Honestidade: não tem preço

Lá vou eu falar do transporte coletivo de Bonn. Desculpem, mas fazer o quê? É algo que faz parte da minha vida. Ah, se faz!

Meu esquema aqui com o sistema de transporte é o seguinte (acho que até já contei, mas não custa recapitular, como nas primeiras semanas de aula no ensino fundamental): com um Monatsticket de € 54,30 posso usar todas as linhas de ônibus da cidade quantas vezes por dia e por mês eu quiser. Esse é meu principal interesse, pois tenho de pegar dois ônibus para vir de casa ao Secretariado. Porém, com o cartão também posso usar livremente as linhas de Straßenbahn (que é um trem urbano ou bonde) e metrô (que basicamente é o Straßenbahn subterrâneo), também nos limites da área urbana de Bonn.

O mais interessante é que o sistema confia totalmente na honestidade das pessoas. Não há catracas. Isso é ótimo, porque “catracas” é uma palavra bastante feia, e também porque catracas apatralham a vida das pessoas. O curioso da história é ver as estações de metrô livres de qualquer impedimento à entrada: simplesmente se pode chegar a qualquer estação e entrar no primeiro trem que vier.

O mês está chegando ao fim, assim como o período de validade do meu Monatsticket. No máximo até sexta-feira precisarei comprar outro. Mais € 54,30 – caro pro dinheiro brazuca (que nessas horas pouco tem de real!), mas razoável ou talvez até barato para padrões europeus.

Em tese pode haver fiscalização, e a multa para quem não tem bilhete válido (unitário ou promocional como o meu Monatsticket) é de € 40,00. Eu nunca fui fiscalizado, e além disso sempre ando com ticket válido; o mesmo, porém, não se pode dizer da Yuki.

A Yuki é a personagem principal do meu curso de alemão. Na vinda para o Secretariado, hoje de manhã, eu ouvi no MP3 (sim, aqui é até seguro ouvir MP3 no ônibus!) uma lição de alemão em que a Yuki foi “flagrada” sem ticket em Munique. Na verdade, pobrezinha, ela tinha comprado o ticket, só tinha esquecido de carimbá-lo. Mesmo assim, não teve conversa com o fiscal, e ela teve de pagar a multa, que em Munique acho que é de € 30,00.

Agora preciso correr pra não perder o ônibus – pelo uso do qual, aliás, pretendo continuar pagando, de mês em mês! No Brasil eu provavelmente passaria por trouxa. Diriam que o risco de ser fiscalizado é pequeno, e que valeria a pena correr esse risco. Sou bastante averso ao risco, mas não é só: pra mim, honestidade não tem preço.

Anúncios

3 ideias sobre “Honestidade: não tem preço

  1. Luciana

    Sem dúvida honestidade não tem preço e é realmente impressionante, mas não acredito em honestidade cultural, uma coersão tecnológica assimilada me soa melhor, deve haver algum controle eletrônico sobre o uso do cartão. O binômio necessidade x oportunidade é que define o caráter, antes de estar exposto a esses dois não se pode ter certeza de nada. Abraço. Lu

    Curtir

    Resposta
  2. MDBrauch

    Pois é, Lu… mas realmente não tem controle! Quer dizer, o controle é eventualmente feito por fiscais. É mesmo surpreendente!Agora, quanto ao que disseste sobre necessidade e oportunidade, concordo totalmente. É só nos momentos em que somos testados (e Deus permite ou mesmo coloca essa situações na nossa vida) que podemos realmente verificar nossa integridade.

    Curtir

    Resposta

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s