Do Brasil à Tanzânia… via Suíça?

Se geograficamente não faz sentido passar pela Europa para ir da América do Sul à África, pode fazer bastante sentido economicamente. A passagem via Europa custava menos que a metade da passagem direta. Por isso, a viagem de trabalho à África começou com uma semana de trabalhos preparatórios em Genebra, onde fica o escritório-sede da minha equipe de trabalho. Escrevi um tanto sobre Genebra (e também postei fotos) durante os quatro meses em que estive por lá em 2010–2011, mas sempre vale recordar nostalgicamente e registrar as novas experiências.

Minha primeira providência ao chegar lá foi ajustar meu relógio oficial da companhia ferroviária suíça (CFF), que comprei na última vez que estive na Suíça. Em homenagem a minhas viagens de trem entre Alemanha e Suíça, resolvi ceder ao apelo de consumo de ter um relógio “Swiss made”. (Sim, o relógio ainda estava atrasado quando tirei a foto.)

Devidamente preparado para a pontualidade suíça, fui para a casa do meu anfitrião: o Atul, um dos meus colegas indianos do mestrado na NYU. Como comentei ao contar sobre o casamento a que fui na Índia em 2013, a hospitalidade indiana é espetacular. No primeiro dia fomos jantar em um restaurante mexicano (porque, enfim, quando se está a fim de comida mexicana, é o que se faz), mas nos outros dias ele fez questão de cozinhar.

(E me ensinou a fazer chai masala. Agora ninguém me segura. O céu é o limite.)

Falando em céu, além da vantagem sócio-profissional óbvia de trabalhar durante uma semana no escritório em Genebra – interagir pessoalmente com os colegas, com quem, trabalhando de casa, normalmente só converso por audioconferência –, ver o céu de Genebra também conta como uma vantagem. E naquela semana, para me premiar, ele estava particularmente especial. (Disseram, claro, que foi por eu ter levado um pouco de verão do Brasil pra lá.)

De um lado do edifício (Casa Internacional do Meio Ambiente 2), a vista é para o lado do aeroporto e para a cadeia de montanhas do Jura, na fronteira entre França e Suíça:

Do outro lado do edifício, a vista é para o lado do centro de Genebra, o monte Salève (aquela montanha à direita é o Petit Salève; o Grand Salève fica mais à direita e não aparece nesta foto) e, num dia de visibilidade um pouco melhor, os Alpes:

Ali perto fica a Casa Internacional do Ambiente 1, que abriga o escritório europeu do Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente, entre outros organismos da ONU. Na parte dos fundos, a fachada espelhada reflete as imagens do céu e do condomínio residencial vizinho:

Num fim de tarde, fui dar uma caminhada pela orla do lago de Genebra (Lac Léman) para ver se tudo continua como está. Óbvio que tudo continua como está. Em Genebra, faz séculos que tudo continua como está.

O lago, o jato d’água (Jet d’Eau), os barcos…

Na Ponte Mont-Blanc, as bandeiras dos cantões suíços. (Ao fundo, desta vez aparece o Grand Salève, que em 2010 subi de teleférico.)

A Cathédrale Saint-Pierre (Catedral de São Pedro) se destaca no horizonte de Genebra, sobre os edifícios com letreiros de marcas famosas e de luxo – Zurich, Cartier, Louis Vuitton…

No domingo à tarde, o Atul e eu fomos ao Salão do Automóvel de Genebra. Dentro dos enormes pavilhões do centro de exposições Palexpo, logo percebemos que a maior parte da população de Genebra teve a mesma ideia para aquela tarde de domingo:

Vimos desde “banheiras” superluxo (como o Mercedes Maybach, que será lançado em abril de 2015)…

… até uns carros com design futurista (desses, vimos um número menor que o esperado!):

Já me perguntaram se eu curto carros tanto assim. A verdade é que, bem sinceramente, não! Fui mais pela experiência de ir ao famoso Salão do Automóvel de Genebra, já que estava acontecendo bem na semana em que eu estava por lá. Não tive nenhuma coceira de comprar um carro novo, melhor, mais luxuoso. Pelo contrário. Minhas primeiras palavras ao Atul ao sairmos da exposição: “É, acho que eu tenho, mesmo, que vender meu carro…” Já refleti sobre isso há algum tempo e à época concluí que ainda precisava de um carro, mas agora que trabalho de casa estou mais inclinado a vendê-lo. Falta apenas um pouco de coragem.

A noite de domingo terminou na companhia da Marina, uma colega de trabalho argentina que mora em Genebra, e ainda do Atul: fomos a um concerto na Cathédrale Saint-Pierre. O coro de câmara Laudate Deum e a Orquestra de Câmara de Genebra apresentaram a Paixão Segundo São João, de Johann Sebastian Bach.

A Marina comentou que ali perto da catedral fica a casa onde morou o escritor porteño Jorge Luis Borges até o ano de sua morte – e que na casa há uma placa comemorativa. Quis passar pela casa e fotografá-la; segui direitinho as orientações da Marina, mas não tive sorte! (Terei de voltar ali outra vez, com tempo e durante o dia.) Nessa tentativa, mesmo sem querer, topei (de novo) com a placa comemorativa do lugar onde ficava a casa de Jean Calvin – ou João Calvino, reformador que adotou Genebra como sua cidade. (Acabei me lembrando deste post aqui, que escrevi em inglês.)

“Jean Calvin viveu aqui de 1543 a 1564, ano de sua morte. A casa onde ele morava foi demolida em 1706 e substituída pelo imóvel atual.”

A noite de domingo para segunda-feira foi curta – às 5h da manhã estava tomando o rumo do aeroporto, para a viagem a Arusha! Embora corrido, foi ótimo estar de novo em Genebra.

E quem foi observador percebeu que eu não contei nada sobre as atividades do sábado. É que no sábado eu fiz um passeio fora de Genebra… mas essa é outra história.

4 ideias sobre “Do Brasil à Tanzânia… via Suíça?

  1. Pingback: Sábado em Berna | Martin D. Brauch

  2. Pingback: Uma manhã em Amsterdã | Martin D. Brauch

  3. Pingback: Anoitecer em Paris | Martin D. Brauch

  4. Pingback: Em Buenos Aires, com visita guiada ao Céu | Martin D. Brauch

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s