Parlamento da Hungria e Memorial dos Sapatos

Visitar Budapeste e não ver o Parlamento (Országház) é mais ou menos como visitar Paris e não ver a Torre Eiffel nem de longe. É difícil perder de vista um edifício neogótico com 268 metros de comprimento, 123 metros de largura na parte mais larga e (tal como a Basílica) 96 metros de altura, às margens do Danúbio, em Peste. Obra do arquiteto húngaro Imre Steindl, foi construído de 1885 a 1902, usando materiais de procedência húngara sempre que possível.

Ao redor do Parlamento

A melhor visão geral do Parlamento é a que se tem a partir de Buda, do outro lado do Danúbio.

Mas as outras fotos de Buda ficam para outro outro post. Agora volto a Peste para dar uma volta ao redor do Parlamento e mostrar o prédio de diferentes ângulos.

Entrada principal, à Praça Kossuth Lajos

Indo para o lado norte do Parlamento; ao centro, a cúpula

Detalhe da fachada Norte

Mais um detalhe da fachada Norte

Já olhando para a fachada Oeste, que fica de frente para o Danúbio

Escadarias, torres e cúpula, vistas da margem do Danúbio

Memorial dos Sapatos

Perto do Parlamento fica o Memorial “Sapatos à Margem do Danúbio”, que presta homenagem aos judeus mortos por milícias do Partido da Cruz Flechada (Arrow Cross), semelhante ao Partido Nazi alemão, durante a Segunda Guerra Mundial. Os milicianos ordenavam que as vítimas tirassem seus calçados e executavam-nas à beira do Danúbio. Os corpos eram levados pelo rio – e os sapatos eram deixados para trás.

Shoes on the Danube Bank

O monumento Sapatos à Margem do Danúbio ao anoitecer; ao fundo, iluminados, a ponte Széchenyi e o castelo de Buda

Visita guiada ao Parlamento

Começando pelas desvantagens: a visita guiada é rápida (40 a 50 minutos, contando o tempo para passar por procedimentos de segurança tipo de aeroporto), a demanda é alta (e por isso há necessidade de comprar ingressos com antecedência, o que se pode fazer online, mas não evita a necessidade de esperar em fila) e o roteiro é bastante restrito. Mesmo assim, vale a pena. O prédio, além de importante política e historicamente, é rico em detalhes decorativos.

Nos corredores do Parlamento

Teto dourado de uma das 29 escadarias

Uma das partes mais deslumbrantes do Parlamento é a Grande Escadaria, com seus 96 degraus (novamente lembrando o ano de 896, quando as tribos húngaras se assentaram no atual território da Hungria), os tapetes vermelhos, os vitrais de Miksa Róth e, no teto, as pinturas de Károly Lotz.

A visita guiada passa pelo Salão de Entrada da Câmara Alta, com esculturas que lembram os antigos grupos de artesãos da Hungria. É também nesta sala que fica o maior tapete feito manualmente em toda a Europa. Eu fiquei tão horrorizado ao pensar no trânsito intenso de turistas (incluindo eu mesmo) sobre aquele rico tapete desprotegido que esqueci de fotografar.

O Salão de Entrada da Câmara Alta

E do Salão de Entrada se vai às galerias do antigo Salão da Câmara Alta, planejado para ter uma excelente acústica. O Parlamento Húngaro é hoje unicameral, por isso não há mais câmara alta ou baixa; o ambiente é usado para conferências e reuniões.

Por fim, a visita guiada também leva ao Salão da Cúpula, onde infelizmente não se permite fotografar. Tem uma cúpula interna de 27 metros de altura; acima dela é que fica cúpula externa de 96 metros, no centro geométrico do Parlamento. É ali que fica a antiga Coroa Real da Hungria. Há outras belíssimas na galeria oficial de fotos do Parlamento.

* Só para registrar: foi neste lindo edifício que, em julho de 2015, os parlamentares húngaros aprovaram a construção de uma cerca para barrar imigrantes e refugiados.

Anúncios

8 ideias sobre “Parlamento da Hungria e Memorial dos Sapatos

  1. Pingback: Caminhada pela Andrássy até o Parque da Cidade | Martin D. Brauch

  2. Pingback: Dia (intenso) em Buda | Martin D. Brauch

  3. Pingback: A Budapeste dos cafés e restaurantes | Martin D. Brauch

  4. Pingback: Expedição 2015: o primeiro de n posts | Martin D. Brauch

  5. Pingback: Parque Memento: um dos melhores passeios em Budapeste | Martin D. Brauch

  6. Pingback: Budapeste ao anoitecer – Danúbio iluminado | Martin D. Brauch

  7. Pingback: Bye Bye, Budapest: triatlo na Ilha Margit | Martin D. Brauch

  8. Pingback: Primeiro dia em Bratislava, Eslováquia | Martin D. Brauch

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s