Post ketchup

Anormalidade total nos últimos dias me impediu de manter a postância (postagem mais constância) de que tanto vinha me orgulhando. Pra evitar meus tradicionais posts retroativos acabo de inventar e já saio aplicando uma categoria nova: o post ketchup. Não, não tem nada a ver com condimento à base de tomate para pôr em pizzas e lanches do Sanata: trata-se na verdade de um post que serve para o leitor “catch up” com minhas últimas novidades, ou seja, pra gente entrar no mesmo ritmo de novo.

A anormalidade a que me referi teve aspectos ruins e bons, mas a cronologia dos fatos (daonde eu tiro essas expressões horríveis?) me força a começar pelos bons. Conforme escrevi no post de sexta-feira, em vez de ir à casa da minha irmã e do meu cunhado, fui a um retiro de um grupo de juventude mirim cristã que eles ajudam a coordenar. O retiro foi num albergue de juventude em Schmallenberg, uma vila muito simpática com estações de ski e casinhas típicas alemãs daquelas que vêm à mente quando se pensa em casinha típica alemã. Uma agradável surpresa na manhã de sábado em Schmallenberg: neve, algo que eu não via desde o Natal do ano passado, na casa dos pais do meu cunhado. Em Bonn que é bom não neva. (Será mesmo possível que não vi neve durante todo o mês de janeiro?! Shocking!) Aí vão algumas fotos pra colorir um pouco o BdG (colorir de branco?!):

O albergue de juventude em Schmallenberg

Schmallenberg vista do albergue

Caminhos nevados ensolarados

Pés na neve, botas limpinhas (homenagem à Fabi)

Embora o retiro tenha sido bom, não descansei muito: jovens de 12 a 14 anos realmente sabem fazer barulho durante a noite. Nos meus 22 me sinto um velho dizendo isso, mas é bem verdade! Também teria sido melhor se eu pudesse me comunicar melhor com a galerinha. Entender as pregações em alemão eu até que mais ou menos entendi, mesmo que às vezes fosse só “no contexto”. Por outro lado a falha não foi só do meu alemão deficiente: não senti na galerinha muita vontade de se comunicar comigo. Enfim, não foi difícil ter em mente que sou um alienígena aqui, na acepção original e jurídica da coisa. Mas no mais foi bom. Ah, sim: sábado à tarde fomos de galera a um parque aquático, o que eu achava que seria um saco (haja pessimismo!), e que acabou sendo ótimo.

Na tal de Rosenmontag, segunda-feira de carnaval, sob muita pressão, saí mais cedo do estágio pra ver o desfile. Nem eu acredito… Acontece que carnaval é culturalmente uma grande coisa na região de Bonn, e foi grande a insistência de algumas pessoas do Secretariado para que eu fosse ver o desfile. Só pra dar uma idéia: um colega da minha supervisora pediu a ela que me liberasse… pode?! Aí eu resolvi agradar a gregos e troianos (ou seja, a galera e a mim mesmo!) e montei uma agenda meia-boca: fiquei no estágio por meio turno, e depois fui ao desfile.

No estágio, assisti a um curso introdutório sobre a biblioteca do Secretariado. Foi uma maneira curiosa (irônica seria a palavra mais correta!) de começar a minha quinta semana de estágio, depois de já ter escrito páginas e páginas do meu paper e de estar em contato constante com a bibliotecária e de ter feito bastante uso da biblioteca… Em seguida, assisti a uma palestra de um funcionário da FAO sobre bioenergia e segurança alimentar. A palestra foi ótima e também serviu pra eu conhecer “the Marshall Room”, a sala histórica na Haus Carstanjen (foto neste post) onde foi assinado o Plano Marshall.

Depois, ao desfile de carnaval… Resumindo: os carros alegóricos vão passando (na chuva, óbvio, porque em Bonn que é bom não neva), e a galera em cima dos carros vai jogando doces pro público, e o público todo fantasiado vai juntando os doces, e bebendo cerveja. Muita cerveja. Tipo, ao meio-dia. Não é que eu me arrependa de ter ido assistir ao desfile; só serviu pra confirmar o que eu já sabia: esse tipo de programa que definitivamente não faz minha cabeça. Nunca gostei de carnaval no Brasil, até porque é uma festa pagã cujo fundamento vai contra os meus princípios, e porque não faço o (estereó)tipo brasileiro-carnaval-samba-caipirinha-futebol.

O que importa, por fim, é que hoje é Mardi Gras (já!?), e amanhã carnaval já era, aliás hoje meio que já era por aqui, e os horários de ônibus de Bonn voltam finalmente ao normal (seja o que isso for). Pronto: liberei todo o meu ácido corrosivo. Sssss…

2 ideias sobre “Post ketchup

  1. Fabiane

    Ah, primo… fiquei emocionada com a homenagem. vou coloca-la no meu blog. aqui, fez frio nos dias do Encotrão (que estava ótimo!), mas agora o calor tropical voltou. bjs, saudades. que bom que existe a internet, assim ficamos informados sobre os amigos. 🙂

    Curtir

    Resposta

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s