O vigor da minha juventude

Sempre tive muito pique, iniciativa. Vivo envolvido em diversas atividades. No ano em que estudava para o vestibular, dava aulas de inglês, regia um coro de música sacra e participava de eventos sobre mudança climática – cheguei a ir ao Rio duas vezes para isso. Tudo era perfeitamente conciliável com os estudos.

Depois que passei no vestibular e (que sacrilégio!) fiz o supletivo, comecei a estudar Direito e Jornalismo. Mas como eu queria porque queria meu diploma do CEFET-RS, continuei fazendo o ensino médio lá. Sim: Direito todas as manhãs, ensino médio todas as noites e, um dia por semana, uma longa viagem a Porto Alegre para cursar Lingüística no Jornalismo da UFRGS (quatro horas pra ir, duas horas de aula, quatro horas pra voltar). Continuei “ativista”.

Entrei de cabeça na Academia. O primeiro ano no Direito serviu para o meu verdadeiro encontro com as ciências humanas – eu estava no lugar certo! Minhas aulas na UFRGS, especialmente nos primeiros semestres, foram um contato com uma realidade incrível! A conclusão simultânea do ensino médio não foi tão emocionante… mas, no fim, eu fiz um discurso de orador de turma que talvez tenha sido o mais polêmico da história do CEFET-RS!

Não me resta dúvida: a correria valeu a pena. Eu continuo cheio de atividades, mas, não sei por que, não é mais a mesma coisa. Talvez falte um pouco da emoção do início: a novidade dos cursos universitários, a aventura da viagem semanal a Porto Alegre, a ousadia de um discurso inesperado e surpreendente.

Hoje, eu me sinto com sono, por vezes desmotivado e cansado. É difícil levantar da cama, algumas vezes, para ir assistir a uma aula desmotivante. As tardes passam voando e nem sempre consigo fazer tudo o que gostaria de ter feito – muitas vezes fico restrito ao que preciso fazer. Em semana de prova, principalmente, fico preso aos estudos e não consigo fazer o que é importante para mim – ler a Bíblia, ver e falar com minha família e meus amigos, escrever no blog, tocar flauta…

Não, não passou o vigor da minha juventude. Eu ainda tenho o vigor; continuo envolvido em um sem número de atividades. O problema é que, às vezes, as situações que o mundo impõe não me são muito favoráveis, não me interessam tanto como no passado.

Concluo afirmando minha consciência de que essas angústias são passageiras, repousando minha confiança em Deus. “Ele dá força ao cansado” (Isaías 40:29). Por fim, é preciso aprender a deixar no passado as coisas que já não cabem mais ou que pertencem ao passado e não mais ao presente. Isso é entender de fato que há tempo para tudo (Eclesiastes 3:1-8 – sugiro fortemente a leitura da passagem completa!):

Para tudo há uma ocasião certa;

há um tempo certo para cada propósito debaixo do céu:

Tempo de nascer e tempo de morrer,

tempo de plantar e tempo de arrancar o que se plantou,

tempo de matar e tempo de curar,

tempo de derrubar e tempo de construir,

tempo de chorar e tempo de rir,

tempo de prantear e tempo de dançar,

tempo de espalhar pedras e tempo de ajuntá-las,

tempo de abraçar e tempo de se conter,

tempo de procurar e tempo de desistir,

tempo de guardar e tempo de jogar fora,

tempo de rasgar e tempo de costurar,

tempo de calar e tempo de falar,

tempo de amar e tempo de odiar,

tempo de lutar e tempo de viver em paz.

Uma ideia sobre “O vigor da minha juventude

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s