Arquivo da categoria: vida acadêmica

Manual de Sobrevivência na Universidade: Da graduação ao pós-doutorado

Ele poderia escrever (ainda mais) sobre Economia Regional, Desenvolvimento Econômico, História Econômica. Ou poderia escrever um livro de ficção científica para a coleção O Guia do Mochileiro das Galáxias. Mas o livro que Leo Monasterio decidiu escrever, que eu li há uns dois meses e que vou hoje finalmente comentar é o Manual de Sobrevivência na Universidade: da graduação ao pós-doutorado, um guia para que “você evite os piores erros, aproveite as oportunidades e, no fim das contas, até curta o mundo acadêmico”.

Quando eu era graduando em Economia, tive o privilégio de ter o Dr. Leo Monasterio (ele fez pós-doutorado, mas lembrando, como ele mesmo ensina no livro: pós-doc não é título!) como orientador de projetos de iniciação científica. Foi dele que recebi o convite para criar minha conta no Gmail (sim, porque no início era só por convite, para quem não sabia ou não se lembrava!). Foi também ele que me inculcou a necessária neurose de fazer backups. Foi o primeiro professor que me provocou a planejar a carreira e me ajudou nisso.

Assim, tive o privilégio de receber muitas das dicas do livro uns sete anos antes de seu lançamento. Ao ler o livro, fiquei pensando em quantos colegas perambulavam pelo mundo acadêmico, porque não tinham dicas assim, e em como a vida acadêmica deles teria sido mais fácil se tivessem lido um livro como o Manual. Também fiquei pensando em como tê-lo desde o início da graduação teria evitado diversas inseguranças minhas.

Escrever os capítulos do livro como verbetes em ordem alfabética ficou, como o próprio autor reconheceu, esquisito. Mesmo assim, ler o livro de ABNT a Zotero é bem mais prazeroso que ler um dicionário. Eu, com toda a minha paciência, já tentei ler um dicionário (!), e não tive paciência. O Manual eu li numa sentada. O texto vai direto ao ponto, preza pela relevância e é sempre bem-humorado como o autor (rir alto ao longo da leitura é inevitável em alguns pontos). É uma leitura leve.

Como teria mesmo de ser, muitos verbetes são metodológicos: tratam da elaboração de projeto de pesquisa até a apresentação de um trabalho acadêmico em um congresso ou diante de uma banca e sua publicação por uma revista especializada. O primeiro verbete já assusta um pouco: ABNT. Mas a abordagem é realista e conciliadora:

Se você não tem distúrbio obsessivo-compulsivo, as normas da ABNT parecerão criadas por alguém que precisa de socorro psiquiátrico. […] Mas as normas têm sua razão de existir. As normas da ABNT impedem que outros malucos inventem seus próprios jeitos de apresentarem seus textos.

Nenhum dos verbetes é academicista, naquele sentido chato (existe outro?). Pelo contrário, todos são muito práticos. Afinal, é um Manual de dicas, não um livro de regras. Há verbetes sobre como escolher bem o orientador, preparar uma boa revisão de literatura e um bom resumo (abstract), usar gráficos e tabelas com elegância e sem estardalhaço, lidar com a rejeição de trabalhos enviados à publicação.

Leo Monasterio também é blogueiro e incluiu no Manual um verbete sobre Blogs (junto com redes sociais). Ele reconhece que um blog tem vantagens (“torna você conhecido no seu mundinho” e “lhe dá prática de escrita e disciplina” ) e desvantagens (“é o desperdiçador de tempo perfeito”). No mesmo sentido, o Manual contém também um verbete sobre a vilã Procrastinação, que todo acadêmico e trabalhador intelectual deveria combater.

Termino com duas citações de um dos meus verbetes preferidos, Escrita, porque nele a influência das ideias de McCloskey sobre redação é evidente, pelo enfoque na necessidade de clareza, fluidez, revisão, reescrita. O próprio Leo Monasterio foi quem me recomendou a leitura do livro dela, Economical Writing, e depois me contou que evitou relê-lo ao preparar o Manual, para evitar “contaminação”.

  • Tenha um leitor cobaia da sua área. Se ele não entendeu o texto, a culpa é sua. Repetindo: a culpa é sua. Reescreva o texto.” Qualquer semelhança com o escrito por McCloskey e citado no meu último texto não é mera coincidência: “Se o leitor acha que o que tu escreveste não está claro, então não está, por definição. Desiste de discutir.“.
  • Fingir profundidade com frases longas e palavras obscuras ou vagas funciona com uns figurões de algumas áreas das ciências humanas. Para mim, os textos dos grandes ‘intelectuais’ só fazem com que os meus fusíveis mentais rompam na tentativa de proteger a minha cabeça. Isso gera sono ou o desejo de incendiar o livro. Esses figurões alcançaram tanta importância que os leitores suam para entender aqueles parágrafos incompreensíveis. Como você não tem esses seguidores, o jeito é ser bondoso com o leitor e se esforçar para tornar a leitura o mais fluida possível.” É o que eu muito gostaria que fosse assimilado por certos colegas meus, juristas, que transitam no limite tênue entre a pompa e o pedantismo.
Anúncios

Autêntico genevois

As duas primeiras semanas em Genebra passaram rápido! Se por um lado parece que foi ontem que cheguei aqui, por outro, já me sinto um autêntico genevois. Até parece! Mas pelo menos não fico me perdendo por aí, não me sinto um alienígena no escritório, nem tenho a impressão de estar cercado de desconhecidos (mesmo quando de fato estou) – em suma, não tenho sofrido nenhuma dor de adaptação. Pode ser que esteja ocupado de mais com trabalho pra pensar na vida ou que esteja aprendendo a me adaptar mais facilmente. Também pode ser mais um sinal de que Deus é comigo sempre. Mas acho mesmo que é uma feliz combinação desses três fatores e talvez mais alguns.

Uma pergunta legítima do leitor deste blog poderia ser: “mas afinal de contas, o que esse Guri faz em Genebra?” Esse Guri ensaia uma resposta, então, e segue falando de si próprio em terceira pessoa, o que ele acha uma tolice qualificada, mas, obstinado do jeito que é, agora que começou não vai conseguir parar. Então lá vai.

O Guri participou, quando ainda mestrando em Direito Internacional, de um processo de seleção de cinco International Law Fellows da turma James Madison (2010) do Mestrado em Direito da New York University. Contemplado com uma das bolsas, veio fazer um estágio no escritório europeu do Programa de Investimento e Desenvolvimento Sustentável do International Institute for Sustainable Development (Instituto Internacional do Desenvolvimento Sustentavel), uma organização com sede em Winnipeg, Canadá.

E basta de terceira pessoa.

Nessas primeiras semanas, tenho lido e feito relatórios de laudos arbitrais de disputas internacionais entre investidores, de um lado, e Estados soberanos, de outro – em particular, Estados Membros da União Europeia. O trabalho é bem juridico e tem tudo a ver com Direito Internacional, o que me deixa bastante satisfeito e motivado. Ainda melhor, um dos relatórios que escrevi foi em formato menos jurídico e mais jornalístico (e portanto menos aburrido!). Também ajudei um colega de trabalho fazendo uma tradução para uma pesquisa em Economia. Direito, Economia, Jornalismo e Tradução – taí um mix que muito me agrada.

Mas, por fim, nem só para o trabalho vive o Guri (que por deslize volta para a terceira pessoa mas já a abandona de novo). No sábado caminhei pela Vielle Ville (o centro antigo de Genebra) e fui ao Museu Internacional da Reforma. No domingo fui ao culto na International Christian Fellowship, a continuar meu church shopping por aqui. E na terça-feira à noite ainda fiz algo digno de findi: jantei na Crêperie des Pâquis com a Sravya, uma ex-colega da NYU que veio a Genebra para um evento de direitos humanos.

Mais maio

Cá estou de novo, postando retroativamente. Não dá. Não consigo evitar. Essa história de “momentos inesquecíveis” infelizmente não funciona bem assim pra mim. Tenho memória fraca – e, como já disse em alguma outra oportunidade aí pelo blog, admitindo ser verdade o que minha irmã Lu disse uma vez –, o Blog do Guri meio que funciona como uma extensão da minha memória. É praticamente um diário online (ou, ultimamente, um quinzenário online!). Preciso escrever e fazer uma seleção adequada de fotos pra um dia voltar aqui e poder relembrar os eventos e as imagens que a minha mente conturbada (e prejudicada pelo bombardeio tecnológico da minha geração… haha) um dia vai acabar esquecendo.

Desta vez – talvez mais do que nunca! – as novidades são muitas. Portanto, advertência preliminar: o post vai ser longo. Muito. Mas, pra quem se importa com o que tem acontecido comigo nesta aventura nova-iorquina, eu garanto que vai valer a pena ler até o fim. Pra quem não se importa, melhor nem começar. (Bah, será que isso ficou grosseiro demais? Só quero poupar o tempo do leitor desinteressado.)

Nesses posts retroativos eu procuro evitar as listas cronológicas de eventos, mas, mais uma vez, aqui vai ser difícil evitar essa forma de organização. E não é por preguiça de fazer uma síntese decente, não: é que tanta coisa aconteceu! Cada dia destas últimas semanas foi cheio de atividades e coisas boas pra lembrar pro resto da vida. Paro pra pensar e não consigo listar um só momento que eu gostaria de esquecer, o que é bastante surpreendente – ainda mais pra alguém normalmente tão negativo como eu… Será que mudei um pouquinho? Pode ser, mas isso é discussão pra outro post (talvez ainda mais gigantesco que este – e eu nem comecei ainda e o negócio já tá tomando volume…). Vamos ao trabalho.

(Só pra manter meu estilo parentético e metadiscursivo, vejam só o que “9 anos compactos” de estudos jurídicos (especialmente o último aqui, no estilo norte-americano) fizeram comigo: preparei um esboço – tipo sumário – do post, dia por dia, com tudo o que aconteceu e sobre o que quero escrever aqui. Bah, acho que o estudo do Direito só agravou minhas neuroses.)

9 de maio

A última vez que escrevi foi na madrugada do dia 9 de maio, domingo, Dia das Mães! Assim que acordei, fui buscar um arranjo comestível que minha irmã encomendou para minha mãe (Dia das Mães, já disse) e me fui pro meu novo quarto em Roosevelt Island. Aluguei o quarto já a partir do início do mês de maio e, como fiquei até o dia 16 nos dormitórios da universidade, meus pais ficaram no meu novo apartamento durante os sete primeiros dias deles aqui em Nova Iorque (de 9 a 16). Uma boa economia de contas de hotel, podem acreditar!

Assim que pousaram no JFK, foram direto pra lá, onde eu os esperava com o arranjo comestível e uma ideia fixa: íamos ao culto. E pronto. Coitadinhos… preciso dizer que fiquei com um pouco de pena. Afinal, essa viagem do Brasil até aqui é cansativa. Com o trecho de avião e as esperas nos aeroportos e as 8 ou 9 horas de voo, a odisseia dura praticamente um dia inteiro. (Essa frase foi difícil de escrever, hein: o processador de texto insiste em pôr acento em “voo” e “odisseia”!) Acontece que eu vinha dizendo havia semanas para os meus amigos na igreja que meus pais chegariam no dia 9 e que eles iriam comigo ao culto. A pena pela viagem cansativa dos meus pais foi menor que a vontade de colocar em contato dois mundos até então completamente desconexos: meus pais, de um lado, e meus amigos da igreja, de outro!

Foi um contato explosivo. Pra começar, meus pais não falam inglês, e ninguém na minha igreja fala alemão ou português. Minha primeira tarefa, portanto, foi traduzir todo o culto – umas 10 ou 12 páginas de palavras-chave da mensagem principal do culto no caderninho de anotações da minha mãe. (O Pastor Steve, que deu a mensagem aquele diz, disse depois, “ah, então era isso que estavas fazendo… achei que estavas fazendo dever de casa durante o culto” – disse brincando, claro.) Depois, muitas apresentações e momentos ligeiramente incômodos, mas ainda assim divertidos – quando, por exemplo, eu tinha que traduzir alguns elogios que meus amigos queriam fazer a meu respeito para os meus pais. Fui um tradutor fiel, mesmo traduzindo em causa própria!

A diversão continuou quando saímos para almoçar no DoJo, um dos meus restaurantes preferidos de domingo – por causa da comida vegetariana e do preço razoável e principalmente das lembranças de almoços pós-culto. Meus pais, quatro amigos – Lydia, Kyle, Misako e Ryan – e eu. Fora a Misako, que se virou em espanhol com meus pais e em inglês com os demais, estava eu de tradutor simultâneo entre os anglófonos e os brazuca-lusófonos. O melhor, indubitavelmente melhor, foi quando o Kyle teve a brilhante ideia de sugerir um tópico para meus pais: histórias embaraçosas da minha infância. Todos acharam ótima a ideia, claro. E eu, “sim, né, e vocês querem que eu traduza isso?”

Mas não teve volta. A mãe e o pai contaram – e eu traduzi – de quando eu, ainda bebê, não parava de chorar e por isso ficava sem respirar (numa progressão de vermelho a roxo), até que o pai descobriu que me pôr no carro e dirigir pela cidade era o melhor remédio. Contaram de quando me perdi num evento da igreja, aos 4 ou 5 anos de idade, e por um tempo depois disso não queria mais ir ao culto infantil por causa do trauma. Contaram de quando, aos 7 ou 8 anos de idade, uma enfermeira de um consultório pediátrico não conseguia achar minha veia no braço para um exame de sangue e acabou tirando sangue de uma veia do meu pescoço (claro que ela teve que quase que me amarrar pra conseguir fazer isso!) – e um tempo depois, indo com o pai para uma agência bancária que ficava no mesmo prédio do consultório, eu estanquei o pé no meio do caminho e disse, “pensando bem, acho que não quero ir contigo ao banco, pai”. No fim das contas estava eu lá – “ah, lembram daquela vez…” –, lembrando meus pais de mais histórias bobas que eles podiam contar sobre mim.

Deu pra perceber que todos se comunicaram muito bem e se divertiram bastante juntos; um pouco às minhas custas, mas não me importei, mesmo! Quando saímos do restaurante e cada um foi para o seu lado, meus pais me diziam o quanto gostaram de conhecer meus amigos e de confirmar o meu bom gosto para amizades – e meus amigos me mandavam torpedos dizendo o quanto tinham gostado de conhecer meus pais e de indiretamente me conhecer ainda melhor através deles.

Almoçados e divertidos, meus pais e eu fomos do Village para Roosevelt Island, devorar – sobremesa! – o arranjo comestível (!) e instalar meus pais propriamente no quarto.

Mamis e papis na cozinha do apartamento em Roosevelt Island

Atacando o arranjo comestível

10 de maio

Na segunda-feira, mesmo com meus pais na City, tive que deixá-los um pouco de lado para trabalhar na minha última prova take-home Investment Disputes in International Law. Durante a manhã, procurei refúgio na biblioteca para preparar a prova; à tarde, um intervalinho de almoço de 3,5 horas (!) com meus pais e os amigos Danielle e Conrado no “Vegetariano” (Vegetarian’s Paradise). À tarde, fiz um plano de passeio para meus pais – uma caminhada pela Broadway sentido downtown – e segui trabalhando na prova o resto do dia…

11 de maio

… Até que, às 3h da madrugada, digitei as palavras mágicas “End of Exam” na minha prova de Investment Disputes e fui dormir. Acordei cedinho, porque pouco antes das 9h meus pais já estavam no D’Ag para irmos juntos a um café-da-manhã de formatura (Commencement Breakfast) oferecido pelo departamento de estudantes e pesquisadores estrangeiros da NYU, só para esses estudantes e seus convidados. Fomos uns dos primeiros a chegar lá, por volta das 9h. O dia estava maravilhoso e o evento foi no décimo andar do Kimmel Center (um centro de convivência e eventos da NYU), que tem uma vista particularmente especial do Washington Square Park e da cidade em geral. Foi uma das refeições mais decentes que a NYU já ofereceu (!): um café-da-manhã americano completinho, com frutas, ovos mexidos, cereais, café (óbvio), diversos tipos de sucos, pães, croissants e outros artigos de padaria… Além disso, claro, a vantagem de estarmos entre os primeiros: sentamos numa mesa com vista para o parque e pertinho do quarteto de jazz – ah, New York…

Washington Square Park + NYC skyline

À tarde, fiz o mesmo que na véspera: um plano de passeios para meus pais; desta vez, uma caminhada pelos parques próximos ao campus da NYU (Washington Square Park, Union Square, Gramercy Park, Madison Square Park) e terminando no Empire State Building. Enquanto isso, revisei e enviei definitiva e irreversivelmente (ótimo que seja irreversível, porque do contrário eu nunca terminaria de revisar e trevisar) minha prova de Investment Disputes. Pronto, menos um item na lista! Só ficou faltando, então, o meu “terço de paper” (trabalho em trio) para Climate Change Policy, que resolvi terminar na semana seguinte, depois das cerimônias de formatura. (Sim, porque aqui a gente se forma e depois ainda pode ter trabalhos, provas… vai entender.)

A estratégia funcionou perfeitamente, porque meus pais voltaram da caminhada às 16:30, quando eu já tinha conseguido terminar a prova, para podermos ir juntos ao Grad Alley da NYU. É uma espécie de carnaval ou festival de rua que a NYU oferece em homenagem aos formandos de toda a universidade, com músicas, jogos, malabaristas, além de banquinhas de lanches, sorvete, algodão doce, passeios de carruagem pelo Village – tudo com acesso liberado e gratuito para o formando e dois convidados.

Grad Alley

O dia foi longo e puxado. Meus pais, depois do Grad Alley, voltaram para Roosevelt Island. Eu voltei ao meu dormitório para, acreditem, passar (com steamer ou vaporizador) a toga de formatura para o dia seguinte. Palavra de honra: concluir o mestrado foi fichinha perto dessa tarefa.

12 de maio

Dia dos Commencement Exercises: a grandiosa cerimônia de formatura de toda a universidade no estádio dos Yankees, no Bronx. Fomos todos premiados pela meteorologia: uma chuva murrinha e temperatura em torno de 8 graus Celsius. Uma semana antes (5/5), estava comemorando meu aniversário com um piquenique primaveril no Central Park; de uma hora pra outra, parece que fomos transportados ao auge do outono pelotense! Azar do Valdemar: Commencement acontece faça chuva ou faça sol.

Acordei cedinho, vesti a toga e encontrei meus pais e a Misako na frente do prédio dos dormitórios. Fomos de metrô até o Bronx; mais ou menos meia hora no D. Lá, logo nos dividimos: meus pais e a Misako entraram por um portão e eu, por outro. Eles conseguiram entrar logo, mas eu tive que esperar, junto com vários outros formandos, numa fila bastante grande. Milhares de formandos. Só pra lembrar, a NYU é a maior universidade particular dos EUA, com 40.000 alunos. Formandos esperados na cerimônia: uns 5.000.

Agora, falando em acontecimentos aleatórios, o melhor do ano até agora – e posso dizer com segurança –, aconteceu na fila para entrar no Yankee Stadium. Estava ali, naquela murrinha frígida, de toga de doutor (os cursos jurídicos aqui se formam com a toga de doutorado) e guarda-chuva, sentindo as pontas dos pés gelarem dentro do sapato… e tão sozinho quanto é possível estar sozinho no meio de uma multidão. Como fui pra lá com meus pais e minha amiga, no fim das contas não fiquei na companhia de nenhum colega; acabaria encontrando-os só lá dentro, porque nossos lugares estavam, claro, reservados em uma mesma área do estádio.

Nisso se aproximou de mim alguém que eu não conhecia até então. Estava vestido também de toga de doutorado. E me disse (em inglês, claro), “vamos ver, chutando… és da Faculdade de Direito? Posso esperar na fila contigo?” E eu, “sou, sim; claro, entra aí!” (A fila, detalhe, não era do tipo que outras pessoas se importariam com “furos” – todos acabariam entrando, invariavelmente, assim que abrissem os portões. Então, sem problemas.)

Fomos conversando. Apresentou-se como Lev (um nome que não me era de todo estranho). Também da Faculdade de Direito. Também do mestrado. Também estudante estrangeiro. Também do programa de International Legal Studies… que não é tão grande assim; umas 100 pessoas, talvez. Peraí – como é que não nos conhecíamos? Descobrimos que fizemos umas três ou quatro disciplinas juntos (inclusive a de Investment Disputes, essa da prova que tinha terminado na véspera) – e nunca sequer nos vimos em aula ou nos corredores, nem trocamos uma palavra. Depois de nove meses de mestrado, fomos nos conhecer por pura coincidência no dia da formatura! Aproveitando a vantagem de estar (como narrador) umas semanas adiante, posso dizer: um dos meus melhores amigos aqui.

Vencida a fila, a cerimônia! Ficamos – o Lev e eu – na parte bem da frente da área reservada aos formandos da Faculdade de Direito, o que nos garantiu uma vista praticamente livre da cerimônia (não fosse pelo guarda que estava à minha esquerda… um pouco irritante, mas ok). Dali vimos “a banda passar” (com direito a tambores e gaitas de foles), mas também passaram professores das várias faculdades, estudantes carregando as insígnias das respectivas faculdades, convidados de honra (inclusive o nosso orador convidado, Alec Baldwin, ex-aluno de Teatro da NYU). A banda e o glee club da NYU interpretaram New York, New York (vídeo meu!) bem ali na frente… foi de arrepiar, no melhor sentido possível.

Yankee Stadium, NYU Commencement 2010

Lev e Guri

NYU Law!

Alec Baldwin

Terminada a cerimônia, metrô de volta para o Village. Recebi muitos cumprimentos andando pela rua – a sensação de andar pela cidade de toga tem o seu componente “mico”, mas também é uma experiência divertida e, por que não, de certo orgulho. Afinal, entrar na NYU não foi mole, sair dela também não: comemoração e “mico” conquistados e merecidos. Fomos almoçar na Otto Enoteca, um restaurante de que gosto muito (e que tem o endereço mais memorável da City, na minha opinião: 1 5th Ave – não tem como competir). Lá encontramos Sue e Tom, os pais do meu cunhado James, que vieram do norte do estado de Nova Iorque, se bem que não para a formatura em si, mas para comemorá-la comigo e com meus pais. Queríamos fazer passeios à tarde, mas o chuvisco e o tempo curto da Sue e do Tom na cidade acabaram forçando uma simplificação. Fomos à Biblioteca Pública e à Grand Central, de onde eles já pegaram o trem de volta pra casa.

Empire State visto da Biblioteca Pública

13 de maio

O dia intercerimônias (entre o Commencement de toda a NYU e a Convocation da Faculdade de Direito) foi o de maior rendimento, eu acho. Meus pais chegaram lá pelo meio da manhã ao meu prédio, de onde saímos e pegamos um metrô até City Hall. Dali, atravessamos a ponte do Brooklyn a pé e fomos até o passeio do rio (promenade) em Brooklyn Heights, de onde se tem uma vista muito bonita de Manhattan, especialmente do Distrito Financeiro.

Brooklyn Bridge

Brooklyn Heights Promenade

Enquanto caminhávamos no passeio do rio, o Ryan me mandou uma mensagem para combinar definitivamente o que já vínhamos alinhavando desde o domingo: uma visita “com desconto da casa” ao Radio City Music Hall, onde ele trabalha como guia turístico. Então meus pais e eu voltamos rápido ao Village para almoçar e, de lá, fomos ao Rockefeller Center, para fazer uma excelente visita guiada (não só porque o guia é um grande amigo… hehe).

Excelente e VIP. Seguindo a orientação do Ryan, cheguei lá e me identifiquei como amigo dele. A moça – colega de trabalho dele – nos chamou pra dentro, onde ele estava e começou a falar que a visita começaria em seguida – e eu, traduzindo sempre, claro. Então eu disse, “tá, mas peraí, onde compramos os ingressos?” E ele, “I think you’re good.” E eu, “Ryan, falando sério, onde compramos os ingressos?” E ele, rindo, de novo, “Uhm… I think you’re ok.” Ou seja: o “desconto da casa” era uma visita grátis, o que eu realmente nem suspeitava.

O Radio City é uma casa de espetáculos e, em si mesmo, um espetáculo. As fotos dão uma pista de quão majestoso é o teatro. Ver os bastidores, conhecer pessoalmente uma rockette, saber dos detalhes da história e da construção do teatro (e da alta tecnologia por trás do seu palco móvel) – tudo muito impressionante.

Radio City

Saindo dali e vendo aquele dia de céu azul espetacular (o extremo oposto do dia anterior), percebemos que era necessário aproveitar o tempo e a visibilidade para subir ao Top of the Rock, o observatório que fica no 70º andar do prédio mais alto do Rockefeller Center (que aparece na série 30 Rock, sabe?). Eu já tinha subido (em 2006) no Empire State. O Top of the Rock, porém, é uma experiência bem diferente e que vale a pena: de lá se veem o Empire State, o Chrysler, o Central Park… É “turístico”, sim, naquele sentido um pouco depreciativo. Mesmo assim, é de tirar o fôlego.

Visa norte (Central Park)

Vista nordeste: midtown, Upper East Side, Queens

Vista noroeste: midtown, Upper West Side

Vista sul

Vista sudeste

Eram 6h da tarde, mas o dia ainda estava longe de terminar! Depois do Top of the Rock, tomamos o Path até a Penn Station de Newark (New Jersey) para buscar a maninha Lu, recém chegada das longínquas terras texanas! Meia hora pra ir, meia hora pra voltar. Na volta, paramos no meio do trajeto do Path para tirar fotos noturnas de Manhattan desde Jersey… uma linda noite. Jantamos – sushi! – no Ritz Asia… e aí, sim, fechamos o dia. Desta vez, a Lu fez o trabalho de passar a toga… 😛

Manhattan vista de New Jersey

World Financial Center

14 de maio

A cerimônia de Convocation da Faculdade de Direito foi no teatro do Madison Square Garden, em cima da Penn Station, bem mais perto de casa. Começou com a reunião de todos os formandos, muitas fotos, um lanche nos bastidores do teatro. A entrada foi segundo a ordem das especializações, não alfabética. Acho que a cerimônia em si foi ainda mais emocionante e significativa que a de Commencement: cada formando foi chamado ao palco (embora de forma muito rápida) para a formalidade do… bem… encapuzamento? Haha… Aqui o que se faz é colocar uma espécie de capuz ou capa sobre os ombros e ao redor do pescoço; o capelo (chapéu de formatura) se usa todo o tempo. E a oradora convidada foi Valerie Jarrett, uma conselheira do Presidente Obama.

Fotos de toga (mais “mico” e mais orgulho), recepção na Faculdade de Direito (um pouco frustrante… melhor nem comentar), almoço no Quantum Leap – e em seguida fomos a uma exposição de fotografia em que a minha amiga Misako expôs uma das suas. Por fim, a “janta oficial” de formatura foi no Gustorganics – um restaurante próximo de casa (6th Ave com 14th St, a dez quadras da NYU), argentino, de gerente brasileiro, com comida 100% orgânica, inclusive com certificação do “ministério da agricultura” dos EUA. A música de fundo foi electrotango quase toda a noite. Sobremesa: alfajores. No achado desse restaurante, falando sério, eu me superei.

Formando e familiares presentes 😉

No Washington Square Park

Janta de formatura

15 de maio

Dia de mudança! A Lu e eu acordamos cedinho, empacotamos duas malas com meus pertences e fomos da NYU até Roosevelt Island. Voltamos para a NYU, enchemos mais duas malas (e cacarecos acessórios), carregamos tudo num táxi e fomos até Roosevelt Island. Nossa praticidade e eficiência foram embasbacantes. À tarde já estávamos fazendo caminhadas turísticas no Distrito Financeiro.

Woolworth Building

Financial District

16 de maio

A Lu acordou cedão (tipo 6h da madrugada, quase um desaforo) pra ir ao aeroporto – e eu, claro, acordei pra tomar café da manhã com ela e me despedir dela. Fiz a última mala com os resquícios de coisas que tinham ficado no dormitório, fiz o check-out (¡hasta la vista, D’Ag!), fui a Roosevelt Island e voltei para o Village a tempo do culto. Minha mudança estava completa, só faltava… fazer a mudança dos meus pais para o hotel no Upper West Side. Enfim, um dia de muitas, muitas mudanças! Durante à noite, saí com meus pais para um passeio turístico imprescindível: Times Square.

Times Square

17 a 19 de maio (Roosevelt Islander)

Formado, casa nova, colchão novo… e o bendito paper por terminar, por isso fiquei mais isolado na segunda-feira e na terça-feira, enquanto meus pais passeavam no Upper West Side. Segunda-feira à noite, porém, fui com eles a um recital de jovens músicas na sala de recitais do Carnegie Hall. Terça-feira enfim terminei minha parte no artigo, ainda em tempo de ir ao hotel e me despedir dos meus pais… Eles passaram dez dias bastante intensivos aqui em Nova Iorque, é verdade, e curtiram muito. Fiquei satisfeito com a satisfação deles! 🙂 Na quarta-feira 19 revisei e entreguei o paper. Pronto! Sem mais pendências com a NYU. (A partir de agora, posts com o marcador “NYU” não serão tão frequentes!)

Manhattan vista de Roosevelt Island

20 a 24 de maio (microférias)

Quinta-feira 20 oficialmente começaram minhas microférias. Na sexta 21 fiz a volta toda em Roosevelt Island, reconhecendo o meu novo território (fotos, muitas fotos). No sábado 22 fiz faxina (haha) e à noite saí para jantar com o novo amigo Lev: caminhamos desde o campus da NYU (W 4th), onde ele ainda mora, até Hell’s Kitchen (W 50th), passando pelo Highline, um espaço muito interessante que eu ainda não conhecia – uma linha ferroviária transformada em área de lazer. (Achei genial.) Infelizmente não tirei fotos, porque estávamos famintos e eu não queria interromper a caminhada… 😛

Queensborough Bridge

Lighthouse (farol no norte de Roosevelt Island)

The Octagon: antes, o “asilo de lunáticos”

Queensborough Bridge, U.N. Headquarters

Queensborough Bridge, lado Queens

Ruínas do hospital de varíola (ponta sul da ilha)

Nações Unidas

Chrysler Building

No domingo 23 após o culto, estava mais disposto do que nunca a aproveitar as microférias. Fiquei um bom tempo com amigos da igreja no Washington Square Park – lagarteando, em bom gauchês –, bloguei no Starbucks da Astor Place (desde então estou escrevendo este post interminável) e concluí o domingo em uma pizzaria argentina buenísima no Upper East Side. Segunda 24 segui blogando (estabeleci uma parceria de blogagem com meu amigo Kyle, haha) noutro ambiente até então desconhecido – East Harlem Café, no bairro de mesmo nome.

25 a 27 de maio (barbri)

E acabaram-se as microférias. Terça-feira dia 25, às 14h, estava eu em plena Times Square para minha primeira teleaula (4h, com dois intervalos de 10 minutos) de barbri, o curso preparatório para o “exame de ordem” do estado de Nova Iorque. No segundo dia de aulas (26) já transgredi: não fui pra Times Square (onde estou matriculado). Em vez disso, fui pra biblioteca da NYU e fiz a teleaula de lá, à tarde. Terceiro dia (27) transgredi mais ainda: descobri que eles colocam as aulas no ar de véspera, o que me permite fazê-las já no turno da manhã, o que é infinitamente melhor. Portanto, fiz a aula de manhã. Observação: transgrido, mas faço as aulas. Três dias de aula, trinta páginas de anotações para revisar no findi-feriadão (por causa do Memorial Day – sexta a segunda).

Pra quem deveria estar estudando loucamente sem parar, sem querer tenho uma intensa vida social (o que não é, digamos, necessariamente ruim). Uma loucura isso, mas cada dia desta semana alguém me convidou pra jantar, e foram sempre convites irrecusáveis: segunda, aniversário; terça, sushi bom e barato (haha); quarta, encontro da igreja marcado há semanas num restaurante coreano… Até parece que sou popular.

Quinta (27, hoje – ou seja, o post está terminando!) foi a superação: tendo mui disciplinadamente assistido à teleaula de manhã, à tarde eu… fui à praia! Primeira vez que vou à praia desde que cheguei a Nova Iorque em agosto (portanto, verão) do ano passado. Fomos (Kyle, Ryan e eu) até Coney Island, uma região que ficou famosa no século XX por seus resorts e parques de diversões (hoje, um pouco decadentes, digamos). O passeio foi parte da “semana de despedida” do Ryan, que vai embora de Nova Iorque segunda-feira que vem.

Coney Island

Ryan congelando

Ryan e Kyle

O Atlântico…

Coney Island Boardwalk

Kyle, Ryan, Guri

Posfácio

Quatro mil palavras – o post acabou com o mesmo tamanho que a última prova que escrevi no mestrado (embora as provas do mestrado eu não ilustrasse com fotografias). Será que consegui escrever o post mais longo da história da humanidade, ou ainda não? Todos os que chegarem até aqui, por favor, deixem um comentário. No mínimo responderei pessoalmente para agradecer pela fidelidade, paciência, tolerância…

Enfim, eu precisava atualizar o blog com os acontecimentos das últimas semanas. A partir de agora, com a intensificação dos estudos (sim, eu já estudei bastante na vida, mas aparentemente o que é bastante nem sempre basta) e a desintensificação das atividades dignas de postagem, a tendência é que as postagens vão acabar sendo mais esparsas (mais ainda!), porque a minha vida vai se tornar menos interessante (menos ainda!). Mesmo assim, acho que ainda não é o momento de sepultar o blog do Guri. Vou segurar firme por enquanto – e quem sabe até aprender a postar com regularidade, para no futuro conseguir evitar o absurdo de publicar posts de 4.000 palavras…

Mais uma de biblioteca

Tanto para contar sobre o que aconteceu nos últimos dias, mas preciso terminar um artigo até sexta-feira. Não posso me deter em atividades bloguísticas por mais que alguns minutos.

Mesmo rapidinho, preciso contar mais uma de biblioteca. Desta vez não é nada inadequado ou significativamente reprovável (como das outras vezes); talvez apenas um pouco fora de contexto: o carinha à minha direita está olhando TV no seu laptop. Algum seriado da FOX.

Tudo bem: ele está com fones de ouvido, sem atrapalhar ninguém. Agora, aposto que ele sabe que deveria estar estudando (as aulas acabaram ontem e o período de provas começa na sexta-feira); do contrário, por que viria pra biblioteca, podendo olhar TV em casa? Que ninguém duvide da força do vício da procrastinação!

Banananinanão

Eu poderia estar ainda estudando na biblioteca agora, mas acabo de voltar pra casa. E o porquê é inacreditável. Estava eu lá, bem instalado na área de estudo; sobre a mesa, além do computador, uma pilha de oito artigos pra ler. Estava lendo os artigos, fazendo anotações. Nisso, meio sem acreditar, comecei a sentir cheiro de banana. “Não, não pode ser.”

Foi aí que vi: dois seres de forma humana na mesa ao lado terminaram o lanche e estavam indo embora da biblioteca. Antes disso, porém, vieram colocar na lixeira (uma lixeira sem tampa, para papéis e outros recicláveis) ao lado da minha mesa – claro, onde mais? – o resíduo do lanchinho: um copão de café (óbvio!), vazio, e uma casca de banana. “Não, não pode ser.”

Tchê, falando sério. Primeiro: lanche dentro na biblioteca? Segundo: banana? Por que não um peixe frito, então, ou algo com cheiro mais forte ainda? Terceiro: na lixeira sem tampa para lixo reciclável? Quarto: se a ideia era sair da biblioteca de qualquer jeito, não dava pra fazer o lanche – e descartar o resíduo – fora da biblioteca, não? [Suspiros.]

Taí, talvez eu devesse ter dito, “vem cá, criançada, tão pensando que isso aqui é o quê?” Mas não sou assim. Evito conflito. Em vez de me expressar e de justamente me indignar, me fecho. Juntei minhas coisas e vim embora – e já que tive que me desinstalar, nem me dei trabalho de procurar outro lugar na biblioteca; aproveitei pra voltar pra casa. Tudo bem… teria que voltar logo de qualquer forma. Além do mais, acho que nem teria adiantado falar o que quer que fosse. A criançada estava saindo com pressa pra recreação.

Estilo importa

 

Na redação formalmente correta, nem tudo é gramática: certas convenções de estilo – por exemplo, quanto ao uso de aspas, travessões e vírgulas –, embora não sejam propriamente normas gramaticais, merecem a atenção de quem escreve. “Essas convenções variam tanto de um idioma para outro quanto entre diferentes manuais de estilo e redação de um mesmo idioma”, ressalta o Guri.

O trecho acima, além de expressar uma observação verdadeira minha, serve bem como ponto de partida para este post. As convenções de estilo que adotei no trecho são as que aprendi “com a vida” no Brasil e que uso consistentemente quando escrevo em português, inclusive aqui no blog. Nesse trecho não há nada de “estranho” para olhos brasileiros, né? Assim é porque estamos acostumados a ver o uso dessas convenções em jornais, revistas e livros de forma tão frequente e natural que as aceitamos e reproduzimos sem nem perceber.

Mas olha só como as convenções podem ser diferentes: pronto. Que tal? Acabei de fugir da convenção brasileira. Não dá pra ver? [Edit: Não dá mesmo pra ver: basta publicar no blog que a diferença desaparece! A autoformatação do blogger.com estragou meu texto.] É sutil: dois espaços após os dois pontos ou após o ponto final, convenção conhecida como double spacing, English spacing ou American typewriter spacing. (Sigo usando-a neste parágrafo.) Uma amiga canadense, eu acho, é que me disse para usar o double spacing em inglês, mas só comecei de fato a usá-lo quando fiz o estágio nas Nações Unidas: está no manual de estilo do secretariado. Desde então, comecei a observar que a convenção é bastante aplicada em documentos oficiais das Nações Unidas (em inglês). Mas nem sempre.

A mudança mais chocante, porém, foi quando vim para a NYU e entrei em contato com as convenções daqui, sejam elas específicas da área do direito ou gerais para a redação em inglês. (Parei de usar o espaço duplo. Aliás, bom começo: nos EUA não se usa [mais] o espaço duplo após os dois pontos ou após o ponto final. Até há quem ainda insista em usar, mas os manuais de estilo não recomendam.) Para tirar dúvidas que tenho de vez em quando, visito a versão online do Chicago Manual of Style (CMS). Algumas regras me agradam; outras, nem tanto.

O uso da vírgula serial (ou vírgula de Oxford) me agrada. Vírgula serial é a que separa o último elemento de uma lista. No trecho inicial deste post, eu citei como exemplos de convenções de estilo as relativas ao uso de aspas, travessões, e vírgulas. Essa última vírgula aí, entre “travessões” e “e vírgulas”, é a vírgula serial. Sim, é provável que tenhas ouvido da tua professora de português do ensino fundamental que “vírgula + e” era uma construção absolutamente inaceitável em português. Mas, pensando bem, talvez esse seja mais uma regra absoluta da professora de português do ensino fundamental que mereça (a regra!) ser flexibilizada, especialmente nos casos em que uma vírgula serial pode ajudar a evitar uma ambiguidade.

Clássico é o exemplo da Wikipédia. Imagina uma dedicatória de livro escrita assim: “Para meus pais, Amy Rand e Deus”. A quem o livro é dedicado? Talvez seja evidente: (1) aos pais de quem escreveu o livro, (2) a Amy Rand e (3) a Deus. Mesmo assim, não se pode negar que existe uma ambiguidade: “Amy Rand e Deus” pode ser um aposto explicativo, ou seja, uma explicação do termo anterior. No nosso exemplinho clássico, quem escreveu pode ter querido dizer: “Para meus pais, [que são] Amy Rand e Deus”. Ok, improvável. Mas possível. E a simples possibilidade de uma ambiguidade justifica o uso de uma vírgula serial, “só pra garantir”.

À primeira vista não gosto de regras absolutas: nem da regra absoluta da professora de português do ensino fundamental (“vírgula serial: nunca”) nem da regra absoluta do CMS (“vírgula serial: sempre”). Gosto mesmo é de abordagens flexíveis, como esta: “vírgula serial: quando evitar ambiguidade”. Afinal, uma vírgula serial em “aspas, travessões, e vírgulas” não me parece ter grande utilidade prática (e o que aparentemente não tem utilidade pode vir a causar problemas e talvez deva ser removido – um argumento que valeria tanto para o não-uso de vírgulas seriais quanto para cirurgias preventivas de remoção de apêndice…?). Por outro lado, também gosto de abordagens consistentes, algo que a abordagem flexível que acabo de apresentar não parece ser. Sendo assim, prefiro a regra absoluta do CMS. “Vírgula serial: sempre.” Se me condenarem pelo uso da vírgula serial à toa, sem haver ambiguidade a solucionar, posso me justificar: “bom, pelo menos fui consistente.”

Se a vírgula serial é o que eu gosto no CMS, há aspectos dos quais não sei se gosto muito. Um deles é o travessão (m-dash): ele é mais longo que o comumente usado em português (mais longo que o traço, “meia-risca”, que aparece no Word quando se coloca um hífen entre duas palavras – este!). Além de mais longo, o travessão em inglês não é separado das palavras adjacentes. Uma expressão parentética típica na convenção brasileira – como esta – torna-se bastante diferente—como esta—na convenção do CMS. Ahá! Acabo de violar – intencionalmente, é claro – uma convenção comum ao estilo brasileiro e ao do CMS: não se deve usar, em uma mesma frase, mais de uma expressão parentética com travessões. Se for mesmo preciso fazer mais de uma – o que (na minha modesta opinião) pode ser um forte indicativo de redação ruim –, usam-se parênteses (como acabo de fazer) ou vírgulas.

A última frase do parágrafo anterior me traz a uma das coisas de que não gosto no CMS: se uma vírgula normalmente seria necessária—mas se se resolve incluir uma expressão parentética com travessões, como esta—não se deve pôr vírgula após o segundo travessão. Dá pra sentir a falta da vírgula antes de “não se deve […] travessão”! A convenção brasileira me parece melhor nesse aspecto: se uma vírgula é necessária – ainda que se resolva incluir uma expressão parentética com travessões, como esta –, a vírgula deve aparecer (como acabou de aparecer!) após o travessão, ora. Ela é necessária e pronto. O travessão não a substitui.

E a última coisa (por hoje?) de que não gosto no CMS é que “vírgulas precedem as aspas,” assim como acabo de fazer, e também assim: “pontos finais precedem as aspas.” Não gosto. Prefiro “vírgulas fora das aspas”, bem como “pontos finais fora das aspas”. É mais lógico. O próprio CMS reconhece isso, mas diz que “usos tipográficos” ditam que pontos finais e vírgulas precedam as aspas.

O problema é mais profundo do que parece. Se eu escrever que, segundo o Guri, “é mais lógico que vírgulas e pontos finais fiquem fora das aspas,” incluindo a vírgula dentro das aspas, minha frase sugere que a opinião do Guri é que tem uma vírgula e que talvez continue depois dessa vírgula; porém, na verdade a vírgula pertence à minha frase a respeito da opinião do Guri. Enfim: se a vírgula é minha, é minha; se é do Guri, é do Guri, e só se for do Guri vou querer atribuí-la ao Guri, porque seria impreciso (e talvez desonesto) dizer que o Guri disse vírgulas que de fato não disse. Como aqui o Guri sou eu mesmo, não há risco, mas pode haver situações em que o risco de imprecisão e desonestidade seja alto.

Comecei com a convenção corrente no Brasil:

Na redação formalmente correta, nem tudo é gramática: certas convenções de estilo – por exemplo, quanto ao uso de aspas, travessões e vírgulas –, embora não sejam propriamente normas gramaticais, merecem a atenção de quem escreve. “Essas convenções variam tanto de um idioma para outro quanto entre diferentes manuais de estilo e redação de um mesmo idioma”, ressalta o Guri.

E termino com a convenção do Chicago Manual:

Na redação formalmente correta, nem tudo é gramática: certas convenções de estilo—por exemplo, quanto ao uso de aspas, travessões, e vírgulas—embora não sejam propriamente normas gramaticais, merecem a atenção de quem escreve. “Essas convenções variam tanto de um idioma para outro quanto entre diferentes manuais de estilo e redação de um mesmo idioma,” ressalta o Guri.

Esse “jogo dos sete erros” é irrelevante, “a distinction without a difference“? Quanto à mensagem, é claro que não há diferença. Mas a percepção de quem lê pode ser bem diferente. Nos EUA alguém pode estranhar um texto em língua inglesa usando estilo brasileiro, assim como no Brasil alguém pode estranhar um texto em língua portuguesa usando o estilo de Chicago. Esse “estranhar” da parte de quem lê pode variar entre, num extremo, um desconforto motivado pela aversão ao incomum e, no outro extremo, a sensação de que quem escreveu é incompetente. Para evitar esse segundo extremo, que é mais dramático, acho que vale aqui adotar uma abordagem flexibilidade–consistência: com flexibilidade, cuidar para usar em cada contexto o estilo apropriado e, com consistência, usar apenas um estilo em cada contexto.

De volta a Gotham

Voltei para NYC dia 9. Desempacotar malas, arrumar o quarto, lavar roupa… Tarefinhas básicas e desmotivantes combinadas + aquele sentimento de coração apertado depois de me despedir da família = primeiro dia sem-graça. Domingo fui ao culto e almocei com os amigos, o que já ajudou um pouco.

E aí a NYU começou a me engolir. Comprinhas de livros para o próximo semestre, leituras (muitas leituras), paper do semestre passado por terminar. A primeira semana foi pesada. Além de me reacostumar com o ritmo (leituras, aulas, correrias acadêmicas), tive muitos eventos sociais. Ando requisitadíssimo, embora não “popular”, como quis dizer minha amiga Daniele. Festa de aniversário na segunda, recepção da turma de Direito Internacional na quarta, entrevista simulada e recepção na quinta, “Game Night” com amigos da igreja na sexta (jogamos Siedler / Settlers / Descobridores de Catan! yay!).

O bom desse semestre é fiquei com a sexta-feira livre (isto é, sem aulas, o que não quer dizer que não tenha nada pra fazer – e nem sempre sem aulas, porque alguns professores já marcaram aulas extras em sextas-feiras). De qualquer forma, será meu dia pra descansar, eventualmente viajar… ou recuperar os atrasados da fac. Outra vantagem é que uma das disciplinas que estou cursando é condensada na primeira metade do semestre. Mais trabalho inicialmente, mas mais liberdade posteriormente. 🙂

Este semestre estou cursando Climate Change Policy (Políticas contra Mudança Climática), International Human Rights (Direitos Humanos), Investment Disputes in International Law (Disputas de Investimentos em Direito Internacional), U.S. Legal Methodology (Metodologia Jurídica Americana), e WTO: Core Issues and Dispute Settlement (OMC: Questões Principais e Solução de Controvérsias). Já tive todas as disciplinas, e estou gostando de todas elas. A maioria delas exigirá bastante de mim ao longo do semestre (trabalhinhos e avaliações continuadas); por outro lado, tenho apenas uma prova final!

Além das novas disciplinas, ainda tenho que escrever um artigo deferido do semestre passado (Direito Internacional Ambiental). O tema está preparado e aprovado pelo professor; agora é só começar a trabalhar!

Extra-academicamente, vou estudar para o exame de ordem aqui nos EUA, continuar com os estudos teológicos (já me reuni uma vez para discussões com o pastor ano passado), participar do Downtown Community Group toda quarta-feira (a menos por motivos de força maior), reger o City Grace Easter Choir (projeto de reedição do City Grace Advent Choir!), nadar, patinar no gelo, e procurar emprego.

Ai, que cansaço. Quero férias.