Rajastour, dia 2 (Jaisalmer): Bazaar e Havelis

Depois de um longo intervalo (vamos pular a parte de apontar motivos e ir logo ao que interessa, ok?), volto a contar da viagem à Índia. Eu estava contando sobre meus passeios pelo estado do Rajastão, na série Rajastour 2013.

Os últimos posts foram sobre o primeiro dia do Rajastour, em que fiz a viagem de Mumbai a Jaisalmer via Jodhpur, e sobre o segundo dia, em que visitei o Lago Gadsisar e, em seguida, o Forte de Jaisalmer. Como são muitos os lugares e fotos interessantes, o segundo dia ainda terá dois posts, começando por este, em que contarei do passeio pelo bazaar e pelas havelis de Jaisalmer.

Bazaar é “bazar”, em bom português, mas prefiro usar bazaar porque um bazaar indiano significa algo bem diferente daquilo a que nos referimos com a palavra “bazar”. É uma palavra de origem persa que significa, simplesmente, um mercado ou uma área pública (na rua, mesmo) onde há bancas (às vezes com um aspecto de camelódromo) e lojas dos mais diversos bens e serviços.

Na Índia, os bazaars que conheci (começando pelo de Jaisalmer) são bem característicos, porque exemplificam traços da vida urbana indiana: o caos (gente olhando, comprando e vendendo; produtos expostos à venda por todos os lados), pechincha (tanto no sentido de preço baixo quanto no de negociação para chegar lá) e diversidade (de produtos e esquisitices).

Vi tanta coisa que não duvido de que se possa encontrar de tudo, mas há destaques evidentes: têxteis, temperos e… quinquilharias industrializadas (o aspecto camelódromo que mencionei).

Bazaar em Jaisalmer: de tudo um pouco, principalmente têxteis
Segundo o guia turístico, bigode para cima + turbante colorido = hindu
Segundo o guia turístico, bigode para baixo + turbante branco = muçulmano
Pessoas, têxteis, comércio, caos
Banca de venda de hortaliças, legumes, verduras

Para terminar o passeio, visitei algumas das famosas havelis de Jaisalmer: são palacetes construídos principalmente no século XIX (embora ainda se encontrem havelis construídas recentemente, seguindo o mesmo estilo das mais antigas).

Os principais destaques das havelis são os jalis, sobre os quais já contei em outro post: as belas telas de treliça de pedra esculpidas no arenito. Elas protegem do sol forte, mas deixam entrar a brisa do deserto; também permitem que as mulheres muçulmanas vejam o movimento da rua sem ser observadas.

Estátua de elefante esculpido em arenito, em frente à Nathmalji Ki Haveli
Nathmalji Ki Haveli decorada para um casamento
Entrada da Nathmalji Ki Haveli
Detalhe da Nathmalji Ki Haveli
Cômodo dentro da Nathmalji Ki Haveli
Cottage Gallery, onde fiz uma paradinha para comprar algumas lembranças em pashmina
Chegando à Haveli Patwon Ki pelas ruas estreitas
Fachada principal da Patwon Ki Haveli
Havelis com sacadas projetadas sobre as ruelas
Detalhe da Patwon Ki Haveli
Bigodão
Para o almoço tardio, Ker Sangri (feijão do deserto com alcaparras) e naan de manteiga

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s