A terra do relógio

Primeira semana em Genebra: alguns relatos sobre as primeiras impressões e infelizmente poucas fotos. A cidade é mais tranquila que Nova Iorque, mas meu dia-a-dia, ao contrário, é bastante mais conturbado: com 9h no trabalho mais 1h para ir até lá e outra para voltar, não tem sobrado muito tempo para blogar – e menos ainda para passear.

No sábado passado, quando cheguei à estação de Cornavin em Genebra, já estava à minha espera o Fernando, o senhor português que me aluga um quarto no sótão do seu apartamento. Havíamos combinado que ele levaria uma bandeira suíça e eu, uma brasileira, para nos reconhecermos, já que não nos conhecíamos pessoalmente. Deu tudo certo. Primeiro ele me levou ao apartamento, para deixarmos as malas que quase quebraram minhas costas. Fica em Troinex, um pequeno vilarejo ao sul de Genebra, a poucos minutos da fronteira com a França. A seguir, fomos até a região central de Genebra; caminhamos à beira do lago e subimos até a catedral de St. Pierre. Eram cenas conhecidas para mim, de quando visitei a cidade em 2008.


Brasão – Ville de Troinex

No domingo, acordamos cedo para ajudar a preparar um salão comunitário para um almoço que haveria depois do culto. Em seguida fomos ao culto, na Igreja Evangélica Livre de Genebra, e de lá de volta para o salão. À tardinha fomos novamente à beira do lago para aproveitar o dia lindo que todos diziam que eu tinha trazido do Brasil (sendo que eu estava na Alemanha, onde estava chuvoso e mais frio, mas tudo bem). No fim do dia, fomos ao apartamento da dona Madalena, uma senhora que eu conhecia indiretamente (longa história) e que me colocou em contato com o senhor Fernando, seu amigo.

Assim foi que passei um domingo muito social e agradável. Gostei muito da igreja, mas talvez não seja pra mim: há muitos jovens, adultos com mais de 35, e quase ninguém da minha faixa etária. Ainda terei de fazer um pouco de church shopping.


Lago de Genebra e o Mont Blanc (pico da Europa) ao fundo


Lago de Genebra e o Jet d’Eau (Jato d’Água), marca registrada da cidade

Segunda-feira foi o dia de explorar o território. Saí com o carro que o senhor Fernando se dispôs a me alugar e fui até a International Environment House, o local do meu estágio. Encontrei sem problemas (e sem GPS), embora tenha dobrado na esquina errada duas ou três vezes. Fiz algumas comprinhas básicas no Coop e no Migros, dois supermercados de preços bastante acessíveis, perfeitos para estudantes ou jovens profissionais recém-formados com um orçamento apertado (quem?). Achava que o custo de vida seria bem mais caro, mas já penso que não será tanto.

Menos caro ainda será o custo de vida aqui já que decidi, na terça-feira, passar a usar a tgp – “transports publics genevois”. Demora mais, é verdade, mas é bem mais econômico e sem stress. O trânsito em Genebra é surpreendentemente intenso para uma cidadezinha deste tamanhico e são poucas as vagas de estacionamento na rua sem parquímetro. Usando os ônibus e bondes, não preciso me preocupar nem com trânsito nem com estacionamento e posso usar o tempo de viagem para ler. Ou escrever, como estou fazendo neste instante. (E viva o BlackBerry Notepad!)


Alguém me diga se é possível: na casa que fica bem atrás da minha parada de ônibus (Saussac) aqui na minúscula Troinex moram brasileiros! Com um pouco de esforço se consegue ver as bandeiras suíça e brasileira num mastro (na foto, à direita).

Terça-feira foi o primeiro dia de trabalho no programa de investimento do IISD. Conheci boa parte da equipe e já comecei algumas tarefas. O trabalho é uma boa combinação de pesquisa em direito e política do investimento estrangeiro, o que me deixa bastante satisfeito. Os dias no escritório são longos e, ao chegar em casa, não sobra tempo pra muita coisa. Bem, nem teria muito que fazer na pequena Troinex. No findi (que promete ter bom tempo) é que terei algum tempo para um ou outro passeio.

A parte “what really grind my gears” deste post é dedicada a três aspectos de Genebra. Primeiro: os ônibus não são pontuais. Ok, a maior parte dos sistemas de transporte coletivo que já usei não é pontual. E tudo bem – aprende-se a viver com isso, e pronto. O que me irrita é essa pretensa pontualidade dos ônibus aqui no país do relógio. Segundo: a maioria das lojas fecha às 18h ou 18:30. Vai ver que fui mimado por Nova Iorque… Terceiro: a galera aqui fuma feito chaminé, mesmo (ou principalmente) em locais públicos. Neste ar puro de montanha, isso deveria até ser crime ambiental.

Mas preciso finalizar o post em um tom mais alegre, escrevendo um pouco sobre as coisas de que gostei muito já nesta primeira semana. Genebra é uma cidade linda, com o lago e as montanhas e o verde e as cores do outono. Troinex também – pequena, residencial mas com um ar rural, muito tranquila e silenciosa. Em todos os lugares a água é praticamente medicinal. Inodora, incolor e insípida, como água deve ser, segundo o que a gente aprende no primeiro grau (ou melhor, nem aprende mais no primeiro grau, que agora é ensino fundamental… coisa de velho).

Há queijos de muitos tipos e de muito boa qualidade e com preço acessível. Só pra ter uma ideia: com $1 a mais do que eu pagava em Nova Iorque por dez fatias de queijo mussarela da marca genérica do supermercado (a mais barata!), aqui compro uma peça de 250g de camembert e outra de 250g de brie. Parece mentira, e eu tenho uma tendência ao exagero, mas pode confiar que desta vez estou sendo bastante preciso. Outra coisa que se encontra com alta variedade e qualidade e baixo preço é… chocolate! Bah, não é bom nem pensar, que já fico com vontade de comer chocolate.

Em resumo, acho que a terra do relógio vai conseguir o que a terra do fast food não conseguiu: me fazer engordar.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s