Páscoa Missioneira

O atraso é grande, mas não poderia deixar chegar a Páscoa de 2015 sem publicar algumas fotos do passeio da Páscoa de 2014 com os primos Cris e Fer às Missões Jesuíticas dos Guaranis. As ruínas dos séculos XVII e XVIII foram tombadas pelo Patrimônio Nacional; são também o único sítio histórico do Rio Grande do Sul incluído na lista do Patrimônio Mundial da UNESCO.

Depois da viagem de 500 quilômetros de pura alegria de Porto Alegre até lá, a primeira parada foi em Santo Ângelo – para almoço e café com sobremesa pascoal na Kemper’s Haus, dica (até hoje festejada!) da amiga angelopolitana Renata Lauermann.

Delicioso cupcake da Kemper’s Haus

Dali fomos à Catedral Angelopolitana, construída já no século XX (1929–1971), mas lembrando o estilo do templo da Missão de São Miguel Arcanjo, hoje em ruínas. Está no mesmo lugar da igreja original (1706) da Missão de Santo Ângelo Custódio.

Fachada principal da Catedral Angelopolitana

Detalhes e esculturas da Catedral Angelopolitana

Vitral de Jesus, Maria e José na Catedral Angelopolitana

Visitamos o Museu Municipal Dr. José Olavo Machado (pertinho da catedral) e o Memorial Coluna Prestes (na antiga estação ferroviária) e vimos o Monumento a José (Sepé) Tiaraju, o herói indígena da defesa das Missões na Guerra dos Guaranis. A escultura é de Olindo Donadel.

Memorial Coluna Prestes

Monumento a Sepé Tiaraju, com a frase atribuída a ele – “Esta Terra Tem Dono”

Em São Miguel das Missões, visitamos o Sítio Arqueológico São Miguel Arcanjo, onde ficam as ruínas do templo barroco da principal redução jesuítica, construído entre 1735 e 1745, mas nunca finalizado (ficou faltando a segunda torre – observatório astronômico). Construído todo em pedra grês, foi projetado pelo padre jesuíta Gian Battista Primoli, de Milão.

As ruínas de São Miguel Arcanjo, emolduradas pelo céu gaúcho

As ruínas de São Miguel Arcanjo e a cruz missioneira

Vista lateral da fachada principal das ruínas

Detalhe de uma das colunas da fachada principal

Os arcos da nave principal da igreja em ruínas

No capitel de uma das colunas, abaixo dos ornamentos, o ano: 1739.

Parte superior da fachada principal da igreja em ruínas

Detalhe da fachada principal

A torre, que originalmente continha cinco sinos

Interior da torre

De catedral a ruína

Estátuas feitas pelos índios guaranis, à exposição no Museu das Missões

“Anno 1726” no destaque do sino exposto no Museu das Missões

Os três aventureiros missioneiros

“Tira rápido que não tem muita gente”

Brincando com a função panorama: Cris e Fer, Cris e Fer, Cris e Fer

A fonte missionária, a um quilômetro do sítio arqueológico

O tradicional Espetáculo Som & Luz, que narra a história dos Sete Povos das Missões e da Guerra Guaranítica

Uma ideia sobre “Páscoa Missioneira

  1. Pingback: 95.000 quilômetros | Martin D. Brauch

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s