internacional do Meio Ambiente 2), a vista é para o lado do aeroporto e para a cadeia de montanhas do Jura, na fronteira entre França e Suíça:

Do outro lado do edifício, a vista é para o lado do centro de Genebra, o monte Salève (aquela montanha à direita é o Petit Salève; o Grand Salève fica mais à direita e não aparece nesta foto) e, num dia de visibilidade um pouco melhor, os Alpes:

Ali perto fica a Casa Internacional do Ambiente 1, que abriga o escritório europeu do Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente, entre outros organismos da ONU. Na parte dos fundos, a fachada espelhada reflete as imagens do céu e do condomínio residencial vizinho:

Num fim de tarde, fui dar uma caminhada pela orla do lago de Genebra (Lac Léman) para ver se tudo continua como está. Óbvio que tudo continua como está. Em Genebra, faz séculos que tudo continua como está.

O lago, o jato d’água (Jet d’Eau), os barcos…

Na Ponte Mont-Blanc, as bandeiras dos cantões suíços. (Ao fundo, desta vez aparece o Grand Salève, que em 2010 subi de teleférico.)

A Cathédrale Saint-Pierre (Catedral de São Pedro) se destaca no horizonte de Genebra, sobre os edifícios com letreiros de marcas famosas e de luxo – Zurich, Cartier, Louis Vuitton…

No domingo à tarde, o Atul e eu fomos ao Salão do Automóvel de Genebra. Dentro dos enormes pavilhões do centro de exposições Palexpo, logo percebemos que a maior parte da população de Genebra teve a mesma ideia para aquela tarde de domingo:

Vimos desde “banheiras” superluxo (como o Mercedes Maybach, que será lançado em abril de 2015)…

… até uns carros com design futurista (desses, vimos um número menor que o esperado!):

Já me perguntaram se eu curto carros tanto assim. A verdade é que, bem sinceramente, não! Fui mais pela experiência de ir ao famoso Salão do Automóvel de Genebra, já que estava acontecendo bem na semana em que eu estava por lá. Não tive nenhuma coceira de comprar um carro novo, melhor, mais luxuoso. Pelo contrário. Minhas primeiras palavras ao Atul ao sairmos da exposição: “É, acho que eu tenho, mesmo, que vender meu carro…” Já refleti sobre isso há algum tempo e à época concluí que ainda precisava de um carro, mas agora que trabalho de casa estou mais inclinado a vendê-lo. Falta apenas um pouco de coragem.

A noite de domingo terminou na companhia da Marina, uma colega de trabalho argentina que mora em Genebra, e ainda do Atul: fomos a um concerto na Cathédrale Saint-Pierre. O coro de câmara Laudate Deum e a Orquestra de Câmara de Genebra apresentaram a Paixão Segundo São João, de Johann Sebastian Bach.

A Marina comentou que ali perto da catedral fica a casa onde morou o escritor porteño Jorge Luis Borges até o ano de sua morte – e que na casa há uma placa comemorativa. Quis passar pela casa e fotografá-la; segui direitinho as orientações da Marina, mas não tive sorte! (Terei de voltar ali outra vez, com tempo e durante o dia.) Nessa tentativa, mesmo sem querer, topei (de novo) com a placa comemorativa do lugar onde ficava a casa de Jean Calvin – ou João Calvino, reformador que adotou Genebra como sua cidade. (Acabei me lembrando deste post aqui, que escrevi em inglês.)

“Jean Calvin viveu aqui de 1543 a 1564, ano de sua morte. A casa onde ele morava foi demolida em 1706 e substituída pelo imóvel atual.”

A noite de domingo para segunda-feira foi curta – às 5h da manhã estava tomando o rumo do aeroporto, para a viagem a Arusha! Embora corrido, foi ótimo estar de novo em Genebra.

E quem foi observador percebeu que eu não contei nada sobre as atividades do sábado. É que no sábado eu fiz um passeio fora de Genebra… mas essa é outra história.