O quinto borough

Dos cinco boroughs de Nova Iorque, faltava conhecer só um: Staten Island. Foi o que inventei de fazer ontem. Decidi na hora do almoço, assim de improviso, e o plano era de início meio maluco. Não sei como deu certo. Fui atualizando o twitter pelo celular, então acabei ficando com um registro bem preciso do horário em que estive em cada lugar.

13:46 Saída de Roosevelt Island.

14:32 Chegada ao Battery Park. Perdi o ferry por questão de alguns minutos… Aproveitei pra tirar umas fotos dos arredores e dar uma espiadinha pra ver se a Estátua da Liberdade ainda estava no mesmo lugar dos mesmos 124 anos. Estava.

Battery Park

Lady Liberty

15:19 No Staten Island Ferry, em algum ponto entre Whitehall (o terminal do ferry em Manhattan) e Saint George (terminal de Staten Island). O ferry é este lindo barquinho laranja que aparece nas fotos seguintes. O melhor dele, claro, é o custo: grátis. Claro que é um veículo de transporte público, mas também serve para fazer um belo passeio pela enseada de Nova Iorque, sem precisar pagar nada.

Staten Island Ferry, Brooklyn ao fundo

Deixando Manhattan (esq.) e o East River para trás.
As pontes: Brooklyn, Manhattan e Williamsburg.

Downtown Manhattan… e que as nuvens fiquem por aí

16:05 Caminhando em terra firme em Staten Island! Tirei fotos do alto do terminal do ferry. Do terminal, mudei os planos (improviso total) e peguei um ônibus para Fort Wadsworth.

Staten Island Borough Hall, vista do alto do terminal to ferry

16:37 Perdido em algum bairro perto de Fort Wadsworth… haha! Nessas horas eu sinto falta de acesso à Internet pelo celular! Errei a parada de ônibus… Bom, na verdade eu não tinha como acertar a parada de ônibus, porque não sabia exatamente aonde estava indo. Parte da aventura é não pedir informações e adaptar os planos conforme a necessidade. 😉 Enquanto ainda estava meio perdido, visitei o simpático Parque Von Briesen. Saindo dali, logo me dei conta de que o tal parque era exatamente ao lado de onde eu queria chegar.

16:53 Passeio pelo parque Fort Wadsworth. A área abriga uma antiga fortificação (Battery Weed), criada para proteger a baía de Nova Iorque de invasões por mar. Ali também fica a ponte Verrazano-Narrows, que atravessa o estreito de Narrows, unindo o Brooklyn a Staten Island.

No Fort Wadsworth

Battery Weed; Jersey City, Manhattan e Brooklyn ao fundo

Battery Weed e a ponte Verrazano-Narrows

Um veleiro muito simpático resolveu passar por ali bem na hora em que eu estava tirando fotos da vista espetacular do alto do Fort Wadsworth.

O veleiro aponta para o Rio Hudson;
à esquerda, Jersey; à direita, Manhattan

Manhattan no centro

E nosso veleiro chegando à Ponte Verrazano-Narrows

Passando a Ponte Verrazano-Narrows

Ponte Verrazano-Narrows

Bem por acaso, espiando pra lá da ponte, encontro ao longe uma estrutura conhecida que me faz reconhecer um lugar onde já tinha estado: Coney Island! Bem no centro da foto seguinte está o Parachute Jump, uma das atrações falidas do parque de diversões de Coney Island. O relato sobre minha visita a Coney Island está naquele post de 4.000 palavras… Uma imagem vale mais que mil palavras, mas não mais que 4.000 palavras. Mesmo assim, em consideração ao leitor que não vai voltar praquele post agora, coloquei abaixo uma foto de Coney Island mostrando o Parachute Jump, só pra lembrar.

Coney Island

Coney Island: Boardwalk e Parachute Jump

17:57 No Staten Island Railway (SIR), rumo ao sul da ilha. O SIR é uma estrada de ferro de 150 anos que atravessa Staten Island. É operado pela MTA (a companhia de transporte público de NYC), os trens são versões modificadas (e bem mais velhas) dos metrôs… é praticamente uma linha de metrô na superfície. O MetroCard mensal ilimitado que eu tenho vale para toda a rede de metrôs e, portanto, também para o SIR. Só um detalhe: na maioria das estações não há catracas. Ninguém conferiu meu MetroCard em momento algum da viagem. Ataque de flashback: me senti em Bonn de novo.

18:35 Chegada a Tottenville, a última estação do SIR, no sudoeste de Staten Island. A estação fica à beira do Arthur Kill, o canal que separa Staten Island do estado de New Jersey, à oeste (no continente). Só pra tranquilizar o leitor: nenhum Arthur matou ou morreu por ali. “Kill”, aqui, é uma palavra derivada do holandês antigo; significa “canal”. Pois é, vai saber.

Arthur Kill

Vista para o lado oeste: cidade de Perth Amboy, NJ

A ponte Outerbridge Crossing e o Arthur Kill

18:53 Chegada ao Conference House Park, meu destino final (e determinado desde o início!). O parque fica no extremo sul, não só de Staten Island, não só da cidade de Nova Iorque, mas de todo o estado de Nova Iorque. Não sei se é porque eu estava tão perto do Brasil como podia estar sem sair do estado de Nova Iorque (!), mas vi cenas que me pareceram familiares: mesmo sendo uma baía no bom e velho Atlântico Norte, parecia a Lagoa dos Patos.

Conference House Park (ou São Lourenço do Sul?)

Conference House Park (ou São Lourenço do Sul?)

Levei um susto ao ver um caranguejo-ferradura, um artrópode (não um crustáceo). Nunca tinha visto um… mas ouvi dizer que eles estão por aí faz tempo!

19:35 Entardecer no extremo sul do estado. Se Nova Iorque tivesse um Chuí, digamos que só podia ser ali. Acontece que, antes de começar essa jornada sem cabimento, eu vi na Internet uma foto de um poste que indicaria o extremo sul do estado, com a palavra “South”. Pois bem. Andei por todo o parque (até sair dele pelo outro lado, na Brighton Street), mas não encontrei o tal do poste para tirar uma foto dele. Posso garantir que não está mais lá.

Tudo bem, pois tirei fotos que demonstram, de forma rudimentar, porém eficaz, que estive lá. Era fim da tarde; sol, portanto, a oeste. Aquela sombra comprida é a minha sombra, estendendo-se a leste. À direita da sombra fica o sul. Como se vê, Staten Island terminava por ali mesmo; nada mais ao sul. Meia-volta, volver: tirei a foto seguinte, contra o sol, demonstrando que nada mais havia ao sul (desta vez, à esquerda da foto) além daquele pouquinho de areia.

O ponto sul do estado de Nova Iorque!

Pôr do sol no ponto sul

20:07 Saída de Tottenville. Tomei o ferry das 21h e cheguei a Roosevelt Island pouco depois das 22h, certo de que não faço mais viagens dessas a Staten Island. Para esse tipo de aventura, uma vez basta. Da próxima (será que ainda consigo ir mais uma vez?), fico só no nordeste da ilha e visito os museus de Alice Austen (fotógrafa) e Garibaldi (o próprio).

Uma ideia sobre “O quinto borough

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s