Ação individual = solução global

Conforme prometi no último post, aí está a “redação superbásica que garantiu minha seleção no concurso para a conferência do clima. Meu desafio é que alguém se atreva a dizer que há nela algo de extraordinário.” E não é um desafio retórico! (Risos)

Não é fácil correlacionar problemas mundiais, como efeito estufa e mudanças climáticas globais, por exemplo, e atividades de um só indivíduo. Por outro lado, não é difícil perceber que é através de ações individuais que se prejudicam populações inteiras. Todos são responsáveis por esses problemas, em grande ou pequena escala, e, por isso, devem contribuir para a criação de soluções, de maneira que o ambiente global não seja afetado e que a continuidade das espécies animais e vegetais, as quais a humanidade deve proteger, seja garantida. Mas como se pode ajudar?

O efeito estufa é um provável aumento da temperatura média da Terra em função do crescimento da concentração de certos gases (como vapor d´água, gás carbônico, metano e clorofluorcarbonos) que evitam a liberação da energia adquirida através dos raios solares. Esse aumento de temperatura poderá causar derretimento de geleiras, aumento do nível do mar e inundação de cidades costeiras. Um exemplo de ação simples que se pode tomar para melhorar esse problema é diminuir o consumo, de forma a evitar desperdícios. O estilo de vida que lamentavelmente é tido como modelo é aquele de que desfruta a maioria dos habitantes da América do Norte e da Europa Ocidental, baseado essencialmente no consumo de produtos que, muitas vezes, são caros à natureza, como a energia elétrica. Segundo o Greenpeace, a produção e o consumo de energia são responsáveis por 57% da liberação de gases de efeito estufa. Os países norte-americanos e alguns da Europa Ocidental, apesar de representarem apenas 6% da população mundial, possuem um consumo de energia per capita muitas vezes maior que o da maioria dos países subdesenvolvidos, que representam 64% da população mundial.

Nos países desenvolvidos e também nos subdesenvolvidos em fase de industrialização, as emissões de gás carbônico causam espanto: ultrapassam, a cada ano, três toneladas por habitante. As principais causas dessas liberações excessivas de gás carbônico e de outros gases estufa, na ordem de importância e depois das atividades relativas à energia, são: o uso de CFCs e de fertilizantes, o desmatamento através de queimadas e as atividades industriais. Além do aumento da fiscalização, evitando as queimadas, o uso da tecnologia é um dos meios de se chegar às soluções, visando produzir energia e combustíveis menos poluentes, reduzindo a emissão de gases e aprimorando as atividades agrícolas. Convém salientar-se que a adesão ao transporte coletivo contribui para diminuir a poluição, uma vez que reduz a circulação de veículos menores.

Enfim, diante desses fatores, as pessoas devem ainda se perguntar: “O que fazer, então?”. Negar a culpa parcial que se tem pelas dificuldades que uma população ou mesmo o mundo inteiro enfrentam equivale a injustamente isentar-se da responsabilidade de ajudar. A palavra-chave para tudo o que foi exposto é: participação. O melhor que se pode fazer é manter-se informado sobre as atividades do Greenpeace e do Painel Intergovernamental de Mudanças Climáticas, sobre as notícias relativas às soluções até agora encontradas, bem como participar ativamente de campanhas pró-natureza e exigir dos governantes e industriais o respeito às leis ambientais. É, pois, através de ações individuais e de iniciativas regionais que se terá a solução dos problemas climáticos de âmbito global.

Anúncios

4 ideias sobre “Ação individual = solução global

  1. Angélica

    Algo de extraordinário: domínio / conhecimento do assunto :P;) mto boa a redaçãoQto a “adesao ao trasporte coletivo”: eu fico de kra qdo eu digo isso e ngm dá bola :/Martin.. conta como foi lá na conferência.. surgiu alguma solução “rápida”? acho q estamos precisando 😛

    Curtir

    Resposta
  2. climabrasil

    Bom, né, eu estudei pra escrever a redação! 😛 Mas é preciso admitir que qualquer pessoa pode fazer isso.Sim, sim, quanto ao transporte coletivo, isso também acontece direto comigo. Eu só não uso mais o ônibus (tenho ido de ônibus para o Direito) porque o sistema pelotense não é muito eficiente (pegar ônibus daqui do Areal para o ICH é simplesmente um atraso!)Olha eu aí, cruzando os assuntos dos blogs! 😛 (Para mais informações sobre mudanças climáticas, visitem: http://climabrasil.blogspot.com). Mas, NÃO, não há soluções “rápidas” em conferências do clima. Todo o processo de negociação é tediosamente lento e esbarra em interésses 😛 de alguns países-chave. Há, porém, pontos de luz ao fim do túnel – mas pra ler sobre isso, visitem o blog climabrasil. 😉

    Curtir

    Resposta
  3. Gabriela Zago

    (comentário sobre os comentários acima: comentário temático? 😛 hehe)o texto está muito bem escrito, e dá para ver por ele que realmente dominas/dominavas o assunto 🙂 o importante é que soubeste aproveitar a oportunidade 🙂

    Curtir

    Resposta

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s