The time of my life (?)

No último post da história de outrora e sempre ficou a deixa: E agora, José – Direito ou Jornalismo?Passei nos dois vestibulares: Direito na UFPEL, Jornalismo na UFRGS. Era preciso tomar uma decisão muito difícil.

Ainda mais difícil foi chegar a ter a oportunidade de tomar essa decisão. Primeiro, eu nem esperava passar, sinceramente. Por causa de greve no CEFET-RS, escola onde fiz o ensino médio, ainda me faltava o conteúdo metade do terceiro ano. Passei no vestibular, mas havia outro problema: como fazer a matrícula na universidade sem o certificado do ensino médio? A universidade não flexibilizou, como em anos anteriores, para as vítimas das greves federais.

Restavam algumas saídas. Uma delas era pleitear na Justiça a matrícula na universidade, uma brincadeirinha jurídica antes mesmo de entrar no curso de Direito. Em outros anos o Judiciário havia concedido medida liminar para permitir o ingresso dos alunos. Mas havia sempre o risco de que outros classificados no vestibular, já formados no ensino médio, alegassem seu melhor direito à vaga.

Outra solução possível era fazer um supletivo, concluindo o ensino médio a tempo da matrícula. Era a opção de menor risco. Lá fui, com uns outros doze bixos avessos ao risco , para o supletivo. Afirmo o seguinte, cuidando para deixar claro que não pretendo desmerecer quem estuda em supletivo: foi a época mais inglória da minha vida. Já aprovado no vestibular, estava, com os colegas, enclausurado horas e horas por dia em uma sala abafada e úmida do escaldante verão pelotense, estudando e fazendo trabalhos e provas da matéria de um semestre condensado em um só mês. Quase um Sacrilégio.

Todos fomos aprovados no supletivo (!) e tínhamos em mãos o certificado do ensino médio poucos dias antes da matrícula, mas a dor daquele janeiro será difícil apagar da memória. A solidariedade e a amizade persiste entre muitos dentre nós, os supletivados, até hoje, apesar da diferença entre os rumos acadêmicos.

Três dos supletivados, em recente e emocionante reencontro:
Luciana, a turista (Turismo); Renata e Martin (Direito, ambos na mesma turma).

De posse do certificado e abraçado na possibilidade da matrícula na universidade, não havia mais desculpa: E agora, José – Direito ou Jornalismo? A solução do dilema, garanto, virá no próximo post…

Anúncios

10 ideias sobre “The time of my life (?)

  1. Angélica

    hehehe :DMas como tu conseguiu te formah no CEFET já tendo um diploma d ens. médio?eu to mto curiosa pra saber do jornalismo!! nao vou te perguntar pelo msn pra nao perder a graça.. hehehheabraço

    Curtir

    Resposta
  2. bruno

    Concordo com o lance da imagem no blog. Agora só falta a já selecionada trilha sonora tocar quando acessarmos o site! Se bem que ninguém gosta de ler um texto com música ao fundo… aliás, música nunca deve estar ao fundo, mas sempre em primeiro plano!

    Curtir

    Resposta
  3. MDBrauch

    Além do fato de que a música tem que estar em primeiro plano, 😉 acho que os leitores tendem a enjoar. Eu já ouvi tantas vezes que estou imune! 😀 A propósito, o álbum Unwritten está em 8o. lugar na Billboard Hot 100 desta semana!

    Curtir

    Resposta
  4. avassaladora romântica

    o bom foi teu discurso na nossa formatura do médio! ioaeuioeauioaeuioae!!! :Dacho que depois do episódio a diretoria começou a revisar os discursos antes, hehe! mas que valeu a cara do senhor cabeça de ovo (o nosso ilustríssimo ex diretor), valeu! :)e isso não é flog, bartin…tá bem, era só pra implicar 😉

    Curtir

    Resposta
  5. MDBrauch

    Ai, Sandrine!!! Claro que tu tinhas que implicar comigo! 😛 Mas o meu discurso não foi malvado, como queres fazer parecer! Assim eu só posso achar que estás dando uma oportunidade de um “direito de resposta” meu, quase implorando que eu publique o discurso no blog… 😉

    Curtir

    Resposta
  6. Angélica

    haeuaehuaehauehaeuaeeu sentih uma maldade sim no discurso.. heheheh.. td mundo saiu falando do discurso 😀 deu uma agitada na formatura!! yaeuaehueahaeuaehuae

    Curtir

    Resposta
  7. MDBrauch

    NÃO! 😛 Mas que absurdo… Não tinha maldade o discurso, ele só era ruidosamente verdadeiro. Agora não tem escapatória: vou ter de publicar esse discurso no blog! Virou questão de honra! 🙂

    Curtir

    Resposta

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s