Vive la France ! e outras aleatoriedades

Todo ano o 14 de julho me chama a atenção; não sei por quê. E em seguida me lembro de que 14 de julho é le quatorze juillet, a Fête Nationale da França, equivalente ao nosso sete de setembro. Já que este é o Ano da França no Brasil, só um lembretinho de que hoje, na França, é o Dia da França. Vive la France !

Ontem, dia que na França foi le treize juillet e que aqui foi treze de julho (tá, e daí?), recebi a notícia de que não fui aprovado na dinâmica de grupo da Seleção de bolsa número 2. E nem dei bola.

Incrível como uma notícia desagradável como essa (o fracasso – depois de investir tempo e dinheiro em inscrição, deslocamento até Porto Alegre etc.) pode simplesmente não ter tido impacto nenhum. Foi assim: abri meu gmail, li a mensagem, “tá”, e passei pra outra mensagem. Acho que a minha falta de reação se deveu a que, no fundo, eu já sabia.

A estrutura do e-mail veio no formato sanduíche (no qual eu ouvi falar pela primeira vez graças ao Leo Monasterio):

“Obrigado por participar no processo seletivo…”
[blablablá preambular, agradável, em tom de elogio]

“Infelizmente [preciso dizer mais?]…”
[conteúdo do sanduíche: a notícia ruim transmitida]

“Desejamos sucesso em seus projetos…”
[blablablá final em tom simpático]

Previsível. Quando se escreve só por educação, melhor a objetividade. Como na minha resposta:

“Obrigado pela sua mensagem e pelo seu desejo de sucesso.”

E que o Papai do Céu me ajude a ter sucesso sem bolsa.

You know what really grinds my gears? Essa gente (crianças, ou adultos abobados) que toca a campainha e sai correndo. Isso me dá muito nos nervos, especialmente quando eu estou sozinho em casa e tomando banho, como me aconteceu hoje.

Sabe essas brincadeiras de criança que quando criança a gente acha o máximo e que depois de adulto a gente reprova? Pois é: essa não é uma delas, porque nem quando criança eu gostava. Eu me lembro vividamente de um dia em que a gurizada da vizinhança queria fazer isso na casa de um dos vizinhos, e eu fui contra. Sempre eu, o certinho…

Talvez, se eu não fosse o certinho, teria um pouco de malícia, e com isso teria ganhado a bolsa, e teria passado o quatorze juillet comemorando. Ah!, se eu pudesse viver minha infância de novo, sem dúvida eu seria de novo o certinho da gurizada.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s